25/11/2018 10:13:00

Desobediência às leis de trânsito cresce 81% nas rodovias brasileiras

Negligência e falta de conhecimento são as principais causas de infrações e poderiam ser evitadas com ações de educação e conscientização, indicam especialistas



Reprodução


O descumprimento às leis, na maior parte das vezes, é ocasionado por fatores como a negligência e a falta de conhecimento do condutor

Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a desobediência às leis de trânsito atingiu um aumento de 81% no feriado da Proclamação da República, em relação ao mesmo período do ano passado. Foram 332 autuações em razão da falta de utilização de equipamentos obrigatórios para transportar crianças nos veículos (bebê conforto, cadeirinha e assento de elevação), contra 183 flagrantes registrados em 2017.

O descumprimento às leis, na maior parte das vezes, é ocasionado por fatores como a negligência e a falta de conhecimento do condutor. É o que afirma a especialista em educação digital e diretora de Produtos da Procondutor, Claudia de Moraes. "Vários motoristas ignoram o fato de que acidentes podem acontecer com qualquer pessoa e a qualquer momento. Assim, colocam-se em risco e também a vida das crianças, sendo que o transporte delas é de responsabilidade destes condutores", opina.

A PRF também realizou 32.915 testes de alcoolemia, concluindo que a irresponsabilidade não se resumiu à falta de equipamentos de segurança: 750 motoristas foram reprovados no bafômetro, sendo retirados de circulação, já que poderiam causar acidentes graves.

Claudia acredita que, além da fiscalização, é possível mudar o comportamento irresponsável dos condutores com ações de educação e conscientização. "O brasileiro crê que a educação no trânsito não é importante, principalmente porque ele só tem contato com o tema ao tirar a habilitação. Esse assunto deveria ser discutido desde a formação educacional das pessoas, ou seja, desde os ensinos fundamental e médio e, também, no momento da emissão da CNH. O Brasil está entre os cinco países com mais mortes no trânsito, então, este assunto não deveria ser transversal nas escolas e, sim obrigatório, para que assim tenhamos condutores mais conscientes do impacto de suas atitudes no trânsito", sugere a especialista.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário