Morre Luiz Melodia, o poeta do Estácio

Cantos e compositor carioca foi vencido por um câncer que afetou a medula óssea

Divulgação

O cantor, compositor e músico carioca Luiz Carlos dos Santos, o Luiz Melodia, morreu esta madrugada no Rio de Janeiro (RJ), aos 66 anos, em decorrência de complicações de um câncer que atacou a medula óssea. A informação foi confirmada ao colunista musical do G1 por Renato Piau, guitarrista que tocou com Melodia, após ligação para a família do artista.

Melodia chegou a fazer um transplante de medula óssea e resistiu ao procedimento, mas não vinha respondendo bem à quimioterapia. O câncer voltou e o estado de saúde de Melodia se agravou ontem. O artista estava internado no hospital Quinta D'Or.

Luiz Carlos dos Santos - nome artístico de Luiz Melodia - nasceu em 7 de janeiro de 1951 no morro do Estácio, o bairro da cidade natal que ele cantou em um dos sambas mais conhecidos do seu repertório, gravado a partir da década de 1970.

O marco zero da trajetória profissional foi o lançamento da música Pérola Negra, em 1971, na voz de Gal Costa, um dos destaques do show Fa-tal – Gal a todo vapor. No ano seguinte, Maria Bethânia lançou o samba Estácio, Holy, Estácio no álbum Drama, abrindo caminho para que Melodia lançasse em 1973 pela gravadora Philips o primeiro álbum, Pérola Negra.

Sua discografia inclui ainda Maravilhas contemporâneas (1976), Mico de circo (1979), Nós (1980), Felino (1983), Claro (1987), Pintando o sete (1991), 14 quilates (1997), Retrato do artista quando coisa (2001) e o derradeiro Zerima (2014).
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO