26/03/2018 18:00:00

Funcionário da Telemont morre ao encostar em fio de alta tensão

O trabalhador fazia instalação de uma linha telefônica quando encostou em um fio de alta tensão



Arquivo pessoal/ divulgação


O acidente ocorreu na rua Taunay, no bairro Ideal
Vítima de um acidente de trabalho, Fanuel Marques de Oliveira, de 20 anos, funcionário da Telemont, morreu na manhã desta segunda-feira (26), na rua Taunay, no bairro Ideal, em Ipatinga. Ele fazia instalação de uma linha telefônica quando encostou em um fio de alta tensão. O trabalhador foi socorrido e chegou a ser levado para o Hospital Municipal Elaine Martins, no bairro Cidade Nobre, porém, não resistiu aos ferimentos e foi a óbito.

Os trabalhadores da Telemont, empresa que presta serviço para operadora Oi, se reuniram em frente ao Hospital Municipal para protestar contra a morte de Fanuel e as condições de trabalho impostas pela empresa.
Em entrevista ao Diário do Aço, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores em Telecomunicações (Sinttel), Joas Henrique Alves Ferreira, explicou que Fanuel foi executar um trabalho na rua Taunay, mas depois de um tempo, os vizinhos relataram que escutaram um barulho e quando chegaram ao local, Fanuel já estava no chão caído e gritava de dor. “Para ter acontecido isso, ele encostou em um fio de alta tensão durante o serviço. O motivo exato não sabemos, mas sabemos que foi causado por excesso de jornada de trabalho”, aponta.

Segundo o coordenador regional do Sinttel, Bruno Silva de Carvalho, o sindicato tem recebido muitas reclamações dos trabalhadores sobre as condições de serviço oferecidas pela Telemont. Muitos criticam a intensa carga de trabalho, não respeitando o sétimo dia de folga. “Isso tem atrapalhado em diversas coisas, como questão familiar e saúde mental, além de contribuir para possíveis fatalidades, como aconteceu nesta segunda-feira (26). Segundo relatos, Fanuel trabalhava há três fins de semana seguidos, o que prejudica a atenção e cuidado na hora do serviço”, lamenta.

Mediação

Bruno Silva ainda acrescenta que no dia 4 de abril, às 15h30, haverá uma reunião de mediação entre o Sinttel e os representantes do Telemont para discutir o descumprimento da Legislação Trabalhista.

Em um informativo do Sinttel, publicado na semana passada, a entidade já chamava a atenção sobre as condições de trabalho ao qual os empregados da Telemont estavam sujeitos. “O Sinttel relembra que a empresa deve destinar aos trabalhadores ao menos um fim de semana por mês, e orienta que, forçar alguém a trabalhar além da escala que foi firmada, ou mesmo, fazer horas extras, é coação, e coação pode resultar em dano moral, além de a empresa ter de pagar em dobro o dia em que o trabalhador atuar em sua folga”, afirma o boletim.

O Diário do Aço buscou uma resposta junto à Telemont, prestadora de serviços de telefonia para a Oi, mas não obteve nenhuma resposta. A empresa possui uma unidade de serviços em Ipatinga, mas a sede fica em Belo Horizonte, onde nenhuma das ligações telefônicas foi atendida na tarde desta segunda-feira.
MAIS FOTOS
Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Sorriso®®®

20 de Abril, 2018 | 11:45
Vamo todo mundo pedir conta e acabar com essa empresa.....kkkkkkkkk kero ver se vai ter macho assim. sinto muito pela familia, mas acidentes infelizmente acontecem.
Com o país do jeito que ta uma mer... todo mundo precisa trabalhar e todo mundo tem informação suficiente para saber seus direitos. se a empresa é uma mer... saia dela e pare de reclamar. kero ver ficar sem emprego.

Amaral

29 de Março, 2018 | 23:17
Meus pêsames a Família do nosso companheiro, sou técnico também e sei como é o dia dia na rua, infelizmente estamos cercados de riscos e quase sempre estamos apenas na companhia de DEUS, possamos lembrar dos nossos pais, mães, filhos e família, que estão a nos esperar todos os dias, quando deixamos nossos lares, e lembrar que o trabalho é muito importante, mas a VIDA vale muito mais, e aqueles que te esperam te querem Bem. Que DEUS nos proteja.

Roger

29 de Março, 2018 | 08:56
Só posso dizer que o maior prejudicado, foi o rapaz onde teve sua vida interrompida tão cedo e seus familiares! Eu sou funcionario da Telemont, prestador da empresa oi, só sei que perante a papelada eles querem mostrar que fazem tudo certo, mas na pratica o que temos hoje é uma total falta de respeito com seus colaboradores e vejo uma escravidão legalizada! Nos trabalhadores precisamos ter mais união e pensar que um dia pode ser um de nós! Eu mesmo vou sair da firma! Amo meu trabalho, mas a forma como sou cobrado é desumana, já passei por algumas situações que me fizeram chorar, me fizeram perder a razão e teve ocasião onde por muitas vezes tive minha vida por um fio!

e só pra lembrar pessoal, pelo que vi aqui no pouco que li, tem funcionarios deixando comentarios como se fossem possoas comum! cabe nos perguntar, sera que é algum supervisor, ou tec de segurança ou um gerente ou diretor

Márcio

28 de Março, 2018 | 21:28
Gente,não sejamos hipócritas,quem trabalha nessa área sabe dos riscos e todos nós recebemos treinamento.
Se algo acontece com a gente é pq não fizemos o que a segurança no exige que é fazer a análise preliminar de riscos ou não usamos todos os EPI's(não estou dizendo que foi o caso do Fanuel)
Queremos sempre adiantar nosso serviço.
Sinto muito mesmo pela vida que foi ceifada precocemente do nosso amigo Fanuel.
Que Deus possa confortar a família dele .

Arauto Castro

28 de Março, 2018 | 20:36
Sinttelmg pergunta porque depois de 2 acidentes fatais ES e MG o gerente e coordenador do SESMT ainda continua fazendo a mesma coisa. Porque não são engenheiros elétricos , não sabem que trabalhar em zona controlado também tem os mesmos riscos que na zona de risco. Engenheiro de alimentação e produção vai saber o que de segurança em Eletricidade.

Arauto Castro

28 de Março, 2018 | 20:18
Se a telemont fosse uma empresa séria como outras empresas já tinham mandado embora o gerente e o coordenador deste SESMT que não tem capacitacao técnica para analisar e apoiar o funcionário. Engenheiros de seguranca com especialização em alimentos , produção ou ambiental não serve para trabalhar em empresa de telecomunicação e energia . Ficam omissos junto com o gerente, coordenador e diretor . Rua para eles..

Sabonete

28 de Março, 2018 | 08:57
Erlan ou Erlandia da Conceição ...sei lá....Então o SINTTEL sabe de tudo que acontece com os trabalhadores de telecomonicações !!....E daí...??? Que providências foram tomadas..???...Você mesmo disse que um caso parecido ocorreu na cidade de Viana/ES com um técnico da TELEMONT .....Então meu amigo ou minha amiga, isso não era para acontecer aqui na cidade de Ipatinga/MG...sinal que vocês do sindicato tem simplesmente uma TETA boa para ficar mamando....

William

27 de Março, 2018 | 22:27
Infelizmente isso acontece em todas as operadoras, falta de EPI, falta de treinamento e outras coisas mais. Não tem nem técnico de segurança do trabalho

Marco Aurélio

27 de Março, 2018 | 20:02
Quando as coisas estão dando errado, maus gestores estão longe e dificilmente não serão encontrados.Quando as coisas estão dando errado, eles desaparecem. Ou simplesmente jogam a responsabilidade em cima dos subordinados.
O patrão, empresário, gerente ou administrador que está rodeado de "puxa-saco", demonstra insegurança na sua própria capacidade. Aqueles colaboradores que ele favorece, muitas vezes são pessoas que raramente discordam e nunca desafiam as opiniões do chefe. Reflita nessa frase: quando o chefe está sempre certo, algo está definitivamente errado; a conclusão que chego, é que sem mudança nesta empresa poderemos ter mais tragédias, Deus conforte o coração da família deste rapaz que foi mais uma vítima de de uma empresa que tudo pode.

Deborah Santos

27 de Março, 2018 | 18:00
Deveriam aproveitar e fechar as portas dessa OI e levar a Telemont junto. Serviço péssimo, atendimento precário e arcaico. Não é a toa que outras ganham tanto espaço. Torço sinceramente para que fechem as portas

Lucia Paiva

27 de Março, 2018 | 17:57
A OI e a Telemont com seus péssimos serviços!

Erlam da Conceição

27 de Março, 2018 | 16:58
Sabonete e Adauton. Quando o Sindicato vai para a porta da empresa e fala com os trabalhadores sobre os problemas com a segurança, pra não trabalhar em dias de chuva; sobre a coação/pressão pela produtividade; o controle da jornada que só existe para a empresa; mas o peão tem que ficar no campo se matando para entregar o serviço; a escala desumana que impede o convívio com a família, os baixos salários, etc, etc, tem alguns trabalhadores que nem escutam. Pra vocês, o Sindicato não presta, e ficam repetindo o discurso dos supervisores da Telemont, nos pontos de encontro. Pois saibam que aqui no ES tivemos uma morte parecida, Odlanier, técnico da TELEMONT com 19 anos, recém-casado e uma filhinha. Morreu eletrocutado ao fazer um reparo numa linha rural, em Viana, no ES. Chovia e ele estava sozinho. O fiscal de rede da Oi, Sirley Crezenili Dias, estava no local, fiscalizando seu trabalho. veja a materia que está no site do Sinttel-ES http://sinttel-es.org.br/novo/noticia/descarga-eletrica-mata-tecnico-da-telemont/

Erlândia da Conceição

27 de Março, 2018 | 15:22
Sabonete e Adauton. Quando o Sindicato vai para a porta da empresa e fala com os trabalhadores sobre os problemas com a segurança, pra não trabalhar em dias de chuva; sobre a coação/pressão pela produtividade; o controle da jornada que só existe para a empresa; mas o peão tem que ficar no campo se matando para entregar o serviço; a escala desumana que impede o convívio com a família, os baixos salários, etc, etc, tem alguns trabalhadores que nem escutam. Pra vocês, o Sindicato não presta, e ficam repetindo o discurso dos supervisores da Telemont, nos pontos de encontro. Pois saibam que aqui no ES tivemos uma morte parecida, Odlanier, técnico da TELEMONT com 19 anos, recém-casado e uma filhinha. Morreu eletrocutado ao fazer um reparo numa linha rural, em Viana, no ES. Chovia e ele estava sozinho. O fiscal de rede da Oi, Sirley Crezenili Dias, estava no local, fiscalizando seu trabalho. veja a materia que está no site do Sinttel-ES http://sinttel-es.org.br/novo/noticia/descarga-eletrica-mata-tecnico-da-telemont/

Sabonete

27 de Março, 2018 | 14:11
AGORA SIM O SINDICATO DA AS CARAS.....SINDICATO SÓ EXISTE PARA LUCRAR COM O DINHEIRO DO TRABALHADOR....SINDICATO E MERDA PRA MIM É TUDO IGUAL....GRAÇAS A DEUS QUE HOUVE A REFORMA TRABALHISTA ONDE EU NÃO PRECISO PAGAR MAIS UM DIA DO MEU TRABALHO NO MÊS DE MARÇO TODO ANO PARA SUSTENTAR ESSES PILANTRAS, SALAFRÁRIOS, VAGABUNDO....

Vicente

27 de Março, 2018 | 12:21
Se o consumidor parar de consumir os serviços desses tipos de empresas, e, procurar empresas responsáveis mais compromissadas com coletividade, as coisas começarão a mudar.

Gilmar Gualberto

27 de Março, 2018 | 01:18
Fanuel! Recolhido pelo Senhor e dxou sua esposa Débora dps de 5 meses de casados. Jovem compromissado c a Obra do Senhor e dxou seu bom testemunho. Está sendo velado na IGREJA CRISTÃ MARANATA na avenida Selim J Salles no Canaã. Enterro serà amanhã às 11:30. Está na Glória c o Pai o nosso Fanuel.

Eliza Leão

27 de Março, 2018 | 00:43
Foi uma tragédia. Porém a família precisa meter o ferro na telemont. Dia 21/03 semana passada esse funcionário fez uma instalação pra mim . Uma instalação que durou das 09:00 as 13:30. Uma demora pq a empresa não dá condições do trabalhador fazer o seu trabalho. Ainda durante a instalação a Telemont ligou no meu celular pra ter certeza se o Fanuel estava de fato fazendo a instalação pq ele tava demorando muito. Estou me sentindo muito chateada com essa empresa que do quer ganhar dinheiro.

Adauton

26 de Março, 2018 | 21:44
Serviço na área de telecomunicações muito desvalorizado, esse sindicato ai nunca serviu para nada, todas empresas de telefonia trabalha no mesmo regime da telemont, infelizmente, trabalha muito e mão de obra barato, benefícios como plano de saúde e alimentação da até dó, resumindo com sindicato ou sem tudo se resume na mesma, trabalho escravo.

Maria das Graças Alves

26 de Março, 2018 | 18:45
Tragédia um moço tão jovem,,um garoto ainda....O pior cego é aquele que não quer ver,,
infelizmente foi se o tempo em que as empresas tinham algum respeito pelo pião..o negocio dessas é só lucro..lucro e lucro..no vale do aço isso é bem com principalmente nas grandes empresas..
Envie o seu Comentário