10/08/2018 15:28:00

Um dia memorável para Coronel Fabriciano

Amir José de Melo *




Um dia de glória para Coronel Fabriciano. Assim foi o dia 15 de agosto de 1948, quando foi solenemente erigida a Paróquia São Sebastião. A data foi escolhida pelo próprio Dom Helvécio, por ser o dia da Assunção de Nossa Senhora, de quem era grande devoto, além de ser o dia em que comemorava o trigésimo ano de sua Sagração Episcopal.

O arcebispo chegou quatro dias antes, para conferir passo a passo todos os preparativos. Procedente de João Monlevade, em viagem de trem, desembarcou às 11h na estação, indo se hospedar na Casa de Campo da Companhia Siderúrgica Belgo Mineira, onde hoje funciona o clube do mesmo nome.

Foi um domingo concorrido, com inúmeras atividades festivas. Amanheceu um dia lindo, ensolarado, apesar do frio intenso. Os sinos da Capela Nossa Senhora Auxiliadora, anexa ao então hospital propriedade da Companhia Siderúrgica Belgo Maneira, atual hospital Dr. José Maria Morais, foram repicados. Às oito horas, o Arcebispo Dom Helvécia celebrou a Santa Missa no interior do templo, ao lado das irmãs de Nossa Senhora da Piedade, congregação que administrava a instituição hospitalar. Em seguida, às dez horas, houve a grande missa campal solene, ato oficial de instalação da Paróquia, realizada no adro da igreja matriz, ainda em construção.

Ao chegar, Dom Helvécio foi recebido por uma alegre multidão, que gritava vivas. A solenidade começou com a leitura do Ato de Ereção da Paróquia, proferida pelo arcebispo, seguida da posse dos missionários redentoristas, padre José Gonçalves da Costa (vigário) e André Van Der Arendt (auxiliar). Padre André não participou da cerimônia, uma vez que neste dia teve que assumir o trabalho missionário atendendo à população de Timóteo, onde celebrou missas e atendeu confissões. À missa, estavam presentes diversas autoridades religiosas e civis, dentre as quais o Dr. Joaquim Gomes da Silveira Neto, Superintendente da Companha Siderúrgica Belgo Mineira; Dr. Francisco Fonseca, superintendente da Companhia Aços Especiais Itabira (Acesita), atual Aperam South América, e Francisco Letro, vice-prefeito de Antônio Dias. Entre os religiosos estavam o Vigário Geral, Monsenhor Alípio Odier de Oliveira; Padre Deolindo Coelho, encarregado de organizar juridicamente a paróquia, e padre Ilídio Hemétrio, vigário de Joanésia.

Terminada a missa solene, os convidados participaram com os religiosos de um almoço na Casa de Campo. Às 17h aconteceu a solene procissão em honra à assunção de Nossa Senhora. Foi o primeiro ato dirigido pelo padre José Gonçalves, como vigário Paroquial. O cortejo foi acompanhado pelas agremiações católicas tradicionais, como as Filhas de Maria, irmandade de São Tarcísio e o Apostolado da Oração. Cada grupo portava sua bandeira e seus componentes vestiam impecáveis uniformes, enriquecidos por insígnias. A banda de música da Corporação Musical Nossa Senhora Auxiliadora foi outra atração, não só na procissão, mas em todo o dia. O cortejo terminou diante da capela do hospital, onde aconteceu a Benção do Santíssimo Sacramento, oficiada por Dom Helvécio. As solenidades foram encerradas com um jantar festivo em homenagem à paróquia, na Casa de Campo.

Antecedentes
O catolicismo fazia parte da rotina da população local desde o século XIX, quando chegaram os primeiros moradores. A assistência religiosa regular só se efetivou na década de 1920, com as visitas do padre Francisco Dias Fonseca. O religioso era vigário do Grama, atual Jaguaraçu, e comparecia ao povoado do Calado todos os meses, celebrando os ofícios religiosos e administrando os sacramentos aos moradores. A partir de então, outras ações missionárias foram implementadas até a criação da Paróquia São Sebastião, a primeira do Vale do Aço. A criação da instituição era uma antiga aspiração dos moradores. Ter uma paróquia significa poder contar com uma assistência religiosa mais sólida.

Este propósito aliou-se aos objetivos políticos, de ver consolidada a criação do município de Coronel Fabriciano, emancipado de Antônio Dias. O padre Deolindo Coelho integrava a comissão pró-emancipação e assumiu a liderança do grupo, empenhando-se em buscar os meios para consolidar o sonho dos moradores de ver coronel Fabriciano ser um município. Alguns deputados estaduais da época não estavam convencidos de votar em favor da criação da nova cidade, diziam que a localidade não teria pelo menos dois mil habitantes, população mínima exigida à época para aprovar a criação de um munícipio. Para convencê-los, o religioso foi à capital viajando uma noite inteira de trem, levando na bagagem os documentos probatórios, como os livros de registro de batizados efetivados na localidade. As crianças, somadas aos pais e padrinhos, ultrapassavam os números pedidos.

Assim, a Paróquia de São Sebastião nasceu quatro meses antes de Coronel Fabriciano emancipar-se. Após a aprovação da Assembleia Legislativa, o Governador Milton Campos consolidou o ato, sancionando por meio da lei nº 336, em 27 de dezembro de 1947. A instalação oficial do munícipio ocorreu em 1º de janeiro de 1949.

* Amir José de Melo, Museu Municipal de Coronel Fabriciano.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário