16/04/2018 16:20:00

Polícias procuram PM que matou ex e sequestrou filha em Minas

O policial militar matou a ex-companheira e fugiu sequestrando a filha de 4 anos na noite do último sábado, em Santos Dumont



Reprodução: Facebook


O PM aitrou na ex-companheira na noite de sábado
As polícias Militar e Civil fazem diligências, nesta segunda-feira (16), para tentar encontrar o policial militar matou a ex-companheira e fugiu sequestrando a filha de 4 anos na noite do último sábado (14) em Santos Dumont, na Zona da Mata. Segundo a Polícia Civil uma força-tarefa foi montada para tentar prendê-lo.

O caso

De acordo com a PM, Gilberto Novaes, de 35 anos, chegou armado na casa da vítima, Sthefania Ferreira, de 29, e disparou várias vezes contra ela. Logo depois, pegou a criança e saiu em um Pálio de cor cinza. Ele estava afastado de suas funções há cerca de três meses por conta de problemas psicológicos.

De acordo com o boletim de ocorrência, Sthefania estava em casa, no Bairro Córrego de Ouro, com o namorado quando o militar chegou. O casal havia pedido comida e, quando o motoboy chegou para fazer a entrega, o namorado da vítima desceu. Ele contou à polícia que nesse momento Gilberto aproveitou a ocasião e saiu do carro com a arma da mão.

O namorado da vítima tentou impedir, mas o militar afastado subiu as escadas da casa, encontrou Sthefania e disparou várias vezes. O namorado contou à polícia que se escondeu atrás de um poste ao ouvir os disparos.

Uma vizinha, de 56 anos, também ouviu os tiros e foi até o local. Ela contou que viu o momento em que Gilberto fugiu levando a criança no colo. Segundo ela, todos na região sabiam das ameaças que o policial vinha fazendo à vítima.

A vizinha e o namorado subiram as escadas e encontraram Sthefania agonizando na sala. Eles tentaram chamar o Serviço de Atendimento Móvel (Samu), mas quando os socorristas chegaram a mulher já estava morta. A polícia também esteve no local e recolheu o celular da vítima, que será usado na investigação do caso.

O militar é lotado no 29º BPM, em Poços de Caldas, mas trabalhava na cidade vizinha de Campestre. A polícia fez contato com a Polícia Rodoviária Federal, postos de pedágio e batalhões das cidades de Barbacena e Juiz de Fora em busca do foragido.

Carro emprestado

O Pálio de cor cinza usado no crime não era de Gilberto. De acordo com a PM, o militar afastado pediu o veículo emprestado a um amigo, dizendo que iria encontrar com a namorada. Ele contou aos policiais que estanhou o pedido, já que Gilberto tem um Honda City preto que foi deixado em contrapartida na casa do amigo.

(Com informações: O Tempo)


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário