09/11/2018 07:25:00

Campanha em Ipatinga cadastra doadores de medula óssea

As chances de encontrar um doador compatível são de 1 em cada 100 mil pessoas



Divulgação


Interessados em entrar no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea devem comparecer à ASAPAC, no Caravelas, neste sábado

A Associação de Amparo a Pacientes com Câncer (Asapac) promove a Primeira Campanha para Cadastro de Doadores Voluntários de Medula Óssea em Ipatinga neste sábado (10). A iniciativa da entidade, uma organização civil sem fins lucrativos atuante na política de saúde pública ligada ao câncer, será realizada na rua Goiânia, 670, bairro Caravelas, de 9h as 13h.

As chances de encontrar um doador compatível são de 1 em cada 100 mil pessoas. Por isso a campanha visa conscientizar a população sobre a importância da doação de medula óssea, aumentar o número de doadores na região e, consequentemente, as chances de salvar vidas.

Como ser doador

Para fazer o cadastro, o candidato precisa atender requisitos básicos como ter idade entre 18 e 55 anos, estar em bom estado de saúde, não ter doença infecciosa ou incapacitante, não apresentar doença neoplásica (câncer), hematológica (do sangue) ou do sistema imunológico.

O candidato deve ir até a Asapac e preencher o formulário de identificação, assinar o termo de consentimento e coletar uma pequena amostra de sangue. Os interessados devem levar documento pessoal com foto, contendo o número de CPF e o cartão do SUS. Todo procedimento será realizado pela equipe do Hemocentro de Governador Valadares.

Após esses passos, o candidato será cadastrado no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), que é vinculado ao Ministério da Saúde. Quando surgir um paciente compatível com o doador, serão efetuados os testes para a confirmação da compatibilidade.

Para aumentar a probabilidade de êxito na localização, é fundamental manter os dados cadastrais atualizados no Redome. O voluntário pode ser chamado para efetuar a doação com até 60 anos de idade.

Transplante

O transplante de medula óssea pode beneficiar o tratamento de cerca de 80 doenças em diferentes estágios e faixas etárias, principalmente os pacientes com leucemias originárias das células da medula.

Existem duas maneiras de se coletar medula óssea. A primeira é a retirada da medula com agulha no osso da bacia, procedimento que dura 90 minutos e é feito com anestesia no centro cirúrgico. O doador fica um dia em observação após o termino do procedimento.

No segundo modo, a medula é retirada pela veia a partir de um procedimento chamado aférese. O doador precisa tomar um medicamento durante cinco dias para aumentar a produção de células-tronco. O sangue será filtrado por uma máquina que retira as células-tronco e devolve o sangue para a veia do doador. Neste procedimento não há necessidade de internação e nem de anestesia.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário