Passeata em Santana do Paraíso pede mais segurança no trânsito

Desfilando pelas principais ruas do centro da cidade, os participantes entoaram repetidas vezes o refrão “Eu só quero ser feliz, andar tranquilamente pelas ruas do país e poder atravessar na faixa de pedestres sem ninguém me atropelar”

Divulgação


Iniciativa integra as ações do movimento nacional ?Maio Amarelo?

Centenas de pessoas, entre profissionais da saúde, alunos e professores de escolas participaram na manhã de sexta-feira (24), de uma passeata e blitz educativa no centro de Santana do Paraíso, promovida pela Secretaria de Saúde e as escolas municipais, com apoio da Polícia Militar. O evento integra o movimento nacional “Maio Amarelo”, que visa despertar no cidadão uma reflexão por um trânsito com mais respeito e segurança.

Utilizando de criatividade, os participantes confeccionaram, de forma artesanal, cartazes, carros, semáforos, placas de sinalização e um letreiro com a frase: “Se for pra ser paciente, que seja no trânsito”. Houve ainda uma cadeirante simbolizando uma vítima de acidente automobilístico, informou a administração municipal.

Desfilando pelas principais ruas do centro da cidade, os participantes entoaram repetidas vezes o refrão “Eu só quero ser feliz, andar tranquilamente pelas ruas do país e poder atravessar na faixa de pedestres sem ninguém me atropelar”.

A passeata terminou na Praça da Matriz com uma blitz educativa. Conforme a administração de Santana do Paraíso, a prefeita Luzia de Melo participou de toda ação. Durante a blitz, ela entregou panfleto aos motoristas, orientando sobre a necessidade de todos estarem atentos por mais respeito e segurança no trânsito.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO