Comitiva cobra novo quartel em Fabriciano

Arquivo/DA


Chico Simões diz que projeto de engenharia do quartel não foi pago pelo Estado

FABRICIANO – Uma comitiva formada pelo prefeito Chico Simões (PT) e representantes da Associação Comercial, Rotary Clube, Maçonaria e outras entidades do município, visita o secretário de Segurança do Estado, Maurício Campos, nesta quarta-feira, em Belo Horizonte. Várias questões de segurança estarão na pauta da reunião, mas a principal delas é a construção de um quartel da Polícia Militar em Fabriciano.

O município conta hoje com apenas uma Companhia da PM, que funciona em condições precárias no bairro JK. O aluguel da Companhia, inclusive, é pago pela Administração Municipal. O curioso é que há 20 anos a Prefeitura recebeu a doação de um terreno, localizado no atual no Distrito Industrial, para a construção do quartel. No entanto, a obra sequer pode ser licitada.

Segundo Chico Simões, essa inércia se deve ao descaso do Estado, por meio da Secretaria de Obras Públicas (Setop), que ainda não pagou o projeto de engenharia elaborado pelo Departamento de Obras Públicas, que integra a Setop. “O valor do projeto é R$ 136 mil, e não consigo entender por que o governo estadual não mandou pagá-lo. Sem quitar o projeto não é possível abrir licitação para a obra do quartel”, revelou Simões.

Delegado
Outra preocupação de Chico Simões é a ausência de delegados em Fabriciano. “Atualmente, a cidade conta apenas com um delegado, o que é um absurdo para uma cidade de 103 mil habitantes. Questões como essas precisam ser sanadas para que Fabriciano não seja exposta pela mídia nacional como cidade violenta, coisa que não traduz a nossa realidade”, disse Simões, em referência a uma recente reportagem da revista “Veja”, que apontou crescimento da criminalidade em Fabriciano no último ano.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO