30/05/2018 10:33:00

Escolta garantirá abastecimento em todos os postos de Ipatinga a partir de hoje

Equipe do Tático Móvel do 14ºBPM garantirá escolta de caminhões-tanque até que todos os postos estejam abastecidos a partir de hoje a noite



Alex Ferreira


Alguns postos já começaram a abastecer e cargas de combustíveis escoltadas pela PMMG chegam em comboios para todos os postos a partir de hoje, afirma nota da polícia

Chegou ao fim o desespero das pessoas pelo abastecimento de seus automóveis. Por determinação do Gabinete de Crise instalado no Estado, a situação de Ipatinga será equalizada com as ações desenvolvidas na capital mineira, de forma a garantir a chegada dos carregamentos aos postos também nas cidades do interior. Ipatinga está entre elas. Com isso, desde ontem estão chegando carregamentos e não há mais necessidade de correria aos postos. Também com o fim da paralisação a expectativa é que os caminhões com combustíveis cheguem a todas as cidades.

“A 143ª Companhia Tático Móvel ficará encarregada de escoltas de combustíveis ininterruptamente até sexta-feira e, se precisar, continuará fazendo escoltas de caminhões e carretas carregadas com combustíveis”, informou nota enviada pelo gabinete.

O volume maior chegou por volta das 18h, com origem da Refinaria Gabriel Passos, localizada em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Nos dois primeiros dias (quarta-feira e quinta-feira) ficou acertado com os donos de postos a seguinte situação: “O valor máximo por cliente será de R$ 100, com o objetivo de contemplar um número maior de veículos; para garantir a segurança, o abastecimento em galões foi proibido, mesmo que estes sejam certificados pelo Inmetro; a PMMG garantirá a ordem pública antes, durante e depois de ocorrido o início da oferta de combustível”.

Gás
Na manhã desta quarta-feira (30), também foi registrado que uma distribuidora de gás, localizada no bairro Cidade Nobre, em Ipatinga, foi abastecida com botijões de gás de cozinha (13 quilos). Com isso, dezenas de pessoas formaram uma fila próxima ao local. Desde quinta-feira (24) não eram encontradas botijas disponíveis no mercado e, em Ipatinga, um revendedor informal chegou a pedir R$ 300 no gás.



Tormento para abastercer veículos deverá ter fim nesta quarta-feira, avisa a PMMG



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Anonimo

30 de Maio, 2018 | 20:48
Brasileiro tem que se lascar mesmo, e tudo querem levar vantagem, até na dificuldade de todos.Então devemos não devemos reclamar de nada do que nos próprios somos.

Fernanda

30 de Maio, 2018 | 17:50
Estou ate agora querendo saber o que a greve dos caminhoneiros trouxe de bom para qem não é caminhoneiro. Nada, absolutamente nada. Essa greve era dos caminhoneiros e só. Eu não apoiei. Tem um monte de gente qe apoiou, falando qe essa greve eh do povo brasileiro. faz uma semana que nao como verdura, frutas... ja me alimentava muita mal, por falta de dinheiro. Agora a gasolina está mais cara ainda, com certeza terá aumento também nos preços do alimento. O povo é muito imaturo na questão de lutar por melhorias. Chega a ser ridículo tudo isso.

Dexter

30 de Maio, 2018 | 15:06
Essa plebe chamada povo brasileiro, essa ralé matou o esforço dos caminhoneiros pois existe uma coisa chamada oferta e procura e a plebe rude e cheia de piolhos fez fila nos postos e até teve briga.
Cada um só olhou para seu lado: "preciso da gasolina para trabalhar; preciso da gasolina para isso e aquilo".
E por acaso os caminhoneiros estavam se divertindo dormindo nas rodovias?

Uma vez plebe sempre plebe.

Poliane

30 de Maio, 2018 | 14:29
O povo brasileiro nao toma jeito o que adiantou os caminhoneiros fazerem isso e povo corrrer atras que nem urubu na carniça e abastecer com qualquer valor que for colocado.Obvio que tem exeçoes mas poxa. O povo e muito burro.

Professor Claudio Lopes

30 de Maio, 2018 | 14:23
Considerando a importante contribuição do comentário anônimo,exposto pelo "aluno do ensino médio", acerca do comentário realizado pelo identificado professor Cláudio Lopes, importa ressaltar que:
É fato que o mundo viveu uma crise de abastecimento de petróleo nos anos 70 e 80. Assim como é fato histórico que o então Governo Militar foi ineficiente nas medidas de restrição ao consumo ou ampliação na demanda, como foi noticiado largamente nos jornais nacionais durante a crise de abastecimento que assolou o país, sobretudo após 1973. Após as inúmeras crises, somente em 19 de janeiro de 1977, o presidente Ernesto Geisel, emitiu decreto proibindo o funcionamento dos postos de combustíveis no período noturno. Ou seja, esperou-se estabelecer o caos. Por consequência, iniciou-se uma forte crise de abastecimento de alimentos e a elevação dos preços, resultando na onda hiperinflacionária. A incapacidade gestora do então governo militar Geisel, em lidar com os problemas econômicos e sociais do Brasil precipitou a abertura política e o caminho para a redemocratização.Quanto ao PROALCOOL, somente em 1979 é que o Brasil ofertou o Etanol em parcos 16 postos de combustível em todo o país, logo o impacto deste projeto só foi sentido na Matriz brasileira 10 anos depois, já com a democratização. No que concerne às greves, bom; quem é doido de emitir opinião contra espadas, tiros e bombas. O MASSACRE DE IPATINGA CONSTITUI-SE EM DESONESTIDADE INTELECTUAL.

Lerildo Jadir Ribeiro

30 de Maio, 2018 | 14:00

povo brasileiro é um povo safado e medroso os caras lá na beira da estrada se f. e o povo besta se gladiando em troca de migalhas de combustível .ditadura é o que vivemos hoje o governo nos impõe taxas, multas no valor que quiser e não temos defesa, aumentam seus salários sem saber se o povo ta de acordo, o povo só presta nas eleições obrigatóriAS
ISSO SIM É UMA DITADURA. TEMOS QUE VER ACEITAR E CALAR.

João

30 de Maio, 2018 | 13:49
Boa iniciativa
Muitas pessoas estão paradas do trabalho por falta de combustível.

João

30 de Maio, 2018 | 13:48
Boa iniciativa
Muitas pessoas estão paradas do trabalho por falta de combustível.

João Paulo

30 de Maio, 2018 | 13:29
Uma solução pro governo é,abaixa o Diesel pra menos de 3 reais como querem os caminhoneiros,e aumenta a gasolina pra 8 reais,o povo brasileiro merece

Cidadão

30 de Maio, 2018 | 13:05
O povo esquece de tudo, menos traição, não podem, nem tem o direito de reclamar se quer, do governo que tem,por uns litros de combustível e umas horinhas de descontração na fila de um posto,esquecem de tudo.Sabe quando o Brasil vai mudar? Nunca.ser brasileiro é motivo de vergonha,coitado desta classe que tentou despertar o povo para uma realidade nua e crua.

Aluno do Ensino Médio

30 de Maio, 2018 | 13:00
Senhor Professor Claudio Lopes, por favor, não haja com desonestidade intelectual. Todos nós sabemos que a falta de combustível naquele período foi por conta de uma crise internacional, que nada tinha a ver com o governo brasileiro ou por conta de greve, como está ocorrendo agora. E o governo militar que o senhor está reclamando trabalhou arduamente para não deixar o país nesta crise do petróleo, instituindo, como o senhor sabe muito bem, o programa nacional PROALCOOL. Quem dera se nosso país pudesse ser agraciado novamente com aquele Governo! Não haviam greves porque nem mesmo era necessário, tínhamos segurança pública, educação de qualidade (o senhor sabe que o Governo, com o MOBRAL, investiu tanto dinheiro que não estava conseguindo mais bancá-lo, tamanho altíssimo investimento), combustível puro e de preço bom, e, além disso, quando o senhor sai para comprar frutas, verduras e hortaliças, lembre-se que é por conta do programa de slogan "Plante que o João [Figueiredo] garante" de incentivo à da agricultura que o Brasil modernizou a nossa agricultura, e este programa é o grande responsável pelo Brasil, atualmente, ser um dos maiores e melhores exportadores agrícolas do mundo. O preço do feijão, do arroz e de outros alimentos básicos, baixou consideravelmente. Antes, estes eram considerados muito caros para a população mais pobre. Seja mais franco em suas opiniões. Lembre-se que o senhor é um professor. Obrigado.

Anny Quintão

30 de Maio, 2018 | 12:24
Como assim não posso utilizar galões? Quem vai me garantir que estarei abastecendo com gasolina pura e não água com gasolina?!?!
Isso e um absurdo!!!

Professor Claudio Lopes

30 de Maio, 2018 | 10:39
Hoje saí para resolver alguns problemas caseiros já que a escola está parada devido a greve dos caminhoneiros e o desabastecimento de gasolina, gás, dentre outros produtos. Ao deparar com uma enorme fila de carros, com os seus motoristas pacientes à espera do líquido sagrado, não deu outra, retirei do console o celular e, pronto, registrei a imagem. Enquanto fotografava, meus pensamento divagaram pelos idos de 70 a 80 do milênio anterior. Dito assim, até parece que sou milenar, mas vamos lá! Era o auge do governo militar e os postos de combustíveis amargavam a ausência da gasolina e do álcool tanto como hoje. Era uma greve? Não! Naquele tempo greves erram rechaçadas com tiros e golpes de baionetas, basta lembrar o massacre de Ipatinga. Se fosse assim; coitado dos GUERREIROS CAMINHONEIROS, seriam taxados de comunistas, subversivos e amargariam a prisão, ou...a morte. Mas os tempos são outros, hoje eles podem fecharem estradas e representarem a vontade de mudança do povo brasileiro sem medo de torturas ou prisões, e ainda tem anencefalianos que se infiltram no justo movimento e pedem INTERVENÇÃO MILITAR, JÁ!
Envie o seu Comentário