16/05/2018 17:42:00

Obras de pavimentação da MG-760 estão paralisadas

Essa interrupção dos serviços se deve à ausência do pagamento relativo ao mês de março, por parte do governo do estado à empresa



Enviada por leitor


A obra, de 57 quilômetros de extensão, tem orçamento de R$ 110.930.599,83, conforme uma placa afixada em Cava Grande
A pavimentação da MG-760 entre Marliéria e São José do Goiabal (BR-262), uma obra esperada há décadas pelos moradores do Vale do Aço pode atrasar mais ainda após a paralisação dos serviços pela Tamasa, empresa responsável pela obra. Essa interrupção dos serviços se deve à ausência do pagamento relativo ao mês de março, por parte do governo do estado à empresa.

A paralisação, deflagrada na segunda-feira (14), foi confirmada pela assessoria de Comunicação do Departamento de Edificações e Estradas e Rodagens de Minas Gerais (DEER-MG), mas não souberam informar a data de retorno dos serviços. “Já foi alcançado 8,17 quilômetros de pavimentação da MG-760; 8,3 quilômetros de terraplanagem e 13,3 quilômetros de drenagem”, detalhou o DEER.

O leitor do Diário do Aço José Carlos Mateus que acompanha as obras de pavimentação da MG-760 entrou em contato por telefone afirmando que desde janeiro mais de 50% dos trabalhadores envolvidos na pavimentação já foram dispensados. “Além disso, tem até alguns funcionários com o salário atrasado. Como já atuei em casos como esses, na época que eu era sindicalista, muitos trabalhadores me procuraram para saber o que devem fazer e me contaram o que está acontecendo na MG-760”, explica.

De acordo com José Carlos, como a obra conta com poucos trabalhadores para efetuar o serviço e ainda está com o cronograma atrasado, a pavimentação pode demorar mais do que o previsto pelo governo. “Se for analisar, eles estão dentro do cronograma do ano passado, ou seja, estão concluindo serviços que eram para ter sido entregues em 2017. Posso dizer que a obra está na velocidade de uma tartaruga”, critica.

Entenda
A pavimentação da MG-760 entre Marliéria e São José do Goiabal (BR-262) visa facilitar o acesso da população do Vale do Aço à Zona da Mata mineira. Depois de aproximadamente quatro anos parada à espera de adequações ambientais, em outubro do ano passado, o asfalto começou a aparecer nos primeiros metros da MG-760, perto de Cava Grande e hoje já se estende até Santo Antônio da Mata. A pavimentação foi iniciada nas proximidades do canteiro de obras da empresa Tamasa (vencedora da licitação) a 600 metros do distrito de Cava Grande, em Marliéria.

A obra, de 57 quilômetros de extensão, tem orçamento de R$ 110.930.599,83, conforme uma placa afixada em Cava Grande, custeada com recursos estaduais. A previsão de entrega da obra é no fim de 2019.

No começo do ano uma fonte alertou que os recursos já liberados, de pouco mais de R$ 20 milhões, seriam suficientes apenas para os 9 quilômetros que, de fato, foram pavimentados.

A sequência da obra agora dependeria da liberação de novos aportes orçamentários, ao que o governo garantiu que seria feito, pois "o governo não iniciaria a obra se não tivesse recursos para tocá-la até o fim", respondeu a assessoria do governo em nota enviada ao Diário do Aço.

A pavimentação da MG-760 entre Marliéria e São José do Goiabal (BR-262) é uma obra esperada há mais de 30 anos pela população do Vale do Aço, para facilitar o acesso à Zona da Mata mineira.

Surpresa

O deputado estadual José Célio Alvarenga, o Celinho do Sinttrocel (PCdoB) informou que a paralisação, por motivo de falta de pagamento da medição relativa ao mês de março, “pegou todo mundo de surpresa”.

“Em diversos contatos que mantive com os secretários e com o próprio governador (Fernando Pimentel – PT), todos foram unânimes em afirmar que fariam de tudo para que as obras não fossem interrompidas. Sei das dificuldades do governo, e sou parceiro na busca de soluções, mas esta é uma obra prioritária e faremos de tudo para que ela retorne ao ritmo normal o mais rápido possível”, comentou Celinho.
MAIS FOTOS
Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Vereadorcavagrande

17 de Maio, 2018 | 12:27
Prefeito de Marliéria a maior interessada no asfalto, é totalmente omisso na situação, não fala nada, não se posiciona. Alias nem sei se ele existe....

Éder

17 de Maio, 2018 | 12:26
CADE A ROSÂNGELA REIS , CELIM E COMPANHIA LTDA PARA RESOLVER ISSO

Bill

17 de Maio, 2018 | 12:18
Essa obra é de fundamental importância para o Vale do Aço e para a Zona da Mata. Minha sugestão é o movimento procurar os deputados federais da Zona da Mata (Margarida Salomao, Marcus Pestana, Júlio Delgado, Varella de Muriae, Heringer de Manhuacu) e pedir emendas parlamentares para não deixar a obra parar. Essa obra é importante para desviar o tráfego da já saturada BR381.

Movimento Mg-760 Asfalta Já

17 de Maio, 2018 | 09:49
O atraso de pagamento tem sido constante. O governo Pimentel está atrasado com a empresa em todas as obras que ela vem tocando no estado. No tocante a MG-760, conseguimos uma informação de que o atraso é de três meses com a empresa. O Movimento fará nesta sexta-feira (18) uma reunião de avaliação da situação para indicar uma reação no nível que o assunto merece, uma vez que a obra está com o ritmo lento desde o final do ano passado.

José Carlos Oliveira

17 de Maio, 2018 | 09:03
Italo, esse Pimentel é um péssimo governador, mas preciso te lembrar que foi justamente no governo anterior, do PSDB, que essa obra foi anunciada, iniciada e ficou parada por vários anos com a desculpa de falta de licenciamentos.

Itallo

17 de Maio, 2018 | 08:57
se Pimentel tivesse vergonha na cara, isso não estaria acontecendo! Estamos perdidos. Pobres Mineiros!

Chato

17 de Maio, 2018 | 07:56
Dizem que a BR 381 vai ser inaugurada primeiro do que essa aí.

Eleitor Olho Vivo

17 de Maio, 2018 | 06:48
O deputado deve esta muito preocupado mesmo, porque se ele tirar a boca da teta, dificilmente colocara-la de novo. E adeus auxilio moradia. Mas, recebera uma aposentadoria proporcional pelos seus longos oito anos de servicos prestados.

Gilberto dos Reis Vidal

16 de Maio, 2018 | 20:44
" E O SACI PERERE CONTINUA PROCURANDO A PERNA DIREITA DELE, QUANDO ELE ENCONTRAR , A OBRA FICA PRONTA... OBRA PUBLICA , COM POLITICOS ENVOLVIDOS , E ACREDITAR EM PAPAI NOEL , DURMAM COM ESTE BARULHO...."

Cidadão

16 de Maio, 2018 | 17:59
O socialismo nunca deu certo e nem dará. Para que a sociedade possa usufruir de algum tipo de serviço que hoje é público, seria necessário menorizar o estado e aumentar a participação da iniciativa privada, repassando serviços públicos para a mesma e é lógico, reduzindo a carga tributária. Todo o setor público está em decadência. "políticos" usam argumentos de que o sistema atual inclui pessoas marginalizadas socialmente, e o que é pior; tal argumento caba as vezes convencendo os mais humildes...

Edmilson R.

16 de Maio, 2018 | 17:56
VERGONHA!!!

Vereadorcavagrande

16 de Maio, 2018 | 17:51
Eu disse!!! achei que chegava no parque! mas nem isso! DEPUTADA FAZENDO CAMPANHA, FUROU!
Envie o seu Comentário