12/01/2018 18:07:00

Poderosos



Divulgação

Achar que o futebol brasileiro está entre os grandes do planeta é pura ilusão, seja na qualidade do futebol, seja em valores financeiros, onde a diferença é mais gritante ainda.

Para se ter uma ideia, o Manchester City hoje é o clube mais poderoso e rico do planeta, seguido do Arsenal, PSG, Guangzhou Evergrande (China), Tottenham, Real Madrid, Manchester United, Juventus, Chelsea, Bayern de Munique, Zenith e muitos outros grandes clubes europeus, que, além da qualidade técnica, têm muito a ver com a sua riqueza, já que são comandados por “donos” que despejam milhões de dólares para adquirir qualquer jogador do planeta bola.

Em termos de condição técnica, comparando com os melhores campeonatos europeus: na Inglaterra, algum clube brasileiro poderia ficar abaixo da 6ª colocação; no Espanhol, entre a 5ª e a 6ª colocação; no Italiano repetiria a mesma classificação do Espanhol; no Alemão, teríamos uma colocação melhor.

No Francês algum clube brasileiro poderia lutar pela 3ª colocação e no Campeonato Português é que teríamos a melhor chance de conquistar um título. Esta diferença sé causada pela organização e a qualidade técnica dos jogadores europeus, que evoluíram muito em termos de condição técnica e tática.

SOCIAL
A equipe do Social se apresentou na última segunda feira, para dar início à pré-temporada visando o Campeonato Mineiro do Módulo II. Muitos jovens talentos vão ter a oportunidade de iniciar a sua vida no profissionalismo, e alguns outros, já com alguma experiência, também estarão fazendo parte do elenco, na nova proposta da Federação Mineira de Futebol de trabalhar as divisões inferiores com os jovens da base.

O goleiro Marcelo Henrique foi um dos que se apresentou à equipe. Com apenas 21 anos, o jovem tem um amplo currículo em alguns clubes da região e fora dela. Esteve no sub-20 do Campeonato Gaúcho e na Copa RS sub-19, atuando pelo Veranópolis; passou pela Tombense e ficou em observação no Americano de Campos.

Agora na equipe do Social, aposta nas oportunidades que poderá ter, porque a proposta da Federação Mineira é prestigiar estes jovens valores. Que o jovem goleiro tenha as oportunidades e possa se firmar no futebol profissional, construindo uma carreira de sucesso.

USIPA
Visando a temporada de 2018, o voleibol do clube continua trabalhando na formação de jovens atletas, que buscam a oportunidade para defender uma grande equipe e ainda manter o sonho maior de chegar às Olimpíadas.

O clube tem a proposta de iniciar com os garotos entre 7 e 8 anos, buscando a formação esportiva e social do jovem atleta, trabalhando a parte técnica de forma igualitária, pois o trabalho desenvolvido no clube tem o pensamento voltado no futuro, em busca da excelência esportiva.

Os bons resultados conseguidos pelo clube são fruto de um trabalho desenvolvido diariamente com professores capacitados e excelentes condições para que o atleta possa se desenvolver, com treinamentos nos três períodos, buscando sempre oportunidades de se destacar dentro do clube através dos treinamentos.

O clube vem se tornando a cada ano, é referência no âmbito estadual, consegue grandes resultados nas competições que disputa, e inclusive tem atletas nas seleções estaduais. Exemplos não faltam: o técnico Clóvis Silva foi o comandante da Seleção Mineira Infantil Masculina, e Deivid Alves foi o seu assistente técnico na temporada passada.

Os atletas André Luiz, Davi Gabriel e Douglas Souza estiveram na Seleção Mineira Infantil Masculina, e Manuela Barbosa esteve na seleção Mineira Infantil Feminina, onde conquistou a medalha de ouro no Campeonato Brasileiro de Seleções, a Taça Potengi de Lucena.

O sucesso do clube está baseado no projeto Ecomov de Voleibol, que está em seu terceiro ano, um projeto aprovado pela lei de incentivo ao esporte do Governo de Minas Gerais e patrocinado pela Usiminas, por meio de renúncia fiscal do ICMS.

PETECA
Durante alguns anos, a peteca foi um dos esportes que mais tinha competições, e em toda a região do Vale do Aço havia um número muito grande de petequeiros nos clubes de Ipatinga, Fabriciano e Timóteo, com competições a nível regional, estadual e nacional.

O Ipaminas, por alguns anos foi referência com a realização de uma Copa de Peteca, que era muito bem organizada e tinha excelente nível técnico. Mas o clube simplesmente parou de realizar a competição, e hoje parece que o esporte ficou esquecido, passou a ser praticado apenas como uma atividade física.

As disputas saudáveis, com integração de atletas, não existem mais em nossa região. Uma situação lamentável, que poderia mudar para divulgar o esporte, os clubes e a cidade.

LEMBRANÇAS
Marcelo Navarro e João Batista Hubner Guimarães “Batistinha” (Aciaria), Josué Alves e Toninho Malta (Usipa), Rubem Maia (Clube Casa de Campo) e Ananias Bertoldo (atuou em vários clubes), foram grandes dirigentes esportivos e deveriam ser homenageados todos os anos. Eles transformaram o esporte e fizeram a diferença, viviam os bastidores com alma e dedicação, tinham grande conhecimento e merecem o maior respeito por suas histórias.

roberto50mg@hotmail.com.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário