“Jacaré” morre em acidente

Álbum de Família


Jacaré era muito conhecido, principalmente no meio dos motoclubes

IPATINGA – Enterrado no fim da tarde de ontem, no cemitério Parque Senhora da Paz, no bairro Veneza II, o corpo do torneiro mecânico aposentado Wellington da Silva, de 49 anos, que era conhecido como “Jacaré”. Ele morreu em um acidente de trânsito na última segunda-feira, no Estado do Pará. O apelido Jacaré se difundiu no meio dos amantes de motocicletas do Vale do Aço. Ele era integrante do motoclube Evolution e adorava os encontros de motociclistas.

O DIÁRIO DO AÇO acessou um banco de notícias do site da rede de comunicações Amazônia, onde há a informação do acidente com Jacaré. O caso aconteceu na PA-151, na entrada de Vila do Conde, no município de Barcarena, no Nordeste do Pará. A batida do Ford Verona, placas GQH-8128 (Ipatinga), ocorreu contra um ônibus no Trevo do Peteca, por volta das 17h30 de segunda-feira.

O ônibus da empresa Translider fazia o transporte de funcionários da Alunorte para a capital Belém. Jacaré morreu na hora. As passageiras do carro foram resgatadas e levadas para o Hospital São José, em Vila dos Cabanos. O acidente interditou as duas pistas da rodovia e causou um grande congestionamento na área, pois o movimento é intenso no final da tarde, com a saída dos funcionários das fábricas de Barcarena e de Vila do Conde.

O corpo dele foi trasladado para Ipatinga e velado na Igreja Pentecostal “As Nações para Cristo”, na rua Teresina, no bairro Veneza II. Durante o funeral, vários componentes de motoclubes, funcionários da Usiminas, empresa onde Jacaré se aposentou, familiares e amigos se despediram dele. “Ele adorava motocicleta e batizou a sua moto como ‘Rebeca’, em homenagem à sobrinha dele que nasceu na mesma época”, disse sua irmã, Rosimeire da Silva, 33 anos.

Agradecimento
A moto dele, uma Yamaha Virago 250, personalizada e com um pequeno jacaré sobre o guidon, estava estacionada em frente à igreja. Jacaré era casado e não tinha filhos. Atleticano apaixonado, morreu na véspera do centenário do Clube Atlético Mineiro. “Ele era uma boa pessoa, tinha muitos amigos e deixou boas lembranças. Queria agradecer a todos que vieram aqui e prestaram homenagem ao meu irmão”, completou Rosimeire.

Jacaré já havia sido integrante do motoclube Coração de Aço e depois passou a integrar o Evolution, hoje com quase 40 membros. Um dos companheiros dele, o protético Otoniel Gomes, disse que o amigo vai fazer muita falta. “As alegrias dele vão fazer muito falta. Ele e a ‘Rebeca’ eram reconhecidos por onde passavam. Fica agora apenas a lembrança”, completou.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO