Família sepulta em Ipatinga operário vítima de catástrofe em Brumadinho

Em urna lacrada, corpo de Ninrode de Brito Nascimento será sepultado sem velório, no Cemitério Parque Senhora da Paz

Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press + reprodução


O corpo de Ninrode de Brito Nascimento foi resgatado na área da catástrofe em Brumadinho
Atualizado às 17:05
Foi realizado no fim da manhã dessa terça-feira (29), o sepultamento do corpo de Ninrode de Brito Nascimento, 34 anos, uma das vítimas da catástrofe ambiental da mineradora Vale, no município de Brumadinho. Mais três trabalhadores de Ipatinga e um de Joanésia estão desaparecidos.

Ninrode foi a primeira vítima do Vale do Aço a ser encontrado e o corpo dele foi sepultado assim que o carro da funerária Paraíso chegou ao Cemitério Parque Senhora da Paz, no bairro Veneza, em Ipatinga, no fim da manhã dessa terça. O corpo estava em uma urna lacrada. Não houve velório e o enterro se deu logo após uma oração entre familiares e amigos. Conhecidos informaram que ele era casado e deixou uma filha com pouco mais de dois anos.

Nironde trabalhava na Mina Córrego do Feijão, de propriedade da Vale, cuja barragem de rejeitos se rompeu no início da tarde de sexta-feira (25). O ipatinguense era filho do falecido pastor Edson Nascimento, vereador em Ipatinga nos anos 1970 e também considerado um dos fundadores da Igreja Batista Nacional no Vale do Aço. Ninrode é o décimo filho da família e era adotado do segundo casamento do pastor Edson Nascimento.

O irmão, Edson Ferreira do Nascimento, afirmou em entrevista à imprensa que a família estava entre a tristeza e alívio, visto que muitas famílias estão na incerteza de encontrar os familiares, uma espera que pode chegar a 60 dias, conforme expectativa dos Bombeiros Militares.

Edson disse que seu irmão atuava havia pouco mais de sete meses na Vale e, há dois anos, morava em Brumadinho. A família acredita que no momento do rompimento Ninrode estava no interior do prédio administrativo, onde trabalhava.

Até o fim da tarde de ontem, os números oficiais apontavam 288 pessoas desaparecidas, dentre as quais, 114 funcionários da Vale e 174 terceirizados e moradores. Os óbitos eram 65, e iriam subir com a confirmação de mais corpos encontrados.

Digitais

A identificação de Ninrode foi feita por meio das digitais e não houve necessidade de reconhecimento presencial pelos familiares que foram à Brumadinho.

“Temos que exercitar a paciência, não era para ter acontecido essa catástrofe, mas aconteceu e as pessoas que estão na busca são capacitadas, elas (os bombeiros) têm condições de encontrar as vítimas e entregá-las, vivas ou mortas. Então, todos precisam exercitar a paciência e não adianta o desespero, que só atrapalha, a solidariedade é o mais importante nesse momento”, recomendou o irmão da vítima.

Edson Ferreira acrescentou ter fé que tudo mudará a partir de agora, com essa catástrofe, que começa a ter um desenrolar diferente da outra tragédia, registrada há cinco anos em Mariana.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Zayra Fuj 30 de Janeiro, 2019 | 02:30
Conheci Ninrode ainda criança , brincava com meu filho na escola dominical, mais tarde Ele foi colega do meu filho na Faculdade , e estamos triste,com a perda precose dele, sendo filho do Pastor Edson , com certeza um grande homem se foi,meu filho morando em outro estado acompanha esta triste perda.que Deus conforte te família, pois sabe q ele esta com Deus. e q Deus faça a justiça dele,pois neste momento,não tem q dizer muitas coisa,e torçer q sua família entendi q Deus está no controle de nossas vida.
Mércia Oliveira Silva Pereira 29 de Janeiro, 2019 | 17:29
Que Jesus o acolha e conforte todos os familiares e amigos. Que sua morte ñ seja em vão.
Marcos Vinicius Carvalho Soares 29 de Janeiro, 2019 | 16:55
Meus sentimentos a todos familiares e amigos
Edilson 29 de Janeiro, 2019 | 12:44
Infelizmente isso não dá em nada,o mais importante é a vida,no Brasi tem leis mais não funcionam a corrupção é maior.coitado dos familiares além de perder os parentes e Ainda não recebem nem indenizaçãoao...
Edvania 29 de Janeiro, 2019 | 12:13
Até onde vai a ganância humana , podem até ver algo errado precisando ser averiguado mas preferem deixar pois iria perder financeiramente e olha o que aconteceu muitos inocentes pagando pela ganância humana.
Triste :( 29 de Janeiro, 2019 | 10:54
CONFORTE O CORAÇÃO DESSAS FAMÍLIAS DEUS! ENCAMINHE TODAS AS COISAS, MESMO EM MEIO A TANTA TRISTEZA! QUE O SENHOR POSSA CONSOLAR A FAMÍLIA DE CADA UM.. E DE CADA PESSOA DAQUELA CIDADE.
Cleuzeni Torres 29 de Janeiro, 2019 | 10:05
Nunca fui simpatizante de teoria da conspiração. Mas perguntar não ofende (em tese). Por que, em pouco tempo, começaram grandes tragédias envolvendo empresas brasileiras, vive o caso da Samarco, depois explosão de gasômetro na Usiminas e agora esse caso da Vale em Brumadinho?

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO