Fabricianense foi assassinada com quatro tiros em Ribeirão das Neves

Família e amigos sabiam que ela tinha pegado carona na rodoviária de Belo Horizonte para voltar a Coronel Fabriciano e faziam campanha para encontra-la

Álbum pessoal


Jessica Maria Finholdt Gonçalves tinha 26 anos

É de Jessica Maria Finholdt Gonçalves, de 26 anos, o corpo encontrado na tarde de quarta-feira, caído em um bairro de Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. A jovem, que morava no bairro Giovaninni, em Coronel Fabriciano, tinha desaparecido na terça-feira (5), após pegar uma carona, por um grupo do Facebook, na Rodoviária de Belo Horizonte.

Como a jovem não dava notícias desde a tarde de terça-feira, quando deveria ter desembarcado no Vale do Aço, a família e amigos iniciaram uma campanha nas mídias sociais para tentar localiza-la.

Com a movimentação, circulou a notícia da jovem encontrada morta na avenida Deputado Denio Moreira de Carvalho, no bairro Vereda, em Ribeirão das Neves, conforme noticiado ontem a noite pelo Diário do Aço.

Um parente de Jéssica fez o reconhecimento do corpo no Instituto Médico Legal (IML), no fim da tarde. “Ela estava sem documentos, tinha sido dada como indigente, mas conseguimos reconhecer o corpo. Ainda estamos sem entender toda essa situação, o que aconteceu com ela”, relata.

Conforme a ocorrência da Polícia Militar, à qual o Diário do Aço teve acesso, o corpo de uma jovem assassinada foi localizado na avenida Deputado Dênio Moreira de Carvalho, em Ribeirão das Neves. O cadáver foi encontrado por volta das 14h desta quarta-feira e, segundo os dados iniciais da perícia, havia sinais de quatro perfurações de entrada e uma de saída.

A delegada Valéria Manzale esteve no local com a sua equipe da Delegacia de Homicídios e iniciou os primeiros levantamentos. Pelas características físicas e das roupas que estavam no corpo, chegou-se a hipótese que seja a jovem Jéssica que se encontrava desaparecida e familiares foram chamados para fazer a identificação oficial.

As investigações estão na fase inicial e a polícia levanta nomes das pessoas com as quais a jovem se relacionava para traçar a linha de investigação.

Comentários

Sinceridade 08 de Fevereiro, 2019 | 19:40
Nunca economize quando sua segurança está em risco, que Deus conforte essa família!
Roger 07 de Fevereiro, 2019 | 16:08
Conheço o pai o negão ( veta verão). Meus sentimentos a família.
O Rappa 07 de Fevereiro, 2019 | 14:53
Da arrepios, a gente nunca acha q vai acontecer perto da gente. Acha q é só Datena. Triste
Bispo 07 de Fevereiro, 2019 | 13:35
Boa tarde a todos

Familiares que Deus venha conforta seus corações.

Só acho que todos temos que abrir nós olhos, depois que surgiu o Aplicativo, muitas famílias foram desfeitas e destruídas, espero e peso a Deus que venha colocar um fim nisso, até os transportes regulamentados Estão tendo problemas, Ônibus, Táxi, aviões.

Vamos acordar.
Sem Nome 07 de Fevereiro, 2019 | 11:10
Estou vendo esses comentários que talvez a moça estivesse envolvida com algo errado, Bla bla Bla.
Gente não interessa com quem ou com o que ela estava envolvida pois nada, nada justifica o ato.
Vocês têm que pensar antes de comentar merda pq a família é quem sofre agora. VAMOS RESPEITAR!
Pedro Sousa 07 de Fevereiro, 2019 | 11:03
Que Deus conforte a família. Minha opinião e com todo respeito aos familiares, em uma situação hipotética de estupro, assalto, não teria 4 perfurações no corpo, sendo que tudo indica que seria de uma arma de fogo.No caso de um assalto, o que levaria uma pessoa a efetuar 4 disparos em uma pessoa, que estava com uma bolsa com roupas, provavelmente uma certa quantia ( não deveria passar de 100 reais) em dinheiro e um celular. Seria mais comum, estrangulamento ou até mesmo o uso de uma arma branca perfurocortante. Então como não conheço a Jessica, me baseio em evidências de outros casos semelhantes, estou dando minha opinião, sem nenhum desrespeito a ela ou aos familiares.
Palhao 07 de Fevereiro, 2019 | 10:05
Parece que a garota era meio maluquinha( por conta dos comentários) , mais nada justifica tamanha maldade do ser humano, carona com conhecido ja e perigoso, imagina com estranhos? Como que você entra em um veiculo para viajar mais de 3 horas com uma pessoa que você nunca viu na vida? E muito arriscado, e brincar literalmente de roleta russa. Sabe-se la o que esta garota passou nas mãos da pessoa que a matou, a policia terá muitas pessoas para serem ouvidas, terá muito trabalho. Falam-se em crime passional, envolvimento com drogas, e tudo mais, mais vamos pensar nos familiares ao lerem certas coisas, vamos deixar que a policia, o Tempo e Deus solucionem este triste fim.
Lua 07 de Fevereiro, 2019 | 09:51
Meus pêsames a família!

Acho uma atitude arriscada essa de pegar carona em grupos de rede sociais. Não conhecemos as pessoas e há risco de pessoas maldosas cometerem esses e outros tipos de crimes, como assaltos e até mesmo estupros!
Tio Sincero 07 de Fevereiro, 2019 | 09:49
E so pegar os maiores traficantes de Fabriciano e perguntar pra eles, ela gostava de andar com eles , relacao com esse tipo de gente acaba dando nisso
Harold Asgard 07 de Fevereiro, 2019 | 09:14
TRISTE, MAS INFELIZMENTE É O FIM DE TODOS QUE SEGUEM O CAMINHO ERRADO.
Boneca 07 de Fevereiro, 2019 | 08:52
Que triste viu. Não creio que ela estaria envolvida com nada grave não, infelizmente existem pessoas mas no mundo. E um risco enorme estas caronas compartilhadas, os jovens de hoje acham tudo muito normal, gente o mundo não e nunca foi normal, pessoas ruins existem e estão ai para mostrar para que estão no mundo, hoje foi esta garota, amanhã sera outros e outros e outros.... o barato que saiu caro, que se paga com a vida.
Sadan 07 de Fevereiro, 2019 | 08:20
infelizmente tem algo de errado nisso,ela deveria estar envolvida em algo bem grave.meus pesares pra familia.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO