Vamos falar de Piscininha, amor?

Depois de estourar como hit, após um meme nas redes sociais – entenda o que mais está por trás das estratégias de marketing, abrindo novos negócios para a indústria da música e transformando a relação entre artista, marca e público

Divulgação


Piscininha saiu das redes sociais e ganhou um clipe

Whadi Gama, com 17 anos, assinou contrato com a Sony Music Brasil, uma das maiores gravadoras do mundo, com menos de uma semana após postar a música “Piscininha, Amor”, no YouTube. A história é famosa, mas vale ser relembrada - começou com um story do jogador Egídio, do Cruzeiro, em que dizia para a esposa: “Que delícia de mar. Piscininha, amor! Ótimo pra gente namorar”. Em seguida, Fred fez uma paródia da cena, repetindo as frases do colega. Essa foi a inspiração para Whadi compor a música, que viralizou entre os famosos. De esportistas, como Neymar e Gabriel Medina, que postaram vídeos cantando o hit, à Anitta e Cláudia Leitte, que entraram na brincadeira, usando a legenda, “Piscininha, amor”, para algumas de suas fotos.

No último dia 14 de fevereiro, Piscininha saiu das redes sociais e ganhou um clipe, com o mesmo tom de humor que fez a música ter tanta repercussão. Logo no começo, Whadi aparece convidando a namorada para um dia especial e usa o App das Lojas Americanas para comprar uma piscina para curtirem juntos. Na hora de compartilhar a localização do encontro, por engano, também encaminha a mensagem para o grupo dos amigos, dizendo: “Aqui, ó... Vamos?”! A confusão começa em uma sequência divertida, com a participação da rainha da Internet, Gretchen, e dos influenciadores e humoristas João Quirino e Isadora Nogueira.

Porém, mais do que um bom roteiro da música que promete ser o hit do Carnaval, aqui conseguimos presenciar o casamento perfeito entre Artista + Marca = Whadi + Lojas Americanas. Tão natural, que muita gente não percebe que isso faz parte de uma estratégia de marketing, que vem ganhando destaque no mercado publicitário. Essa inserção de produtos e serviços em meios ou eventos culturais e de entretenimento são chamadas de Product Placement.

A vertical de Business Development (BD), da Sony Music, foi a responsável por este trabalho no clipe do “Piscininha, Amor”. Um dos objetivos da área, pelo seu pilar de Brands, é justamente desenvolver ações de Product Placement para companhias de todos os segmentos e tamanhos.

Neste caso, antes mesmo de haver o clipe, BD já tinha entrado em contato com um player de venda de piscina, só aguardando o momento ideal de colocar artista e marca em ação conjunta. “Tivemos certeza do match com as Americanas, justamente porque seria uma compra por meio de um App, muito próximo do público jovem e digital do Whadi. A vantagem de tudo isso para as marcas é que videoclipes se eternizam e o reconhecimento das pessoas é duradouro”, explica Wilson Lannes, vice-presidente da Sony Music Brasil.

E por que isso dá tão certo e colhe resultados positivos? A grande questão é realizar o melhor encontro entre artista, marca e música, para que seja algo fluido e natural, que não cause percepção de interrupção, mas de fluidez dentro daquele contexto. Dessa forma, há boa aceitação e engajamento, unindo emoção e identificação do público com aquele storytelling.

(Marina zimmaro RPMA)


Piscininha Amor - Whadi Gama | Clipe Oficial

Comentários

Cultura Brasileira 18 de Fevereiro, 2019 | 13:16
Difícil sermos um país de 1º mundo enquanto a sociedade continuar se esquecendo e desprezando a riquíssima cultura brasileira. Nossos grandes compositores são, muitas vezes, mais admirados pelos chineses do que pelos próprios brasileiros. Heitor Villa-Lobos deu todo seu intelecto e vida pelo país, compondo belas músicas e sendo reconhecido como o maior compositor do país, e agora tudo o que temos é "piscininha, amor" e tantas outras. Nós nunca seremos uma grande nação enquanto nossa arte for vilipendiada dia após dia desta forma. Em muito, por culpa também dos jornais e escolas que não mostram a verdadeira cultura brasileira.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO