30/01/2018 17:33:00

Cenibra estabelece novo recorde de produção

O índice obtido é 20.342 toneladas acima do valor previsto



Divulgação


O índice obtido é 20.342 toneladas acima do valor previsto


A Celulose Nipo-Brasileira (Cenibra), em Belo Oriente, fechou 2017 com um novo recorde de produção anual, quando alcançou 1.220.638 de toneladas de celulose branqueada de fibra curta de eucalipto. O índice obtido é 20.342 toneladas acima do valor previsto. Em dezembro de 2017, a empresa estabeleceu outros recordes de produção, sendo diário por linha, 1.978 toneladas, mensal por linha, 55.522 toneladas e anual por linha, 598.118 toneladas.

A Cenibra dispõe de duas linhas de produção. A Linha 1, que opera desde 1977, e a Linha 2, que entrou em operação no final de 1995. O volume total de vendas foi 1.221.084 toneladas, conforme a assessoria de imprensa da empresa.

“O recorde torna-se mais relevante, sobretudo, por considerar o fator segurança no trabalho. A maturidade dos empregados, a competência e comprometimento mostram como é possível obter resultados impressionantes com segurança. Comemorar este resultado é reconhecermos que a Cenibra trabalha com níveis de crescimento de qualidade, competitividade e produtividade sem descuidar daquele que é o mais valioso patrimônio: a vida”, analisa o Diretor-Presidente Naohiro Doi.

João Rabelo


Naohiro Doi: "A Cenibra trabalha com níveis de crescimento sem descuidar daquele que é o mais valioso patrimônio: a vida”
O empreendimento continua a ser visto como viável e estratégico pelos acionistas. Perspectivas favoráveis para os novos investimentos estão colocadas pelo mercado internacional de celulose e estão sendo estudadas com atenção em todos os aspectos econômicos, financeiros, fiscais, de infraestrutura, abastecimento e logística.

A Cenibra investirá até o fim de 2018, US$ 50 milhões na modernização do sistema de picagem de madeira e de uma das linhas de branqueamento de celulose, na fábrica de Belo Oriente. O investimento no processo de branqueamento de celulose permitirá a redução do uso de produtos químicos no processo produtivo, economia de água e, por consequência, maior competitividade e otimização de resultados na preservação do meio ambiente.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário