Polícia Civil alerta para nova modalidade de golpe no Vale do Aço

Para ganhar credibilidade, os estelionatários recorrem a histórias com riquezas de detalhes

Wôlmer Ezequiel


O golpe começa com uma pesquisa de veículos anunciados para venda em sites

Vender o que não tem e comprar o que não pode. Essa é uma nova modalidade de golpe registrada esta semana na Delegacia de Santana do Paraíso. Golpistas estão usando as redes sociais e sites de anúncios para selecionar pessoas interessadas em adquirir um veículo. Em seguida, pelo mesmo meio, escolhem um vendedor, passando a atuar como se fossem um intermediador. “Por trás do golpe há uma sofisticada elaboração de engenharia social, como são conhecidos os golpes que envolvem a manipulação psicológica das vítimas”, esclareceu o delegado responsável pelas investigações, Bruno Morato.

Para ganhar credibilidade, os estelionatários recorrem a histórias com riquezas de detalhes. Para o comprador, ele diz, por exemplo, que tem um veículo para vender e este está com um primo ou um cunhado. Já para o vendedor, o golpista pede que confirme ser seu parente, pois ele tem uma dívida com uma pessoa em um montante maior que o valor do veículo, mas deseja quitar a dívida com o suposto credor a partir da entrega do veículo.

Como combina um preço de mercado com o vendedor e oferece um preço abaixo do mercado para o comprador, a todo tempo, o golpista pressiona as partes a não revelarem qual o valor da transação para “não atrapalhar o negócio”.

Assim, o comprador vai até o anunciante, olha o carro, verificando que ele de fato existe e decide fechar o negócio, depositando o valor em uma conta indicada pelo golpista. Neste momento, o estelionatário orienta o proprietário do veículo a preencher o documento e entregar ambos ao comprador, enviando um falso comprovante de depósito.

O comprador leva o veículo e a fraude só é descoberta quando o vendedor percebe que não há dinheiro na sua conta.
“Parece inusitado. Mas, no fim, o estelionatário atua meramente como intermediador do negócio e acaba convencendo uma das vítimas a entregar o veículo e a outra vítima a depositar o dinheiro na conta de um laranja do golpista, causando prejuízo tanto para quem vende como para quem compra o bem”, explicou o delegado.
O caso dessa semana gerou um prejuízo superior a cinco mil reais a partir da negociação de uma motocicleta. O inquérito está sendo investigado por policiais da Delegacia de Santana do Paraíso.

Entre as dicas citadas pelo delegado, antes de fechar um negócio, o interessado deve desconfiar sempre se o veículo estiver com preço abaixo de tabela e só negociar com o real proprietário, isto é, aquela pessoa em nome de quem o veículo está registrado; se a negociação for via depósito bancário, só entregue o veículo após a compensação do cheque ou após o efetivo lançamento do crédito. É comum golpistas simularem depósitos com entregas de envelopes vazios nos caixas eletrônicos que só são descobertos no ato da compensação. Não entregue o veículo enquanto o valor constar como bloqueado em sua conta; jamais compre um veículo sem de fato vê-lo. Não acredite em fotos recebidas por redes sociais ou por sites de anúncios; desconfie se o vendedor tiver pressa demais ou se quiser “uma entrada para segurar o negócio”.

Em época de crise não se vende nem se compra bens com muita facilidade; se a aquisição for de bens por meio de sites de negociação que ofereçam o serviço de intermediação para o pagamento e postagem, opte sempre por este modo e não tente “negociar por fora” pois há estelionatários especialistas neste tipo de fraude; desconfie se a proposta for boa demais. Não existe ‘negócio da China’ e desconfie quando a oferta destoar do que normalmente é oferecido no mercado”, pontua o delegado.

Outros casos

Na região há outros casos parecidos. No dia 21 passado um morador do bairro João XXIII, em Timóteo levou um prejuízo de R$ 6,5 mil ao pagar para obter a "reserva" de uma picape VW Saveiro, anunciada em um site de venda.

No começo do mês, um casal de Santa Luzia, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, viu também pelo site OLX o anúncio da venda de um Chevrolet Celta, supostamente disponível numa loja de usados, em Timóteo. Um golpista conseguiu convencer o casal a depositar R$ 1 mil a título de "reserva" do veículo. Somente ao chegar à loja, para buscar o Celta o casal descobriu que tinha caído em um golpe.


Mais:

Casal é vítima de golpe em negociação de carro usado

Golpe da venda de carro lesa jovem em R$ 6,5 mil
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Sabonete 02 de Outubro, 2018 | 07:36
TEM GENTE QUE PENSA QUE ESTA GANHANDO ALGUMA VANTAGEM.....E ACABA É LEVANDO UM PREJUÍZO...O POVO AINDA NÃO ACORDOU PRA VIDA.....ESTAMOS NA ERA DO FAKE NEWS.....
Valdemar 01 de Outubro, 2018 | 09:14
Tem gente que compra até capim pegando fogo rsrsrs!

Comprar um carro usado requer alguns cuidados, como checar sem há impedimentos ( multas, alienação) , levar em um mecanico de sua confiança para avaliar a parte mecânica.
Comprar carro baseado somente em foto de anuncio, depositando dinheiro antecipadamente, rsrsrs está querendo é cair em golpe mesmo.
Lucia Paiva 29 de Setembro, 2018 | 17:24
É muita burrice, cair em um golpe desses. O povo tá a cada dia mais bobo.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO