PC apura mais um golpe em venda de carros

Agência de veículos usados pode ter dado prejuízo de R$ 500 mil

Wellington Fred


Polícia investiga prejuízo causado por empresa na avenida Macapá

IPATINGA - A Polícia Civil investiga o prejuízo causado para várias pessoas que adquiriram veículos usados na agência Shopcar, na avenida Macapá, no bairro Veneza. O proprietário, identificado como Josemar Assis, é procurado por vender carros alienados junto a financeiras para outras pessoas. O prejuízo é calculado até o momento em R$ 500 mil e onze veículos já foram apreendidos pela polícia.

A equipe do delegado Geraldo Magela de Morais, formada pelos agentes Ronaldo, Márcio, Rubemar e Elton foi informada que, anteontem, várias pessoas lesadas no golpe estavam pegando carros na agência. “É o veículo pokemom, porque ele não tem nada a ver com a dívida. Por orientação da autoridade policial, resolvemos guinchar todos os onze carros no local. Deve haver pelo menos outros 15 carros nesta situação”, disse Ronaldo.

De acordo com o policial civil, várias pessoas alegaram que compraram carros, pagaram à vista e descobriram que os veículos estavam financiados. “A vítima paga um valor, por exemplo R$ 15 mil, e depois, ao verificar o carro, descobre que está financiado no mesmo valor que o interessado pagou”, explica o agente de polícia.

Na agência abordada pelos policiais civis, ninguém quis dar informações. Os funcionários não estavam mais. As equipes realizaram buscas para localizar Josemar, mas sem sucesso. O gerente da agência, J.B.A. ainda não apareceu para prestar depoimento na 1ª Delegacia Regional de Ipatinga, o que deve ocorrer na próxima semana.

Vítimas
O policial civil Ronaldo orientou às pessoas que foram vítimas para procurar a delegacia e fazer uma representação contra a agência. “Qualquer pessoa que adquiriu o veículo que está financiado em nome de ‘laranja’ ou usado o nome de má fé, deve fazer representação na delegacia mais próxima de sua casa”, alerta Ronaldo.

Outras agências na cidade podem estar no mesmo esquema de estelionato e serão investigadas pelos policiais civis. A delegacia de Ipatinga também vai investigar como é feito o contato e a possível ligação de funcionários de financeiras e bancos com as empresas. “Ainda é cedo para apontar outras empresas, mas como rola muito dinheiro nas vendas, deve haver muita gente enrolada com o esquema”, prevê o policial civil Ronaldo.

Enquanto o DIÁRIO DO AÇO esteve na 1ª DRPC, na manhã de ontem, pelo menos três pessoas fizeram representação contra a Shopcar. Uma das vítimas, o motorista Manoel de Oliveira Neto, de 48 anos. Ele trocou um Ford Verona por um Fiat Palio e descobriu que caiu no golpe. “Eles ficaram segurando o recibo por dias e quando fui lá falaram que acharam comprador para o Palio. Prometeram um carro melhor”, lembra Manoel.

Errado
Ele desconfiou de algo errado e ao verificar os dois carros, o Verona e o Palio viu que já estavam financiados. “O estranho é que o recibo do Verona não foi passado para a agência. Como que o banco financiou meu carro? Sem o recibo não teria jeito”, questionava o motorista na delegacia de Ipatinga.

Outra vítima, que realizou uma representação contra a empresa, foi a Roseni Lima Pereira. Ela disse que trocou um Fiat Tipo e deu mais R$ 6 mil em um Fiat Uno. O documento estava com alienação fiduciária ao Banco Itaú. Ela conversou com o proprietário Josemar, este que alegou para a mulher que o financiamento já estava pago.

Ele teria orientado a vítima que ao fazer o novo documento não sairia a alienação. Ao transferir o carro, dias depois, Roseni descobriu a verdade. Havia mais 30 parcelas a serem pagas do carro e a pessoa que está com o nome atrelado à dívida alegou que também havia sido vítima.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO