Homem é preso por morte de 19 onças

A Polícia Militar encontrou os restos dos animais silvestres após receber denúncia sobre o porte ilegal de armas

Reprodução: Ibama


Ao menos 19 onças foram abatidas. Restos de outros animais também foram encontrados com o homem
O caçador apontado como responsável pela morte de pelo menos 19 felinos no Pará foi multado em R$ 494 mil pelo Ibama. Júlio César da Silva foi preso pela Policia Militar em Curionópolis (PA) no dia 26/08, durante a apuração de uma denúncia de porte ilegal de armas. O acusado armazenava, em um refrigerador, cabeças, crânios, couros e patas dos animais silvestres abatidos. Os policiais também apreenderam no local espingardas e munições.

Foi a maior quantidade de grandes felinos caçados já registrada em uma operação. Para os agentes ambientais, o crime está relacionado ao tráfico de fauna. Três autos de infração totalizaram R$ 460 mil por matar, mutilar e manter animais silvestres em depósito. A apreensão de sete aves silvestres no local resultou na aplicação de mais uma multa no valor de R$ 34 mil.

Pelo menos 20 animais foram abatidos: 16 onças (Panthera onca), duas suçuaranas (Puma concolor), uma jaguatirica (Leopardus pardalis) e um jacaré (Caimam sp.). Todos foram levados para sede do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) na Floresta Nacional de Carajás (PA). Exames genéticos serão realizados para determinar as espécies e concluir a investigação. Após o encerramento da pericia será definida a destinação final das apreensões.

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, divulgou nota nesta sexta-feira (02/09) sobre o caso: "Estou chocado com as imagens daquela que foi considerada pelo Ibama como a maior quantidade de grandes felinos caçados já encontrada em uma operação desde a criação do Instituto. O tráfico de animais silvestres é um crime que atinge a cada um de nós, pois fere nosso direito a um meio ambiente equilibrado. O perigo de extinção da onça pintada aponta, de forma dramática, para a necessidade urgente de aumentarmos, em quantidade e qualidade, a proteção de nossa biodiversidade. O Ministério do Meio Ambiente entende que essa proteção passa, necessariamente, pelo fortalecimento da estrutura de fiscalização do Ibama e do ICMBio, e pela conscientização, através da educação ambiental. Trabalhamos nesse sentido, de forma prática e objetiva, mas guiados pela convicção de que homem, planta e bicho são irmanados na natureza."

(Com informações: Ibama)
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Corona@abacoinc.com.br 05 de Setembro, 2016 | 15:13
enquanto as leis sobre trafico de animais não foram endurecidas e passarem a ser crime inafiançável estes episódios vão continuar ocorrendo Brasil afora. é um absurdo como nos tratamos a fauna brasileira com desprezo e má vontade. como os animais não votam eles não merecem respeito pelas autoridades publicas do Brasil
Ze Paulo 03 de Setembro, 2016 | 11:05
Prende o cara é joga a chave fora.
Pelo menos a 5000 km de distância.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO