11/07/2018 09:18:00

Relembrando Silvio de Abreu

O homem que fez o Brasil parar nos capítulos finais de “A Próxima Vítima”



Há 41 anos na Rede Globo, Silvio de Abreu é um dos maiores autores da TV brasileira. Já viu o Brasil parar para assistir ao último capítulo de uma novela sua, caso de “A Próxima Vítima”, trama de 1995, ao mesmo tempo em que teve que tirar uma novela do ar antes do tempo previsto.

Apesar de ter toda essa bagagem, ele admite que não faz a menor ideia de como o público vai reagir a cada novo trabalho seu.

“A gente faz o melhor que pode e reza para dar certo, pois em uma novela tudo é importante: o autor, o diretor, os atores, a relação do ator com o personagem e uma boa escalação. Mas um elenco maravilhoso também não garante uma boa audiência”, reflete.

João Cotta/RG


Silvio de Abreu é um dos melhores autores de novelas do Brasil
Com a experiência que faz dele um veterano, Silvio explica a relação entre qualidade e sucesso na teledramaturgia.

“Há uma comunicação entre novela e público que faz com que eles aceitem ou rejeitem uma coisa independente da sua qualidade. Qualidade e sucesso não têm nada a ver uma coisa com a outra. Vemos muita coisa ruim que faz sucesso, e muita coisa boa que não faz”.

E cita algumas mudanças que observou no universo da dramaturgia. “Antes o mocinho não precisava fazer nada, só por ele ser mocinho todo mundo já gostava dele. Hoje em dia o personagem precisa ter atitude”.

E complementa: “A novela tem que ir se renovando. Esses truques de folhetim hoje em dia não funcionam mais. Quer dizer, isso é o que eu aprendi até agora. Até esse minuto”.

Silvio lembra, por exemplo, que a sua primeira novela na Globo, “Pecado Rasgado” (1978), não foi uma experiência muito bem-sucedida. E credita o fraco desempenho da novela ao seu desejo de implantar um novo gênero, a comédia, numa época em que as novelas eram quase todas dramáticas, e à maneira como o diretor interpretava o que ele escrevia.

Menos de dois anos depois ele voltou a Globo, convidado por Cassiano Gabus Mendes, e assumiu a novela “Plumas e Paetês” quando Cassiano teve um infarto. Mais de 100 capítulos já tinham sido exibidos sem que Silvio tivesse assistido a nenhum deles.

Para dar conta do desafio ele fez um mutirão: se dividiu com a mulher para, em dois dias, ler todos os capítulos da trama que já tinham ido ao ar. Foi quando Silvio começou a ter liberdade para fazer a comédia que gostaria.

Atualmente Silvio de Abreu é o diretor de Dramaturgia Diária da Rede Globo.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário