Tecnologia aplicada no preparo do solo

ACS Cenibra


A Cenibra vai ampliar ainda este ano a sua frota de escavadeiras
Um negócio sustentável é o que norteia a Cenibra. Com o aumento do índice de mecanização da colheita, passando de 60 para 95%, criou-se uma lacuna entre a mecanização da colheita e da silvicultura na atividade de preparo de solo, uma vez que a colheita vai até 35° e o preparo de solo mecanizado convencional vai até 17°, não existindo uma tecnologia para fazer a subsolagem mecânica acima de 17°.

Após pesquisas de mercado para ver as chances de implantação de novos processos que permitissem, como foi feito na colheita, avançar com a mecanização da silvicultura, identificamos, nos trabalhos de preparo de solos para a cultura do café, uma oportunidade de adaptação para as necessidades da Cenibra.

Após uma visita técnica a uma fazenda do Espírito Santo e um posterior debate técnico envolvendo as áreas de Colheita, Silvicultura, Pesquisa Florestal e prestadores de serviços, no fim de 2014 começaram os testes com escavadeira hidráulica com subsolador.

Várias melhorias vieram no decorrer dos testes, e a introdução do sistema de adubação concomitante à subsolagem, permitindo executar as duas atividades ao mesmo tempo e com o mesmo equipamento foi a principal. Assim, viabilizamos economicamente a mecanização do preparo de solo acima de 17°, por enquanto limitado a 25°.

Nos testes, também foi feita com sucesso, uma operação de recuperação de solo em áreas queimadas e com erosão, outra aplicação em que a máquina poderá ser utilizada.

“Na primeira parte cumprimos o objetivo de fazer a subsolagem, mas por se tratar de uma atividade de alto custo, estudamos outra funcionalidade que pudesse somar-se a este e assim tornar a atividade mais atrativa do ponto de vista econômico. Assim, criamos um sistema de adubação concomitante à subsolagem, tornando a atividade mais competitiva”, explica o especialista Ilvânio Luiz Guedes.

Ele destaca outras melhorias, tais como a adaptação de suporte para içar o bag, permitindo carga e recarga de adubo, adaptação do fura-bag e fixação de cinto de segurança de quatro pontos, com mais segurança e conforto para o operador. Os operadores que atuavam no projeto já tinham experiência com escavadeira, e passaram por um treinamento complementar para fazer a operação com segurança e dentro das recomendações técnicas da empresa.

Atualmente a Cenibra conta com três escavadeiras em escala operacional, duas na regional de Nova Era e uma na regional do Rio Doce, com previsão de contratação de mais quatro máquinas ainda este ano. A área potencial para uso da escavadeira nos próximos cinco anos é 13.200 ha, com uma demanda anual de 2.700 ha.

Benefícios operacionais:
- Melhoria do conforto e ergonomia do operador, comparando à operação manual e semi mecanizada;
Ganhos ambientais:
- Aumento da umidade do solo próximo às raízes das mudas;
- Mais abastecimento do lençol freático;
- Regularização da vazão dos cursos d´água;
- Diminuição da compactação do solo causada pelo tráfego das máquinas de colheita;
- Recuperação de solos em áreas com processo erosivo;
- Melhoria das condições para o desenvolvimento das plantas.
Encontrou um erro, ou quer sugerir uma notícia? Fale com o editor: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Comentários

Mario Alberto Siqueira 24 de Agosto, 2016 | 20:47
A busca da excelencia pela mecanização maxima permissivel na area de silvicultura e bem antiga e, aos poucos colhe os frutos dessa busca incessante.Este e o diferencial da Empresa que, por possuir um volume de areas acidentadas muito elevado e a mão de obra para esse tipo de trabalho a cada ano mais escassa,busca alternativas constantes.

Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.

ENVIE O SEU COMENTÁRIO