A estreia de ‘Órfãos da Terra’

O drama de imigrantes refugiados que buscam o Brasil como nova Pátria

Paulo Belote-RG


Laila (Julia Dalavia), o pai Elias (Marco Ricca), a mãe Missade (Ana Cecília Costa) e o irmão Kháled (Rodrigo Vidal)
A Globo já estreou sua mais nova produção, ‘Órfãos da Terra’, escrita por Thelma Guedes e Duca Rachid e com direção geral de André Câmara.

Diversas culturas, crenças, sonhos, sotaques e uma só nação, o Brasil. O casal Laila (Julia Dalavia) e Jamil (Renato Góes) desembarca no país para tentar viver o amor que os uniu ainda no Oriente Médio. Ela, uma refugiada.

Ele, empregado de um poderoso sheik (Herson Capri) que tomou Laila à força como uma de suas esposas. Pegos pela paixão e fugindo de uma nação em guerra, os dois unem forças. E o destino os leva a um país que tem por tradição o acolhimento e o convívio pacífico com as diferenças.

A novela mostra o universo de pessoas de diversos lugares do mundo, refugiados de guerra e conflitos políticos ou deslocados por razões econômicas ou acidentes naturais, que vêm para o Brasil em busca de uma nova vida e enfrentando muitas adversidades, mas trazendo um patrimônio cultural que nos enriquece e constitui.

Paulo Belote-RG


Aziz Abdallah (Herson Capri) é um sheik muito poderoso e se encanta por Laila em um campo para refugiados no Líbano
Alegria e tristeza
Na Síria, em um dia de alegria e celebração para a família Faiek, Laila vê seu destino mudar de repente. Um bombardeio os atinge e transforma a vida de uma família estruturada e bem-sucedida em pesadelo.

Com a casa em ruínas e a fictícia cidade de Fardús em guerra, a jovem estudante Laila e sua família – o pai Elias (Marco Ricca), a mãe Missade (Ana Cecília Costa) e o irmão Kháled (Rodrigo Vidal) – são forçados a deixar o país em direção ao Líbano, para fugir do conflito e tratar Khaled, gravemente ferido.

Com o pouco que lhes restou, em dinheiro e pertences, os Faiek vão parar em um campo de refugiados em Beirute, onde Laila cruza olhares com Jamil Zarif, que está no campo acompanhando o patrão, o sheik Aziz Abdallah, em busca de mão de obra para suas empresas.

Mas, assim como Jamil, Aziz também se interessa por Laila e, acostumado a comprar tudo o que deseja, oferece ao pai dela um contrato de casamento que pode salvar sua família da penúria. Elias recusa a proposta, mas o estado de Kháled se agrava e Laila se oferece em sacrifício, em troca do tratamento do irmão.

Logo após a cerimônia de casamento, entretanto, a jovem fica sabendo que o irmão não resistiu à cirurgia. Laila deixa a mansão do sheik na noite de núpcias, antes do casamento se consumar, reencontra a família e, com eles, traça um plano de fuga para São Paulo, no Brasil, onde os Faiek têm parentes.

Raquel Cunha-RG


Rania (Eliane Giardini) mora no Brasil e vai abrigar em sua casa a família Faiek, refugiada da guerra
Um novo começo
Sem saber que a esposa fugitiva do patrão é a mulher por quem se apaixonou no campo de refugiados, Jamil recebe uma missão: embarcar num navio para o Brasil e trazer de volta para Beirute a mulher que Aziz acredita ser sua propriedade.

Antes de embarcar, porém, Jamil descobre que essa mulher é Laila. A paixão intensa que une o casal é maior do que o compromisso que Jamil assumiu com Aziz: casar-se com a ardilosa Dalila (Alice Wegmann), a filha preferida do seu patrão.

Ao chegar sem renda e sem o endereço de Rania (Eliane Giardini), prima de Missade, a família Faiek é levada para o Instituto Boas-Vindas, que apoia e acolhe pessoas em situação de refúgio e/ou deslocadas.

O Instituto é administrado pelo padre Zoran (Angelo Coimbra)e abriga pessoas de várias etnias e culturas. Entre elas, Marie Patchou (Eli Ferreira), uma jovem congolesa que perdeu tudo em seu país após a guerra civil.

E assim começou a trama de “Órfãos da Terra”, a qual pretende mostrar as dificuldades e alegrias e estrangeiros que vêm tentar uma vida melhor no Brasil e como manda a regra de um bom folhetim, recheados de intrigas, romances e muita paixão.

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO