26/09/2018 10:29:00

Mãe de estudante agride professora dentro de escola, em Ipatinga

Agressora foi atrás da educadora após o filho dela ter se machucado levemente durante uma atividade física



Google


A agressão aconteceu dentro da escola, no bairro Esperança

Uma mulher de 29 anos é acusada de agressão a uma professora de 55 anos em uma escola pública, na avenida Orquídea, no bairro Esperança, em Ipatinga, no fim da tarde desta terça-feira (25). A agressão foi motivdada por uma suposta lesão sofrida pelo filho da acusada. O estudante alegou ter sido provocado pela educadora, situação que não se confirmou.

Policiais militares que atenderam a ocorrência apuraram que, na Escola Estadual Haydeé Maria Imaculada, a professora estava com alunos no pátio da unidade escolar. Ela e os alunos participavam de uma atividade física e pulavam corda. Um aluno, ao passar perto do local foi atingido acidentalmente pela corda, e ficou com uma marca vermelha no braço.

Ao chegar em casa, ao explicar para a mãe sobre a origem da marca no braço, teria dito que foi a professora havia batido nele. A mulher foi à escola e, sem falar com ninguém, entrou na sala da diretoria, agrediu com socos e arrancou mechas de cabelos da professora, tornando necessária a intervenção de funcionários.

A agressora fugiu e não foi encontrada pelos policiais militares, que foram procurá-la em casa. A professora recebeu atendimento médico na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), no bairro Canaã. O caso foi repassado à delegacia de Polícia Civil.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Anônimo

29 de Setembro, 2018 | 23:02
Para quem trabalhou nesta Escola, isto não é nada. Uma escola onde há anos, pais e alunos estão acostumados ver e ouvir a diretora gritar e humilhar os professores na frente de pais, alunos e quem estiver presente no início de cada turno? O que esse pai aprendeu? É que nessa escola professores devem ser tratados como se não fosse seres humanos. Sou amiga dessa professora e por coincidência, trabalhei com ela em outras escolas e infelizmente, fomos trabalhar novamente juntas. Excelente pessoa e profissional, experiente no que faz, sempre se atualizando. Sempre foi amada nas outras escolas por todos que a conheciam. Ela nunca merecia um absurdo destes, aliás, ninguém merece. Sempre se preocupava com seus alunos. Em uma escola em que trabalhamos, ela buscava em seu carro a aluna, pois morava em um morro muito alto, e para evitar que ela faltasse, ela buscava e levava a aluna para casa no final de turno, seria uma pessoa destas capaz de bater em um aluno?

Eu

29 de Setembro, 2018 | 09:34
A 14 anos atrás minha filha veio questionar comigo sobre seus professores. De primeira eu já ouvi a versão dela e de cara fiquei com muita raiva. E falei assim amanhã iremos na escola. Quando cheguei lá minha filha já chegou como se a defensora dela estava ali. Não precisa pedi o porteiro pra entra. Pq eu era a mãe dela. Não precisava pedir permissão a diretor. Pq a minha mãe estava ali. Daquela forma até eu chega na professora eu fui vendo as reações dela. Ai um amiga dela passou e olhou e disse aí quero ver a professora coloca (,,,, ) ela pra fora da sala. Ai cheguei e esperei a professora na mesa. Me apresentei ela na maior educação tbm e minha filha do lado. A minha frase foi. Senhora acha que eu deveria está aqui? Ou posso de algum modo ajuda de cada mesmo. Ai a professora respondeu. Mãe não podemos fazer muito. Pelo ocorrido mais podemos dar procedimento do que a senhora faz. Ai minha filha começou a falar professora ouviu eu tbm. Ai no final ela falou mãe ela colocou eu pra fora. Faz alguma coisa. Eu só levantei da mesa e disse. Eu já ouvir vc e a sua professora. Eu mando em você. Do portão pra fora. Aparti da hora que você entra nessa escola. Você deve respeito quem cuida de você por 4 horas. Se vc não tivesse feito nada sua professora não teria chegado onde chegou. Então pedi licenças a professora. E falei me desculpe pelo ocorrido. Quero que saiba que confio na escola e conheço que não é fácil. Mais a senhora pra mim merece todo respeito. Tenha bom dia. Isso minha filha estava no 3° da Escola Municipal Maria Rodrigues Barnabé. Eu já tinha visto oq aquela escola era. Diretora na época era Dona Mariza. Eu jamais coloquei em risco o que eu tinha visto. Gente professor tem que ser idolatrado respeitado admirado. Pelos pais e pelos seus filhos. Diz que a base de tudo e os pais. Eu concordo. Mais em cada criança tem um professor. Depois do fato quando ela chegava brigando por causa de professora. Ela falava mãe eu fiz isso minha professora mandou a senhora assinar. Nunca mais minha filha passou desrespeita um professor. Pq eu mostrei que a professora dela era bem mais que eu depois daquele portão. Eu só era mãe do portão pra fora hoje chega naquela escola . Olha pra vcs ver o porte.Pq ali só tem país que respeita que admitia aquela escola.
Professores são a base de uma boa educação. Eles merece respeito.

Anônimo

28 de Setembro, 2018 | 00:33
Essa é uma excelente escola , com uma equipe diretiva nota mil sempre solicita à comunidade , essa foi uma fatalidade q infelizmente vem acontecendo com frequência em tdas escolas do país, precisamos nos unir e prestar nossa solidariedade à professora e a escola que tbm foi vítima dessa fatalidade...

Roberto

27 de Setembro, 2018 | 20:49
O Ronaldo se liberar armas pra vc porta dentro de csa , pelo menos vc terá oportunidade de se defender dentro de uma lugar q é seu (sua csa ), ou vc prefere continuar refém dos bandidos dentro da sua própria csa ???

Sabonete

27 de Setembro, 2018 | 17:36
OQUE MAIS ME DEIXA CHOCADO É SABER QUE A AGRESSORA TERÁ UM ADVOGADO PARA DEFENDE-LA....

Comédia 22

27 de Setembro, 2018 | 14:15
Fácil resolver! É só instalar uma .50 em cada sala de aula p os professores q ninguém vai agredi-los ! E com o tempo as mesmas serão peças de museu sem nunca terem sido usadas!

Tia Cleu

27 de Setembro, 2018 | 13:28
Li alguns comentários e fiquei indignada, não só com a mãe mas com quem comentou o fato sem conhecer a agredida.
1º - A professora não é inexperiente e nem despreparada. Só de trabalho prestado aos alunos da APAE deve passar de 20 anos;
2º - Ela tem formação profissional e também como pessoa é muito preparada. Só de licenciatura ela já é formada desde o ano de 2003 (convivemos na faculdade e comunidade);
3º - Independente de qualquer coisa o diálogo deveria estar em primeiro lugar e é isto que eu sei que ela também sabe fazer muito bem.
4º - Agressão física é caso de polícia e a escola não deveria ter permitido a saída da agressora da escola. Isso é muito comum nas escolas estaduais: os diretores abrem o portão para diminuir o "problema" e não sair na mídia.

Sebastião Fernandes da Costa

27 de Setembro, 2018 | 11:40
UMA MÃE!!! ISTO NÃO É MÃE!!! MÃE TEM QUE DAR BOM EXEMPLO PARA O FILHO . FALTA DE RESPEITO! - E QUANTO AO IMBENCIL QUE FALOU QUE SE ELA ESTIVESSE COM UMA ARMA NOTA ZERO PRA ELE!!! ELA É A ( ARMA). FOI PRA ESCOLA CEGA DE ÓDIO!!!----BOLSONARO É A ÚNICA SOLUÇÃO. AO INVÉS DE TER BANDIDOS NO COMANDO NAS ESCOLAS TEREMOS POLÍCIA COM O APOIO DO ESTADO,AÍ EU QUERO VER ESTAS MÃES IDIOTAS ENTRAR NUMA ESCOLA AGREDINDO PROFESSORES E FUGINDO DEPOIS! COVARDE!!!! CANALHA SE FOSSE COM MINHA MULHER OU PARENTE EU TE PEGAVA .

Nilda Procópio de Assis

27 de Setembro, 2018 | 11:32
Segundo um comentário que li, a pessoa acha que é muito fácil sair armado, dando tiros para todos os lados.
Não é assim que a coisa funciona. É
lamentável e ao mesmo tempo confortável , transferir a responsabilidade para os outros.
Para usar a violência, não há necessidade do uso de uma arma de fogo; o caso ocorrido, ficou bem claro.

Nilda Procópio de Assis

27 de Setembro, 2018 | 11:27
Segundo um comentário que li, a pessoa acha que é muito fácil sair armado, dando tiros para todos os lados.
Não é assim que a coisa funciona. É
lamentável e ao mesmo tempo confortável , transferir a responsabilidade para os outros.
Para usar a violência, não há necessidade do uso de uma arma de fogo; o caso ocorrido, ficou bem claro.

Wilham

27 de Setembro, 2018 | 08:16
Acho isso lamentável porque uma mãe tem que saber perguntar, porque se ela tivesse chegado na escola de seu filho e perguntado o que realmente aconteceu tudo teria sido diferente. Essa mãe é uma irresponsável e inútil não serviu para perguntar por favor que ninguém siga esse caminho.

Ronaldo

27 de Setembro, 2018 | 06:53
Ja pensou, se o Bolsa ganha e libera as armas para o povo? Ao inves de tapa e arranhoes, seria tiro e morte.

Helenaalves

26 de Setembro, 2018 | 23:29
Enquanto existir o tal de ECA existirá alunos agredindo professor (e ainda são chamados de vítimas da sociedade ou revoltadinhos) e pais agredindo os professores dos filhos. Educação vem da família. tal mãe ,tal filho.

Professor Raimundo Nonato

26 de Setembro, 2018 | 22:46
Recado para Ziza Saygli : Caladaaa!!! Vou dar um zero pq vc não foi contratada p fazer correção ortográfica! Nota zero pra tu, ou seria p você, ou para vossa senhoria....

Luana

26 de Setembro, 2018 | 22:39
No Brasil precisamos entender que na escola se ensina português, matemática, Quem ensina caráter, respeitar os mais velhos, são os pais. Fico triste com uma notícia dessa. Ontem meu filho chegou falando que um aluno bateu na professora dele . Isso é lamentável

Maia Aparecida

26 de Setembro, 2018 | 22:13
Uma vergonha essa mãe agir dessa forma. tome cuidado para não apanhar do seu filho mais tarde.e esse o exemplo de educação que você dá para seu filho .

Eu

26 de Setembro, 2018 | 20:15
Indignada, conheço a professora e sei da excelente profissional que é.... lamentável esse ocorrido.... os filhos são espelhos do pai.... essa mulher tem q ser presa e o filho expulso da escola

Sacapó

26 de Setembro, 2018 | 19:42
Mãe? acho que o nome seria outro. se menor não sabe ou não tem senso
de sanidade, como a coisa (chamada mãe,) sabia que o bandidinho disse
a verdade? vai ver se tem marido, se é casada, se tem nome de família,
e se tem característica de gente. simplesmente, quer que o bandidinho seja
bandidão traficante.,

Luana

26 de Setembro, 2018 | 19:10
Infelizmente esse e o retrato do nosso futuro, país emocionalmente despreparados para criar um filho e jogando no professor q cuida de 30 ou 40 crianças srm apoio da família a responsabilidade de educar então a criança chega.em casa fala o q convém e a mãe sai feito um animal irracional pra resolver no tapa
SO TENHO PENA DA MAE DA PROFESSORA E PRINCIPALMENTE DA CRIANÇA

José Enesio

26 de Setembro, 2018 | 18:11
Precisamos sabedoria nestes tempos de indiferença. Gostei do comentário indicando que a escola deveria ter entrado em contato com a mãe. Acho que na verdade vivemos um momento de seres humanos carentes de carinho. Falta um líder que inspire cuidado com o outro e ao mesmo tempo firmeza nos valores. Estamos aos cacos.

Anonimo

26 de Setembro, 2018 | 15:56
infelizmente neste colégio estuda so escorias, coitado do professor que leciona neste inferno chamado haydee.

O Voluntario

26 de Setembro, 2018 | 15:30
olha eu quando estudava na educação infantil e fundamental, quando chegavamos em casa com uma marca vermelha, e ate mesmo com um osso quebrado, Os pais ao inves de ir atraz da professora brigar primeiramente apanhavamos, Para falar a verdade do fato ocorrido; E assim , nenhuma criança chegava dizendo coisas inverdades e infundadas, que se mentisse, apainhava novamente,, hoje infelizmente, os pais deixam os filhos na rua com desculpa de bolsa familia, preciso trabalhar, e eles fazem o que querem e sabendo que são menores não podemos corrigir na sala de aula, e se for olhar nem em casa por ipocrisia da sociedade e de politicos que um adolecente de 10, 12 13, podem andar armados e matar estrupar, roubar, e etc, mas se ele levar um bom corretivo vc que esta preso, mas ai criamos mais um marginal que amanha os trafricante cobra dele a divida ou policia. infelizmente, culpá é expressamtne da sociedade que quando seu filho foi agredido vc quer a morte do outro agressor, mas quando ele agride é um coitado, doente tem depressão, esta com problemas do desemprego e por ai vai, precisamos pensar nisto, meu filho vai para escola e atividades esportivas e quando e corrigido eu agradeço a quem tem me ajudado a educa-lo. e ainda tem os seus devidos corretivos, não precisamos espancar ninguem, para fazer correção, mas mostrar o que é certo e errado, deve.

Alguem

26 de Setembro, 2018 | 15:15
Os filhos são espelho das mães...so Deus sabe o futuro dessa criança,amanhã pode ser ela chamando a policia que o filho a agrediu,lamentavel essa situação.

Joseliara

26 de Setembro, 2018 | 15:06
Bom ..uma coisa é fato : que saudades daquela época que quem cuidava dos filhos eram as mães, quem trabalhava eram os homens , nesta época sim existia o respeito ao próximo...Hoje em dia ta aí mães estressadas por ter que trabalhar fora, trabalhar em casa, cuidar da educação dos filhos cuidar do marido, e os pais de hoje uns somem , uns tem que trabalhar virando dia e noite... E quem cuida dos filhos? A babá que trabalha so pra receber , a vizinha q finge q ajuda, a creche que ta la mas é so pra educação fundamental...E os princípios de uma boa educação que são caráter, obediência, verdade, temor, responsabilidades, amor ao próximo quem está dando a estas crianças? Muitas crianças que veem os pais somente quando estão indo trabalhar....Tá tudo assim largado geração sem rumo algum.....
"A vara e a repreensão dão sabedoria, mas a criança entregue a si mesma, envergonha a sua mãe" (Provérbios 29:15).
Olhemos nossos filhos enquanto se é tempo.

Flávia

26 de Setembro, 2018 | 14:31
Muito triste o ocorrido.
Ninguém sabe o que o professor passa dentro de uma escola... essa mãe foi desumana, monstruosa.
Enquanto o professor tiver que dar satisfação do joelho ralado dos filhos a pais que não tem tempo para os mesmos ou precisam trabalhar, não serão valorizados.
O que acontece com uma criança dentro de uma escola é o que poderia acontecer em casa ou em qualquer lugar.. .acidentes ou fatalidades...totalmente compreensível.
Pais que não desejam que seus filhos vivenciem isso, retire seu filho da escola, ensine-o em casa. E digo com propriedade... daqui alguns anos ninguém vai se submeter a ensinar mais nada... a ingratidão e a intolerância não vão permitir.
E os professores vão se dar conta do quão pouco valem para a sociedade para se submeterem ao que vem ocorrendo com relação à eles faz décadas.
O pai é que deveria ter a obrigação de procurar a escola para esclarecer, saber do seu filho, ajudar a escola!!! Muitas escolas tem mais de 1000 alunos, meu Deus!!!
Onde vamos parar nesse país?!!! Assustador. Cada dia mais.

Irene

26 de Setembro, 2018 | 14:04
Infelizmente é muito desagradável essa situação,eu como mãe sempre estou presente na vida dos meus filhos reparo neles quando saí e quando chega se noto algo de estranho ligo na escola na hora se não resolver procuro meus direitos violência gera violência escola foi feita para estudar, respeito e dignidade vem de casa.

Jonas Vale do Aço

26 de Setembro, 2018 | 13:52
Lamentável a atitude da mãe que não se justifica mas também um erro grave da escola e da educadora que por falta de experiência e preparo deveria informar os pais do ocorrido a fim de evitar justamente esse episódio. Vivemos em um país violento que por qualquer motivo as pessoas já querem resolver a situação no braço, na faca ou no tiro.

Nega

26 de Setembro, 2018 | 13:12
Lamentável uma situação dessas..
Essa mãe deveria ter se controlado..
As coisas não se resolve no soco não..

Gildázio Garcia Vitor

26 de Setembro, 2018 | 12:41
Quando os políticos e o poder público não têm um pingo de respeito pelos profissionais da Educação, é querer muito exigir respeito por parte de alguns pais e de muitos alunos. Eu, depois de mais de 35 anos dedicados ao magistério, estou perdendo o pique. E, segundo Roberto Freire, "Sem tesão não há solução".

Ziza Saygli

26 de Setembro, 2018 | 12:30
Sugestões para correções:
" cujo estudante alegou..." Substituir por “ o qual alegou.." pois não há ideia de posse.
"não foi encontrada pelos policiais militares, equipes que....". Tirar a palavra equipes uma vez que não faz sentido esse substantivo no trecho.

Estanislau Costa

26 de Setembro, 2018 | 12:15
A crianca e justamente o espelho da mae! Chamar de bandido hoje uma crianca e no minimo pesado mas a situacao caminha p a formacao de mais um.
Lamentavel,processe essa mae e que a justica a faca pagar indenizacao pr danos morais e a obrigue a varrer o patio em frente a escola por um ano todos os dias.

Brasil

26 de Setembro, 2018 | 12:14
Cara, lamentável o q esta acontecendo com esses educadores por todo Brasil...
Fiquei sem votar a mais de 8 anos ..
Mas estou começando a pensar em votar esse Ano em um candidato q possa talvez tentar reverter esse quadro..
So nos podemos mudar isso...

Silas de França

26 de Setembro, 2018 | 11:11
Tempos difíceis. A disseminação do ódio rendendo cada vez mais frutos.
Envie o seu Comentário