11/04/2018 16:50:00

Passagens aéreas do Vale do Aço são as mais caras de Minas Gerais

Passagens aéreas do Vale do Aço são as mais caras de Minas Gerais, segundo a Anac



Alex Ferreira / Arquivo DA


Uma única companhia oferece voos diários do aeroporto regional em Santana do Paraíso para Confins, na Grande BH


Celso Martins

O valor médio das passagens aéreas da Azul no Vale do Aço custou em janeiro deste ano R$ 562,65. É o maior valor entre 11 cidades pesquisadas pelo blog Tudo Viagem, parceiro exclusivo do Diário do Aço. O valor cobrado pela Azul no Vale do Aço é mais que o dobro do valor cobrado dos passageiros de Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas Gerais, onde a tarifa média no mesmo período custou R$ 252,60. Os dados são da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac).

Tanto no aeroporto de Divinópolis quanto no Aeroporto Regional do Vale do Aço, em Santana do Paraíso, a Azul é a única companhia que oferece voos comerciais com aeronaves de 70 passageiros. A cidade de Uberlândia tem a segunda tarifa mais cara (R$ 542,76) mesmo tendo ofertas de voos das companhias Azul, Gol e Latam (novo nome da TAM). Governador Valadares vem em terceiro com o valor médio de R$ 520.

Em janeiro de 2017 o preço médio das passagens do Vale do Aço era de R$ 487,78 e neste ano passou para R$ 562,65, um aumento de 15,3%. Uma das formas de reduzir esses preços é concorrência entre as companhias aéreas, mas para que isso ocorra, com a entrada da Latam e Gol no Vale do Aço, é preciso investimentos na infraestrutura de atendimento de passageiros, bagagens e cargas no Aeroporto de Santana do Paraíso.

O valor médio das passagens aéreas faz parte dos Indicadores do Mercado de Transporte Aéreo criado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Essa ferramenta pode ser acessada online por qualquer pessoa. Segundo o site, o valor médio pago por passagens aéreas no Brasil, em janeiro de 2018, foi de R$ 369,66.

Questionada sobre o assunto, a Azul respondeu que, “em relação à política tarifária, a Azul esclarece que os preços praticados para as vendas de passagens variam de acordo com alguns fatores importantes como trecho, sazonalidade, compra antecipada, combustível (preço do petróleo), disponibilidade de assentos, entre outros”.

Além dos passageiros do Vale do Aço, em outros seis aeroportos mineiros o valor médio das passagens foi maior que a média nacional. O cálculo da tarifa média é feito de acordo com o valor pago por todas as pessoas que viajaram de avião em janeiro de 2018. O estudo leva em conta os preços das promoções e também dos preços considerados absurdos pelas companhias para as viagens de última hora.

Como economizar

Uma das formas de economizar na compra das passagens aéreas é fazer a compra dos bilhetes com pelo menos 30 dias antes da viagem. Além disso, alguns sites, entre eles o da MaxMilhas, emite passagens aéreas com até 50% de desconto. Isso porque as passagens são emitidas com milhas que estão sendo vendidas no mercado. No link, mais abaixo, você pode fazer a sua cotação e garantir economia.

VALOR MÉDIO DAS PASSAGENS AÉREAS EM MINAS GERAIS

Santana do Paraíso: R$ 562,65
Uberlândia: R$ 542,76
Governador Valadares: R$ 520,00
Montes Claros: R$ 459,35
Araxá: R$ 438,00
Juiz de Fora (Goianá): R$ 421,72
Varginha: R$ 384,29
Uberaba: R$ 352,21
Confins: R$ 314,04
Belo Horizonte (Pampulha): R$ 278.10
Divinópolis: R$ 252,60

Brasil: R$ 369,66

Faça aqui sua cotação e garanta economia na aquisição de passagens aéreas


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Ricardo Ottoni

16 de Abril, 2018 | 17:11
A região metropolitana do Vale do Aço tem uma população de cerca de 700.000 mil habitantes, economia pujante e muito dinheiro circulante. Para que nós não tenhamos que nos deslocar até BH e depois até Confins, temos dois meios: ou pagamos as altas tarifas da exclusiva AZUL ou cerca de 5 horas de viagem cansativa até Confins. Já passou da hora da USIMINAS (dona do aeroporto) expandir a pista de pouso, retirar aquele morro com eucaliptos bem altos entre o CERESP e o início da pista e ampliar a sala de embarque. Assim, poderemos trazer a GOL e LATAM para oferecer mais horários e preços competitivos. Demanda tem, e muita!!

Rony Melo

14 de Abril, 2018 | 22:54
Como que pode fazem os voos mais longo fica mais barato que sair de Ipatinga a BH.Pq a azul não colabora com os clientes são apenas 30 minutos de voos se a passagem tivesse um preço acessível a todos poderia ter certeza teria mais lucro voos.

Marcos

12 de Abril, 2018 | 15:47
Descaso sócio-político total com o vale do aço; sem saída terrestre, sem saída aérea, sem nada... Mas se serve de consolo temos um pré candidato a Presidência da República com chapéu e tudo kkkkkkk

Marcelo Oliveira

11 de Abril, 2018 | 18:45
Isso significa monopólio acordado com autoridades politicas/empresarial, se não tem concorrente o preço sempre é abusivo, simples assim!
Envie o seu Comentário