Edital de concessão dos quiosques do Parque Ipanema é republicado

Agora, o credenciamento foi reaberto até o dia 7 de março

Wôlmer Ezequiel


Desde a retirada das barracas no dia 13 de novembro, o Poder Executivo trabalha em uma licitação de quiosques no parque

O edital do processo licitatório de concessão dos quiosques do Parque Ipanema foi publicado novamente, devido a problemas identificados na fase de habilitação da documentação das empresas concorrentes. Das sete empresas interessadas, apenas uma estava com os papéis adequados às exigências do edital. Agora, o credenciamento foi reaberto até o dia 7 de março.

As falhas detectadas na primeira tentativa do certame foram: ausência da Certidão Negativa de Falência ou Concordata, participação de empresas que não são do ramo alimentício (quesito exigido no edital) e o atraso no protocolo dos envelopes. De acordo com os prazos legais, nenhum recurso foi apresentado nos cinco dias úteis após a abertura dos envelopes, o que possibilitou uma rápida republicação do edital.

As empresas do ramo alimentício que tiverem interesse em participar do processo podem protocolar os envelopes de habilitação e proposta de preços até o dia 7 de março, às 12h, na Seção de Compras e Licitações, no segundo andar da Prefeitura de Ipatinga. Inclusive, pessoas jurídicas que não participaram da primeira abertura dos envelopes podem se credenciar para esta nova tentativa. A abertura dos envelopes será no mesmo dia, às 13h, na sala de reuniões do Departamento de Suprimentos.

O prefeito Nardyello Rocha (MDB) espera que mais concorrentes participem da abertura dos envelopes. “A expectativa da administração pública é que participe um maior número de empresas possível e que as mesmas possuam a documentação necessária para serem habilitadas, podendo assim ser feita assinatura dos contratos de concessão para o início das construções dos quiosques, obedecendo ao critério das melhores propostas”, destaca.

Os termos do edital continuam os mesmos do documento publicado anteriormente. Serão selecionadas as seis melhores propostas de oferta da concessão. Cada quiosque deverá receber como proposta mínima o valor de R$10 mil. A concessão dos quiosques terá validade de 15 anos. O edital completo pode ser consultado no site da administração de Ipatinga.


Já publicado:
Concessão dos quiosques terá o valor mínimo de R$ 10 mil
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Luan 02 de Fevereiro, 2019 | 08:31
Pois é PALHAÇO, ja´que esta atento a tudo que acontece e independente de tudo esta pensando em ipatinga só m responde o que perguntei aqui, tem fundamento ou é apanas alusão? Ou não vem ao caso ?
Palhaço 01 de Fevereiro, 2019 | 08:42
Mestrado em Politicas Publicas, com especialização na cidade de Ipatinga, meu caro LUAN, ao contrario de você meu amigo, não sou escalado a defender ninguém, mais temos que ser honesto quando algo esta bem, quem me dera se meu salario fosse igual a teu, ao contrario de você não dependo de politico para colocar o arroz na mesa da minha familia, não, comento por que sou morador da cidade, e se a administração fizer cagada, venho e comento também. Agora se seu vereador, estiver "escalando" pessoas para ir ate a uma pagina de jornal para defende-lo e denegrir a imagem do outro, me passa contato que vou, meu salario já não esta dando para sustentar 2 adolescentes kkkkkkkkkkkkkk. E lembrando LUAN, eu não tenho nada contra, mais não gosto de homem não.
Luan 31 de Janeiro, 2019 | 12:02
E ai Palhaço estou certo nos meus questionamentos? Sobre documentação parece que algo que foi combinado não saiu do jeito que queriam afinal tinham 5 dias para apresentar os documentos e os mesmo não o fizeram
Luan 31 de Janeiro, 2019 | 08:42
A atitude do prefeito em retirar as barracas da ciclovia do parque Ipanema foi acertada e corajosa,
Mas estou aqui na expectativa de ver a lei e o rigor serem apicados nos comércios que estão no Bairro ideal nas AV. José Júlio da Costa, Pedro Nolasco.
No Bom retiro na Av. Fernando de Noronha e Pero Vaz de Caminha e na Rua Tomé de Souza dentre outras ocupadas na Cidade.
Há, em tempo quero dizer ao Cidadão "PALHAÇO" escalado para defender os atos da PMI, que diferente dos donos de barracas do parque Ipanema houve por parte destes donos de comércio o Crime Ambiental previsto na Lei 1475 de 30 de setembro de 1996 e regulamentada pelo decreto 3790 de 18 de setembro de 1997 ao suprir vegetação para que os seus estabelecimentos fossem ampliados e aumentarem os seus lucros. e há também no Ministério Público várias ações .ESPERO a mesma celeridade da Administração ou como temos visto que ISTO NÂO VEM AO CASO>
Pedrin Perito 31 de Janeiro, 2019 | 08:32
Uma fria !

Será que o poder publico vai proibir as vendas ambulantes no entorno e dentro do parque?

Os investimentos são altos,ou seja,os pequenos nao tem condiçoes de concorrer,senão vejamos:

Criaçao da empresa e custos de certidoes,certificadora,contador, etc: 3 a 5 mil reais.

Lance do pregão: média 20 mil reais.
Construção do quiosque: 140 mil reais.
Maquinarios,sistema de segurança,placas publicitárias etc: 50 mil reais.
Capital de giro : 25 mil reais

Pobre concorre?

Ao meu ver,vai apresentar apenas grandes franquias!
Palhaço 31 de Janeiro, 2019 | 08:18
Por ai se ve que muitas empresas não andam correta com as documentações.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO