Representantes da região discutem demandas com novo governo

O objetivo dos encontros foi apresentar as principais demandas da região e da Empresa Mineira de Comunicação (EMC)

Divulgação


Flaviano Gaggiato, presidente da Fiemg Regional; Paulo Brant, vice-governador de Minas Gerais; e o deputado estadual Celinho do Sintrocel se reuniram em Belo Horizonte

O deputado estadual Celinho do Sinttrocel e o presidente da Fiemg Regional Vale do Aço, Flaviano Gaggiato, se reuniram com integrantes do novo Governo de Minas Gerais essa semana, em Belo Horizonte. O objetivo dos encontros foi apresentar as principais demandas da região e da Empresa Mineira de Comunicação (EMC).

Celinho e Gaggiato foram recebidos pelo vice-governador de Minas Gerais, Paulo Brant; pelo Secretário de Estado de Governo, Custódio Matos; pelo Secretário de Estado de Transportes e Obras Públicas, Marco Aurélio de Barcelos Silva; pelo Secretário de Estado Interino da Saúde, José Farah Filho; e pelo subsecretário de Regulação da Saúde, Nicodemus de Arimathea e Silva Júnior.

Infraestrutura

Na reunião com o vice-governador e com o Secretário de Estado de Transporte e Obras, foi apresentada a experiência da construção da Agenda de Convergência do Vale do Aço, organizada pela Fiemg Regional, e o Fórum de Entidades. Na ocasião, Celinho ressaltou que a prioridade regional é a retomada das obras da LMG-760.

O deputado lembrou que as obras foram iniciadas no último governo, mas foram suspensas há cerca de 60 dias em virtude da crise econômica e das chuvas. Gaggiato reafirmou que a infraestrutura é o principal gargalo do Vale do Aço, impedindo o crescimento econômico da região e a geração de emprego.

Além da LMG-760, a Estrada-Parque Dom Helvécio e a LMG-425, que liga Vargem Alegre a Revés do Belém, compõem um conjunto de obras viárias importantes para a região, com a duplicação da BR-381, pontuou Celinho, que também apresentou as reivindicações relativas ao Aeroporto do Vale do Aço.

Outra demanda apresentada pelos representantes da região no encontro foi a viabilização do Terminal Integrador Rodoferroviário, para operação de contêineres, outra proposta da Agenda de Convergência.

Após a apresentação desse conjunto de demandas, o secretário Marco Aurélio solicitou ao deputado e ao presidente da Fiemg um plano de desenvolvimento da Região do Vale do Aço, elencando as prioridades, para, dentro das dificuldades econômicas que o estado passa, o governo possa viabilizar ao longo dos anos as ações necessárias para garantir as mesmas. O secretário de Transporte e Obras salientou que a LMG-760 deve ser prioridade para o Governo Zema.

Gargalos

Conhecedor dos problemas da região, Paulo Brant ressaltou a necessidade de resolver os gargalos da infraestrutura e se comprometeu a buscar viabilidade para a retomada das obras da LMG-760, bem como realizar os estudos para a viabilização do aeroporto regional e a buscar, junto ao Governo Federal, agilidade para a duplicação da BR-381.

A Agência Metropolitana do Vale do Aço foi outro tema tratado com ênfase pelo deputado no encontro. A continuidade dos trabalhos da Agência, principalmente na aplicação do Plano Diretor de Desenvolvimento Integrado (PDDI) recém-aprovado, é uma necessidade para o desenvolvimento estratégico de toda a região.

Saúde e comunicação

No encontro com os responsáveis pela pasta da Saúde de Minas, Celinho do Sinttrocel e Flaviano Gaggiato apresentaram a situação difícil que passam os Hospitais Márcio Cunha, o Hospital Dr. José Maria de Morais e o Hospital Vital Brasil. Eles esclareceram ainda que os hospitais têm recursos pendentes do Governo de Minas, necessitando de uma ação rápida da nova gestão para evitar o colapso na saúde da região. Os responsáveis pela Saúde do estado solicitaram um diagnóstico, com a maior brevidade possível, da saúde no Vale do Aço.

Já no encontro de Celinho e Gaggiato com o vice-governador e com o Secretário de Governo, Custódio Matos, o deputado estadual apresentou a necessidade de equacionar a situação da Rede Minas de Televisão – a TV pública de Minas Gerais. Após a exoneração de 79 cargos comissionados, o funcionamento da emissora ficou comprometido, segundo o parlamentar. Celinho lembrou que foi autor da lei que instituiu a Empresa Mineira de Comunicação (EMC) e acredita que a implantação definitiva da EMC pode resultar em soluções em médio prazo para as emissoras.

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO