Justiça decreta outro mandado para “Lóis”

Acusado preso por exploração sexual infantil passa mal no Ceresp

IPATINGA - A situação do advogado Luiz Carlos Vieira, o Lóis, de 53 anos, se complicou. O juiz Maurício Leitão Linhares, da 1ª Vara Criminal de Ipatinga, expediu um mandado de prisão preventiva contra o acusado. Lóis está preso desde o último sábado por força de outro mandado de prisão, da 2ª Vara Criminal. O advogado é acusado de exploração sexual infantil e ainda fazer sexo com adolescentes.

O pedido deste novo mandado partiu também do Ministério Público mediante uma acusação de estupro contra uma menina menor de 12 anos de idade e com quem Lóis teve um filho. Durante a instrução processual chegaram informações que o acusado estaria ameaçando parentes da criança e outras pessoas, entre elas, um repórter, fato ocorrido na porta do Fórum.

Além dessas ameaças, chegou ao juiz o depoimento de um garoto de 13 anos, complicando ainda mais o acusado. O menor confirma o envolvimento do advogado, que teria tido encontros sexuais com ele e também com outras adolescentes. Maurício Leitão acatou o pedido de prisão preventiva e decretou o mandado, o segundo em menos de uma semana. O primeiro foi decretado pelo juiz Antônio Augusto Calaes.

Lóis, ao receber a informação do segundo mandado de prisão, passou mal e foi internado no Hospital Márcio Cunha. Ele  recebeu alta no início da noite e retornou ao Ceresp. O advogado que o defendia, Eliseu Borges Brasil, deixou o caso e a família já providenciou Obregon Gonçalves, advogado criminalista de Belo Horizonte, para defendê-lo. O acusado ainda responde ao Conselho de Ética da 72ª Subseção da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Ipatinga.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO