Bandidos tentam assaltar Banco Itaú e se dão mal

Familiares de gerente da agência bancária foram feitos reféns. Drama só terminou após a libertação, em Belo Horizonte

Wellington Fred


Os acusados estavam com uma Smith & Wesson 9 mm e uma Colt de calibre 45

IPATINGA - Mais uma ação de bandidos da capital mineira foi frustrada pela Polícia Militar do Vale do Aço. Na manhã de ontem, após manterem como reféns familiares de uma gerente por várias horas, eles tentaram assaltar a agência do Banco Itaú, na avenida João Valentim Pascoal, no Centro de Ipatinga. O bando não contava com a ação rápida da polícia e que resultou na prisão de dois envolvidos na tentativa de assalto.

A ação dos assaltantes teve início na noite de anteontem, quando pelo menos três deles renderam os familiares da gerente comercial da agência, Eandra Ramos Andrade Pungirum, de 34 anos. Eles pegaram os dois filhos dela, Felipe e Beatriz Andrade Pungirum, além da empregada doméstica Marinete Coelho. Os assaltantes ficaram várias horas na casa, até que foram para um local não determinado.

A gerente veio da região de Teófilo Otoni há alguns meses e o marido dela trabalha no estado do Maranhão. Ele acabou informado da grave situação na manhã de ontem, assim que ação dos assaltantes foi frustrada pela Polícia Militar. Os bandidos utilizaram o carro dela, um Fiat Stilo, para se dirigem até o banco por volta das 8h30.

Quando ela entrou na agência, dois bandidos renderam os vigilantes e tomaram deles os revólveres calibre 38. Um terceiro assaltante ficou na parte externa dando cobertura, mas este não foi preso. “Estava nas proximidades com a viatura e recebemos a informação de que estava acontecendo algo de errado no banco. Fomos até o local e encontramos os bandidos na agência”, disse o sargento Nilson, um dos primeiros militares a chegar à cena do crime.

A rápida ação da PM frustrou os assaltantes, ao serem cercados por várias viaturas policiais. Edson Aparecido de Souza, de 27 anos, se entregou ao sair do banco. Já o comparsa dele, Leonardo Gomes Batista, de 25 anos, foi mais resistente e saiu apontando uma arma para a cabeça da funcionária Amanda Rodrigues, de 20 anos. Devido ao forte aparato policial, o rapaz também se entregou.

Os policiais apreenderam as três armas dos vigilantes e as duas pistolas usadas pela dupla, uma Smith & Wesson de calibre 9 mm e uma Colt de calibre 45. “Hoje (ontem) havia pelo menos 11 policiais lançados na área central de Ipatinga e esta presença ajudou a frustrar o roubo”, comentou o capitão Júlio, comandante da 82ª Companhia.

Samu
Na confusão, uma mulher que aguardava o momento de entrar no banco passou mal e recebeu atendimento do Samu. Várias pessoas se aglomeraram nas proximidades da agência. Assim que a situação foi contornada, os policiais iniciaram o trabalho de avisar todo o Estado sobre a fuga dos outros bandidos. “Possivelmente escaparam num Fiat Stilo de cor prata, veículo em que eles estavam”, afirmou o tenente-coronel Sebastião Pereira Siqueira, comandante do 14º Batalhão de Ipatinga.

Alívio
O sofrimento de Eandra chegou ao fim por volta das 11h, quando a Polícia Militar e Polícia Civil, que enviou um grande efetivo até o local do assalto, foram informadas da libertação dos reféns na região do bairro Vera Cruz, em Belo Horizonte. Os filhos da gerente e a empregada voltaram à região à tarde, depois de se recuperarem do susto.

Os dois presos em Ipatinga foram autuados pelo delegado Geraldo Magela de Morais, titular da Furtos e Roubos, no artigo 159 do Código Penal, ou seja: extorsão mediante seqüestro. Leonardo Gomes estava foragido da penitenciária de São Sebastião de Bicas, onde cumpria pena de 85 anos por vários assaltos. “Já assaltei Bradesco, Banco do Brasil e outros bancos”, comentava aos jornalistas após ser preso.

Ele disse que só ficou sabendo do assalto quando chegou ao Vale do Aço. “Não sabia de nada, me ligaram para a ‘parada’ e viemos pegar o que é nosso”, afirmou ao lado do colega Edson, que não quis falar com a imprensa. Os dois são da Região Metropolitana de Belo Horizonte e suspeitos de fazerem parte do bando que atacou o empresário Amantino Alves, no ano passado, com o mesmo planejamento e ação.

Refém teve arma apontada para sua cabeça

Ela só tem 20 anos de idade; porém, viu toda a vida passar em sua cabeça por cerca de cinco minutos. É o tempo que a funcionária da financeira Taí (empresa do grupo Itaú), Amanda Rodrigues Silva, de 20 anos, esteve com uma pistola apontada em direção à sua cabeça ao sair do banco Itaú na companhia de Leonardo Gomes Batista. O assaltante ficou com ela para tentar fugir, mas acabou cercado pela PM.

Amanda narrou ao DIÁRIO DO AÇO o sofrimento passado por ela depois de ser acalmada pelas amigas e familiares na 1ª Delegacia Regional de Ipatinga. Amanda disse que só orava a Deus enquanto o tenente José Marques conversava com Leonardo para que ele se rendesse. “Nem lembro quem era, pois só escutava que iria ser atingida na cabeça, que meu corpo iria ficar estendido no chão”, conta.

Segundo ela, ao chegar para o trabalho foi rendida pelos bandidos no banco. “Vi que a gerente abriu a porta, coisa que não é feita por ela. Assim que entrei, fiquei sabendo do que estava ocorrendo. Os dois estavam tranqüilos e diziam que esperavam a chegada do outro gerente para que fosse aberto o cofre”, recorda a jovem após prestar informações à Polícia Civil.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO