Pistoleiro de João Caboclo continua internado

Wôlmer Ezequiel


Adriano Pitbull foi indiciado em Timóteo por homicídio ocorrido em 2006

DA REDAÇÃO - Continua internado Adriano Rodrigues Miranda, o “Pitbull”, 23 anos, baleado no último dia 10, na avenida JK, no Vila Bretas, em Governador Valadares. Adriano permanece internado no Hospital Municipal e seu estado é estável. Sob escolta policial, ele foi ouvido esta semana pela Polícia Civil na enfermaria.

O cabo da PM Marcos Almeida Araújo foi apontado como autor do crime e também está internado, sob escolta policial, no Hospital Nossa Senhora das Graças. Durante o tiroteio, que envolveu um policial civil identificado apenas como Renato, o cabo foi baleado na perna.
As apurações apontam que o PM estava na garupa de uma motocicleta quando atirou contra Adriano, que estava na garupa de outra moto, atingindo-o quatro vezes, sendo três nas costas e uma no tórax. O policial civil Renato, que se encontrava num posto de combustíveis próximo, interveio e acabou baleando o PM. O militar foi autuado em flagrante por tentativa de homicídio.

Tarumirim
Mais de uma semana se passou e a imprensa ainda não teve acesso ao inquérito policial instaurado pela Polícia Civil. Apurações indicam que o atentado pode ter ligação com um crime ocorrido na noite do último dia 9, no Córrego do Dourado, em Tarumirim. O produtor rural José Sena Silveira, de 56 anos, teria tentado contra a vida de Adriano, atingindo-o de raspão no rosto.

Adriano estava acompanhado do mototaxista Mauro Costa Dias, de 31 anos, que morava em Valadares e morreu com um tiro de chumbeira na cabeça desferido por José Sena. Adriano e Mauro foram à fazenda do produtor rural por razões que a Polícia Civil não revelou. Ao levar o tiro no rosto, Adriano procurou a PM em Tarumirim. Quando retornou à fazenda de José Sena, já escoltado, encontrou o corpo de Mauro caído, ao lado da moto e de um revólver.

Adriano foi detido para explicar o motivo de ele e Mauro terem ido armados à fazenda de José Sena. Depois de esclarecimentos, foi liberado. Na noite do dia seguinte, Adriano foi vítima do atentado em Valadares. José Sena se apresentou esta semana ao delegado de Tarumirim, José Ricardo de Oliveira. Porém, mais uma vez o conteúdo do depoimento foi mantido em sigilo.

Timóteo
José Sena é irmão do ex-prefeito de Tarumirim, João Correia da Silveira, o “João Caboclo”, de 50 anos, que juntamente com Adriano “Pitbull” foi indiciado no ano passado pelo delegado Francisco Pereira Lemos, pelo homicídio de um ex-presidiário, crime ocorrido em 7 de outubro de 2006, em Timóteo. A vítima estava na varanda de casa, no bairro Centro-Sul, e foi morta a tiros.

O motivo do crime, segundo o que apurou a Polícia Civil, seria uma negociação de gado entre “João Caboclo” e o ex-presidiário. Adriano e o ex-prefeito são acusados, ainda, de envolvimento em outro homicídio ocorrido no ano passado no município de Bugre. Segundo a PC, as execuções eram planejadas pelo ex-prefeito e encomendadas por telefone, ação que ficou conhecida como “Tele-morte”.

O assassinato do ex-presidiário teria sido combinado pelo valor de R$ 5 mil, sendo que R$ 2 mil foram pagos antecipadamente e o restante após a conclusão do “serviço”. Após a morte da vítima, Adriano teria fugido no carro de uma pessoa que foi feita refém e ainda teve seu telefone celular usado pelo suspeito para avisar sobre a execução.

A Polícia Civil conseguiu quebrar o sigilo telefônico do dono do celular e com isso chegou até “João Caboclo”. Segundo o delegado, “tudo leva a crer que a dívida entre eles (Adriano e João)” tenha resultado no atentado do dia 9, em Tarumirim.

(Com informações de Wellington Mallini/Diário do Rio Doce).
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO