12/01/2019 07:30:00

Vítimas da tragédia em Mariana protestam contra a Fundação Renova

Uma das compensações previstas se referia ao auxílio financeiro, que agora vai ser descontado das indenizações, contrariando o que fora acordado e assinado ao longo de 2018



Divulgação/BBC


Pescadores de Minas Gerais e do Espírito Santo se mobilizam na segunda-feira contra decisão judicial que revê 1.500 acordos firmados em 2018

Cerca de dois mil pescadores vítimas da tragédia em Mariana se reunirão para protestos na próxima segunda-feira (14), por volta de 7h, nos municípios de Baixo Guandu e Colatina, no Espírito Santo. O motivo da mobilização é dar uma resposta a recente alteração de cerca de 1.500 acordos firmados entre a Samarco e pescadores a partir de janeiro deste ano.

Uma das compensações previstas se referia ao auxílio financeiro (espécie de pagamento mensal a cada família pela perda em suas atividades econômicas), que agora vai ser descontado das indenizações, contrariando o que fora acordado e assinado ao longo de 2018.

O advogado Leonardo Amarante, representante das Colônias e da Federação que reúnem cerca de 9.000 pescadores atingidos no Espírito Santo e em Minas Gerais, acredita que a mudança não impactará somente os pescadores que já tinham firmado acordo, mas também todos que ainda iam começar a negociar. “Essa liminar foi dada sem ouvir nenhum dos impactados ou suas entidades representativas e, se mantida, esvaziará e modificará, de forma absurda, os acordos já realizados. A forma como a Samarco está conduzindo esta situação viola os princípios de boa fé e proibição do comportamento contraditório”, destacou Amarante, sinalizando que haverá recurso.

Segundo o grupo, os pescadores vão pernoitar no local, à beira do Rio Doce, com a intenção de chamar a atenção da Samarco, autoridades e sociedade para a atuação da Fundação Renova.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Carlos Alberto Marinho

12 de Janeiro, 2019 | 12:15
Gostaria de saber porque pescadores armadores ou subsistência não tem o mesmo direito que um pescador aposentado tem se ele não exerce a profissão ou quem nunca pescou e receberam 70.80mil reais
Envie o seu Comentário