Inventário Florestal na Amazônia

Dos nove estados que abrigam o bioma, o levantamento está em andamento em cinco e já foi concluído em Rondônia e parte do Pará e Mato Grosso

Equipes do Inventário Florestal Nacional (IFN) percorrem a Amazônia para coletar dados sobre as condições das florestas e entrevistar os moradores. Nos estados do Acre, Maranhão, Tocantins e na região de Manaus (Amazonas), as equipes deram início ao trabalho de campo, com previsão de quase 700 pontos de coleta de dados.

O levantamento também é feito em Roraima, onde deve terminar em julho, com coleta de dados em 201 pontos da floresta. O Serviço Florestal Brasileiro (SFB), órgão vinculado ao Ministério do Meio Ambiente, já concluiu o levantamento em Rondônia, parte do Pará e do Mato Grosso.

Divulgação


Pesquisadores levantam dados e entrevistam moradores na floresta
A expectativa é que a coleta de dados em campo em toda a Amazônia seja concluída até o final de 2020. O levantamento conta com investimento do Fundo Amazônia, num total de mais de R$ 65 milhões. O objetivo é saber não só a quantidade dos recursos florestais, mas o estado de conservação, sua diversidade e a relação da população com as florestas. Os resultados vão orientar políticas de conservação, uso e desenvolvimento florestal.

A Amazônia é a maior reserva de biodiversidade do mundo e o maior bioma do Brasil – 420 milhões de hectares, quase metade do território nacional. O bioma cobre cinco estados (Acre, Amapá, Amazonas, Pará e Roraima), quase totalmente Rondônia (98,8%) e parcialmente Mato Grosso (54%), Maranhão (34%) e Tocantins (9%).

As equipes vão a campo medir as árvores, analisar sua saúde e vitalidade, coletar amostras do solo e de material botânico, entre outros aspectos. Além disso, entrevistam moradores do entorno das áreas pesquisadas para obter informações sobre a sua relação com a floresta e o uso dos recursos florestais.

A coleta de dados do Inventário Florestal Nacional já foi concluída em 48% dos estados: Alagoas, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Santa Catarina e Sergipe. Em outros 11 estados (40,7%), o levantamento está em andamento.

Quase 51 mil amostras botânicas e mais de 12 mil amostras de solo foram coletadas, entre outros dados, em mais de 6 mil pontos do país. Além disso, quase 17 mil pessoas já foram entrevistadas pelas equipes do IFN nas proximidades das áreas pesquisadas.

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO