Com foice e facão homem diz quer matar o vereador Jadson Heleno

Agressor invadiu projeto social no Jardim Panorama, em Ipatinga e anunciou que pretende matar o presidente da Câmara Municipal

Atualizado Às 14h52
Um homem é procurado em Ipatinga, acusado de tentativa de furto e de proferir ameaças contra um vereador, contra quem faz várias acusações. A ocorrência foi registrada na tarde dessa quarta-feira, na rua Serra dos Cocais, no bairro Jardim Panorama.

No local, policiais militares foram informados por vítimas e testemunhas que um homem de 47 anos invadiu a sede do projeto social Mãos de Sonhos e, armado com um facão, furtou a bolsa de uma funcionária. A mulher voltou e viu o homem com a bolsa na mão. Ele então determinou que ela se afastasse. Várias pessoas foram chegando local e o homem afirmou que iria matar a funcionária do projeto social e também o vereador Jadson Heleno, que mantém a entidade.

Alegou o homem que o vereador e presidente da Câmara Municipal aprovou o projeto de lei reduzindo o número de vereadores no município de Ipatinga de 19 para 15, o que segundo o agressor o prejudica, pois tem a intenção de se candidatar a vereador.

As testemunhas e vítimas disseram que o homem aparentava confusão mental e foi embora depois da aglomeração de pessoas no local. Quando todos pensaram que tinha acabado, o homem retornou à sede do projeto social armado com facão e uma foice. Novamente, fez ameaças dizendo o vereador Jadson age em “conluio com o Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) para prejudicar os vereadores da atual legislatura”.

Em seguida saiu do local e não foi encontrado pelos policiais militares que foram chamados. O homem foi identificado, mas não localizado em sua residência. O agressor ainda é procurado e, apanhado, vai responder por tentativa de furto e ameaças, dentre outros delitos.

Posicionamento

O vereador Jadson Heleno afirma estar tranquilo e que continuará a fazer tudo dentro da lei. "Serviço público é isso. Não tive medo ao propor a redução do número de vereadores, atitude essa que irá economizar R$ 2,5 milhões/ano de recursos gastos pelo poder Legislativo de Ipatinga e que poderá ser investido na Saúde, Segurança Pública, Educação, infraestrutura da cidade, dentre outras áreas. Quero continuar a exercer meu mandato de vereador e de presidente da CMI, mantendo a casa Legislativa com pessoas que valorizam uma conduta ética e proba no serviço público", destaca em nota enviada ao Diário do Aço.

O presidente do Legislativo acrescenta que, quando determinou a publicação da portaria 71/2019, nominada como portaria da moralidade, feriu interesses pessoais e corporativos dentro da instituição. Em função dessa portaria, desde o dia 1º de março, todos os servidores da câmara, efetivos ou comissionados, ficaram obrigados a registrar ponto de entrada e de saída.

Quanto à acusação de colaborar como Gaeco, o vereador afirma que continuará a contribuir com a justiça, "por entender que qualquer cidadão pode cometer erros, ser investigado, assim como também fui, e tive a denúncia arquivada pelo Ministério Público. Não apontarei o dedo para ninguém, mas minha obrigação é zelar pela instituição e o farei sem medo. Não abrirei mão das minhas prerrogativas de propor leis, fiscalizar e representar aqueles que me confiaram o voto. Vou continuar fiscalizando o transporte coletivo e sempre andando de cabeça erguida. Minha vida está nas mãos de Deus", concluiu.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO