Estresse e dores musculares pioram no final do ano

Sessões de massagem pode ajudar a reduzir em 31% os níveis de cortisol, segundo pesquisa da Universidade de Miami

Reprodução


Durante estes momentos estressantes são secretados vários hormônios, como o cortisol

Natal, férias, confraternizações, encontros familiares, compras, planejamento da ceia e gastos extras. Tudo isso acontece em dezembro, último mês do ano. E é justamente neste período que o estresse aumenta, causando ou piorando as dores musculoesqueléticas.

De acordo com Walkíria Brunetti, fisioterapeuta, especialista em Dor, RPG e Pilates, o estresse deixa o corpo pronto para ter energia suficiente para superar essas situações tensas e de correria, típicas do encerramento do ano.

"Durante estes momentos estressantes são secretados vários hormônios, como o cortisol, que dão energia e disposição para que a pessoa dê conta de tudo. E uma das consequências do estresse é a contração dos músculos, especialmente os da região cervical (pescoço) e dos ombros”, explica Walkíria.

Organismo não consegue voltar ao normal

Walkíria comenta que embora sejam reações normais e esperadas do estresse, o que acontece é que em alguns casos o organismo não consegue voltar ao seu estado natural. Isso quer dizer que o estresse se torna crônico, não permitindo o relaxamento da musculatura.

“Assim, podem surgir dores ou o agravamento de condições preexistentes, como hérnia de disco, osteoartrose e o bruxismo, por exemplo. Além disso, muitas pessoas podem apresentar dor de cabeça tensional, totalmente ligada ao estresse. Isso acontece porque alguns hormônios secretados durante o estresse ficam acima das taxas normais, piorando a percepção da dor”, ressalta Walkíria.

7 medidas para você relaxar

Com a ajuda da fisioterapeuta, separamos 7 medidas para você superar a tensão típica do final do ano e curtir com mais tranquilidade suas férias, o Natal e chegar renovado em 2019. Confira abaixo.

Manipulação miofascial: Esta é uma técnica muito usada atualmente na fisioterapia. Ela pode ser feita separadamente, em uma sessão, para ajudar nos quadros mais agudos de dores musculares. A fáscia é uma membrana que ajuda no bom funcionamento dos músculos. Entretanto, em situações de muito estresse, formam-se nódulos fibrosos (pontos-gatilhos) neste tecido. Esses nódulos podem inflamar e liberar substâncias tóxicas, levando à piora da dor. A manipulação miofascial consiste em liberar esses nódulos, promovendo uma mudança na regulação do tônus muscular.

Drenagem linfática: Ajuda a relaxar, melhora a circulação sanguínea e reduz a retenção de líquidos. Vale lembrar que qualquer técnica de massoterapia é eficaz para reduzir os níveis do cortisol. Segundo um estudo do Instituto do Toque, da Universidade de Miami, sessões de massagem podem diminuir em até 31% os níveis deste hormônio. Além disso, o toque libera neurotransmissores, com a serotonina e dopamina, que dão sensação de bem-estar e prazer.
Respire: Uma das principais técnicas para controlar a ansiedade e o estresse é respirar. Respirar também ajuda a liberar a tensão da região cervical, principalmente se você fizer respirações profundas. A respiração lenta e profunda, realizada pelo diafragma, ajuda a diminuir os níveis do cortisol, que ficam acima do normal durante situações de muito estresse.

Cuide da sua postura: O estresse deixa a pessoa com menos consciência corporal. Assim, nem sempre as posturas estarão corretas durante as atividades diárias. Para quem trabalha sentado e usa o computador na maior parte do dia, o ideal é sentar-se corretamente e levantar-se a cada 50 minutos, para caminhar ou fazer alongamentos. Uma dica importante: procure trocar o café por chás sem cafeína nesse período, como chá de erva-cidreira, erva-doce, camomila, etc. O café aumenta os níveis de ansiedade.

Fisioterapia: Quando os quadros de dores são muito intensos, principalmente em pessoas que já apresentam doenças musculoesqueléticas, fazer algumas sessões de fisioterapia pode ajudar a melhorar os quadros agudos de dor.
Gerencie o estresse: Controlar a respiração, cuidar da postura, fazer massagem ou fisioterapia são meios de gerenciar o estresse e melhorar as dores musculares, causadas pelo estresse crônico. Caminhadas, dançar, ouvir música, tomar um banho mais demorado, ficar em silêncio, estar perto da natureza ou ainda meditar também são importantes recursos que podem ser usados no controle da tensão.

Vá para o Pilates: O estresse pode até piorar no final do ano, mas sabemos que cerca de 70% da população economicamente ativa no Brasil apresenta quadros crônicos de estresse. Por isso, é preciso procurar recursos que ajudem a gerenciar a tensão de forma contínua. Uma dica é fazer uma atividade física, de forma regular, como o Pilates! Que tal começar em 2019?

Pilates: bom para a mente e para o corpo

Segundo Walkíria, especialista em Pilates, o método ensina a pessoa a usar a musculatura exigida para um exercício, deixando os outros músculos relaxados. “Além disso, o praticante aprende a fazer a respiração diafragmática e profunda, que aumenta a oxigenação, reduz a ansiedade e relaxa o corpo”.

“Outro ponto é que o Pilates exige foco no momento presente, contribuindo para desacelerar a mente das preocupações diárias. Portanto, adotar o Pilates como uma atividade física é uma ótima maneira de prevenir o desgaste comum do final do ano e gerenciar o estresse do dia a dia”, encerra Walkíria.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO