08/02/2018 07:23:00

Menino de 9 anos morre ao cair em cisterna no bairro Pedreira em Fabriciano

Pedro Lucas brincava com colegas quando despencou no poço, resgate dos bombeiros durou quase três horas



Uma família na rua Bartira, no bairro Pedreira, em Coronel Fabriciano, foi atingida por uma tragédia na noite desta quarta-feira (7).

Um menino de nove anos de idade morreu ao cair em uma cisterna. A vítima brincava com outras crianças quando aconteceu o acidente, que vitimou o estudante Pedro Lucas.
Reprodução Facebook


Pedro, 9 anos, brincava com colegas quando despencou no poço, resgate dos bombeiros durou quase três horas


O Portal Diário do Aço apurou junto ao Corpo de Bombeiros de Coronel Fabriciano que o acidente aconteceu por volta das 19h45. Pedro e outras crianças estavam brincando de “pique”, quando ele ao passar pela cisterna, caiu no poço que tem uma profundidade de quase dez metros.

A criança acabou morrendo afogada, pois o poço estava com cerca de três metros de água, segundo as estimativas dos bombeiros. Para resgatar o corpo de Pedro Lucas, os militares trabalharam por quase três horas. Havia risco de desabamento. “Não havia também como estabilizar o tripé para o militar descer até o fundo da cisterna”, disse o soldado Max ao Portal Diário do Aço.

Após os trabalhos do perito Gilmar Miranda, o corpo da criança foi encaminhado para o Instituto Médico-Legal (IML) de Ipatinga. Amigos que conhecem a família de Pedro Lucas informaram que a mãe dele está grávida. Os militares dos bombeiros não souberam informar se a cisterna estava com uma tampa de concreto ou apenas com uma telha.

Mais:
Ciúme fatal no bairro Gávea, em Coronel Fabriciano. Jovem de 20 anos mata o ex-namorado da mulher


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Marcos Guimarães

09 de Fevereiro, 2018 | 22:58
Não sei como lhes dizer, se era meu sobrinho? ou Pedro é meu sobrinho. Fato é que a ficha não caiu! Outro dia destes, estavam ele, a irmã Duda, juntos com meu filho adolescente, brincando no quintal aqui de casa. Eu que sempre escrevo meus comentários sobre as matérias do D. A , agora me enquadro como elemento de uma fatalidade que vêm para todos, a morte. Estive no velório para falar com o pai, o Elielson, mas falar o quê? Meu Deus! que nome leva o pai que perde o filho? Em 2016, eu perdi um filho, e ele estava lá para me consolar, menos de dois anos depois, nossa família perde mais um de nossos meninos. As pessoas dizem que é a vontade de Deus. Será mesmo? Não sei como Deus poderia ter prazer em ver lágrimas e dor no coração dos tantos pais que perdem filhos todos os dias. Deixo um apelo. Procurem saber onde vossos filhos andam. Onde brincam. Não ignorem os riscos. O vazio desta perda, ainda que tenhamos outros dez filhos, aquele que perdemos, sempre fará falta. Vai com Deus Pedrinho! Dê um abraço no Rafinha, cuida dele! A gente vai se preparar por aqui, para se encontrar no céu um dia.

Samuel Fernandes

08 de Fevereiro, 2018 | 18:53
EU O CONHECI,JOGAVA BOLA COM OS MEUS SOBRINHOS NO CAMPINHO DA PEDREIRA,EU JA BRINQUEI DE BOLA JUNTO COM ELES ,ERA UMA CRIANÇA EXTREMAMENTE EDUCADA, LAMENTO A MORTE DESSE GAROTO, POIS A MÃE DELE ESTUDOU COMIGO NO RAIMUNDA COURA NO CALADINHO DE CIMA ,MINHAS CONDOLÊNCIAS A FAMÍLIA 😥😥😥😥

Solidária

08 de Fevereiro, 2018 | 10:46
Ao ler a reportagem sentir uma dor no peito,imaginem como deve estar o coração dessa mãe...Só Jesus para dar forças para superar.Que o Senhor Jesus continue abençoando a família.

Cristao

08 de Fevereiro, 2018 | 07:59
e´ um anjo que foi morar no ceu
Envie o seu Comentário