04/12/2018 15:55:00

Equilíbrio nas escolhas e as festas de fim de ano

Nayara Santos Zímer *




“Aprender a se relacionar de forma saudável com a comida é primordial”

A obesidade hoje mata mais do que qualquer outra doença e está acima dos índices de acidentes e violência, segundo estudos e índices a nível mundial. Meio da mesma, inúmeras doenças surgem e abre caminho para outras, deixando o corpo em constante inflamação celular.

A perda de peso, ou redução do tecido adiposo, é um tratamento que requer tempo, é de suma importância que essa informação esteja clara para os pacientes que apresentam tal necessidade. Primeiro o indivíduo se conhece, se olha se analisa depois ele se reconhece. É um trabalho feito de dentro para fora com profissional que detém o conhecimento adequado ás sua necessidade para acompanhá-lo, o Nutricionista.

O emagrecimento saudável é um reajustar de células, metabolismos, queima e reorganização de um corpo complexo, que é o ser humano. Ter calma desde o início e persistir no caminho certamente será o norte para o sucesso do tratamento.

Muitas pessoas atribuem a culpa do excesso de peso ao último mês do ano. Fazendo uma análise a partir de um velho ditado popular, segundo o qual “uma andorinha só não faz verão”, podemos ampliar o entendimento sobre tal afirmativa.

Viver os momentos de confraternização com equilíbrio é participar, sim, de um jantar, da ceia de natal, de uma festa com amigos. É comer consciente da quantidade e do objetivo, é aprender a fazer escolhas que alimentem o corpo e não maltrate a mente. Muitas vezes, nas dietas restritivas o paciente apresenta quadros de ansiedade agressivos, diante de uma exclusão severa. Aprender a se relacionar de forma saudável com a comida é primordial.

O que vemos na prática muitas vezes, são pessoas que estipulam metas drásticas, complexas de serem atingidas. Diante da correria do dia a dia, as “promessas” ficam esquecidas, e o resultado não vem. Porque na verdade o resultado é o fruto de um esforço e muitas vezes são menores que o necessário e não é empregada a paciência aliada a todo o conjunto.

Nota-se que, muitas pessoas acabam entregando os pontos no fim de outubro e só se dão conta disso após o carnaval que há algum tempo tem sido comemorado em março. Então são cinco meses de descuido com a saúde e muitas vezes, sedentarismo.

É preciso digerir a perda de peso corporal como um estilo de vida e que ele não escravize, não oprima, mas ao contrário, traga mais vida, mais prazer em estar vivo e tudo seguirá com maior eficiência. É preciso entender que o corpo não trabalha com calendários, ele apenas sabe o que o alimenta e o que pode adoecê-lo.

* Nutricionista (CRN9:19002). Graduada em nutrição pela faculdade Pitágoras de Ipatinga. Pós-graduanda em Nutrição Oncológica - Hospital Israelita Albert Einstein. Pós-graduanda em Nutrição Materno infantil


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário