Choque entre trens deixa 8 mortos e 111 feridos

RIO (AE) - Um choque entre dois trens da Central do Brasil deixou 8 mortos e 111 feridos em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, na tarde de ontem. Um dos trens tinha cerca de 400 passageiros e o outro estava vazio. De acordo com as informações da Supervia, concessionária que administra a via, o trem WP-908 atravessava da linha 1 para a linha 2, quando foi abalroado pelo trem de passageiros, prefixo UP-171. O acidente foi considerado o mais grave dos últimos seis anos, segundo a concessionária.

O UP-171 partiu às 15h10 da Central do Brasil com destino a Japeri. O acidente ocorreu a cerca de 200 metros da estação de Austin, distrito de Nova Iguaçu, uma das últimas estações da linha. O choque foi tão forte que o último vagão do WP-908 descarrilou. Os dois primeiros vagões do trem de passageiros também saíram dos trilhos. Muitas pessoas ficaram presas às ferragens.

O acidente ocorreu próximo a um portão de acesso à linha férrea. Moradores das redondezas, ao ouvirem o estrondo, correram para o local e socorreram as vítimas menos graves. Elas foram levadas de carro para hospitais das redondezas.

“Eu estava dormindo, mas de repente escutei aquele estrondo enorme, a poeira levantando e um clima de desespero. Depois que o trem parou muita gente saiu correndo. Quando desci, vi coisas horríveis. Tinha pessoas debaixo do trem, corpos revirados, muito feio mesmo”, contou Diana Gonçalves, de 53 anos, passageira do terceiro vagão.

O instrutor de equitação Robson de Oliveira, de 44 anos, também estava no mesmo vagão e tentou ajudar os outros passageiros. “Tinha muita gente presa nas ferragens. Eu vi pelo menos um morto. Foi horrível. Tinha muita gente desesperada, com crise nervosa”, contou.

Sinalização
O presidente do Sindicato dos Ferroviários, Valmir Lemos disse que o acidente ocorreu por problemas na sinalização da via férrea. “Nós fazemos essa denúncia há anos: a manutenção da via férrea é precária. O acidente ocorreu por problemas na sinalização”, afirmou.
O diretor de Operações da Supervia, João Gouvêa, disse que só após a perícia será possível identificar as causas do acidente. “Os dois maquinistas não faleceram e serão úteis para esclarecer o que houve. O laudo deve sair em 10 dias. Só então saberemos detalhes como a velocidade das composições”, afirmou Gouvêa.

Apesar do acidente, os trens da Central do Brasil continuaram a trafegar normalmente. Apenas o ramal de Japeri ficou parcialmente interditado.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO