Polícia investiga esquema de venda de bebês, em Contagem

A suspeita foi levantada depois que uma mulher confessou que fez uma negociação para entregar o filho mediante o pagamento de uma 'recompensa

Divulgação


Caso foi desvendado nessa terça-feira depois que a mãe se arrependeu e comunicou diretores de um hospital em Contagem
A participação de uma organização criminosa no esquema de venda de crianças por meio das redes sociais é investigada pela Polícia Civil de Minas Gerais. A suspeita foi levantada depois que uma mulher confessou que fez uma negociação para entregar o filho mediante o pagamento de uma 'recompensa'. O caso foi desvendado nessa terça-feira depois que a mãe se arrependeu e comunicou diretores de um hospital em Contagem, na Grande BH, sobre a sua intenção.

Ainda no hospital, a mãe da criança contou detalhes de como aconteceu a negociação ao delegado Christiano Xavier, responsável pelas diligências iniciais do caso. Segundo a Polícia Civil, ela informou que é moradora de uma cidade vizinha a Montes Claros, na Região Norte de Minas Gerais. Quando descobriu a gravidez, contou que foi para Contagem, pois a família não sabia da gestação.

As investigações apontam que a mulher, por meio das redes sociais, começou a se relacionar com algumas pessoas em um grupo onde os participantes oferecem crianças em troca de recompensa. Depois deste primeiro contato, segundo a Polícia Civil, a mãe começou a conversar, por meio de um aplicativo de mensagens, com uma pessoa interessada em ficar com o filho dela. Ela contou que recebeu aproximadamente R$ 1 mil para arcar com a despesa, como remédios e pré-natal.

O crime foi descoberto nessa terça-feira. De acordo com a Polícia Militar, um dos suspeitos chegou no hospital onde a jovem estava internada e se identificou como pai da criança. O hospital estranhou porque geralmente pais sobem ao apartamento, não pedem informações sobre estado de saúde do filho na portaria. Funcionários da maternidade indagaram a mãe, internada em um leito da unidade, sobre quem era o visitante, e ela acabou confessando que negociava a criança.

Segundo a Polícia Civil, três pessoas foram detidas, sendo uma mulher suspeita de ser a intermediadora e um casal, que seria interessado na compra do bebê. Todas elas são moradoras do Rio de Janeiro. O delegado responsável pelo caso iniciou as diligências iniciais, como o depoimento da mãe da criança. Os outros envolvidos serão ouvidos ainda hoje na delegacia.

Mesmo tendo desistido da venda e denunciado, a mãe da criança vai responder pelo crime previsto no artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente, por “prometer ou efetivar a entrega de filho ou pupilo a terceiro, mediante paga ou recompensa”, a pena é de um a quatro anos de reclusão e multa. As outras três pessoas também respondem pelo mesmo crime.

(Com informações: Estado de Minas)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO