Polícia Civil investiga origem de bola de futebol com erva

IPATINGA - O delegado João Xingó de Oliveira, diretor do Ceresp de Ipatinga, informou ao DIÁRIO DO AÇO na tarde de ontem que está investigando a origem dos 160 gramas de maconha encontrados dentro de uma bola de futsal. Os irmãos Rodrigo Gomes Pereira e Ronaldo Gomes Pereira Júnior foram indiciados por tráfico de drogas, porém alegam que não sabiam que havia droga dentro da bola apreendida.

De acordo com Xingó, os acusados alegaram que receberam os objetos para serem entregues ao detento Carlos Alberto, o “Carequinha”, na semana passada. A bola foi deixada na sexta-feira e seria repassada aos presos na segunda-feira, dia voltado para a entrega de alimentos e outros objetos pessoais. “Houve a interseção de um delegado aposentado para que o material fosse entregue fora do dia, apenas isso, como foi apurado, e não que ele deixou a bola no Ceresp”, disse o diretor.

A descoberta da droga ocorreu na segunda-feira, quando um PM recebeu a denúncia de que havia maconha dentro de bolas de futebol. O material foi encontrado por policiais militares, civis e agentes penitenciários. Os irmãos foram ouvidos pela Polícia Civil e, como não houve flagrante, eles vão responder em liberdade. “Se não provarem que não têm nada a ver com o caso, infelizmente estes dois jovens vão responder por tráfico de dogas”, informou.

Biscoito
Nos últimos dias foram várias tentativas de entradas com drogas no Ceresp. Foram encontrados entorpecentes dentro de pacote de biscoito, maços de cigarros e até o macarrão instantâneo “miojo” estava batizado com a erva. O delegado Xingó alerta que será intensificada a busca aos objetos entregues para os presos.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO