09/01/2018 15:54:00

Quem dá mais?



Divulgação

Para os donos do dinheiro, não há limites para comprar quem estiver à venda, ou apenas quem estiver no mercado. O preço para eles não faz muita diferença. A de Neymar foi a transação mais cara de todos os tempos no futebol, quase 1 bilhão de reais, transferindo-se do Barcelona para o PSG da França. Cristiano Ronaldo ganha milhões no Real Madri, Messi, Cavani, Gabriel Jesus, muitos outros craques do futebol mundial nadam em dinheiro em seus clubes.

Neste fim de semana, o Barcelona surpreendeu o mundo do futebol ao consolidar a contratação do atacante brasileiro Philippe Coutinho, que estava no Liverpool, efetuando a segunda maior transação do futebol, mais de seiscentos milhões de reais. O atleta será apresentado esta semana como a nova atração do clube catalão.

Provando que o dinheiro não lhes faz muita falta, os dirigentes do PSG teriam preparado uma proposta de 1 bilhão de reais para tentar levar o craque português Cristiano Ronaldo para o clube francês. Informações dão conta de que a investida vem no momento certo, pois o craque português não anda lá muito satisfeito com o seu salário atual no Real Madri e ainda não renovou o contrato, aguardando uma proposta que o torne o jogador mais bem pago do futebol mundial.

Diante do impasse, o clube francês colocou as cartas na mesa, disposto a levar o atual melhor jogador do mundo para fazer dupla com o atacante Neymar. Conversas de bastidores asseguram que o atacante uruguaio Cavani poderia entrar na transação.

Pelo nível do futebol brasileiro, algumas loucuras também são cometidas pelos clubes. No ano passado, Fred e Robinho tiravam quase dois milhões por mês dos cofres do Atlético Mineiro. Com a posse da nova diretoria, o clube resolveu limitar os gastos e não renovou com os dois jogadores.

Fred se transferiu para o Cruzeiro e, de acordo com o que vier a produzir dentro de campo, ainda receber mais de oitocentos mil reais por mês. Com tantos outros jogadores espalhados pelos clubes brasileiros, com dívidas altíssimas e salários atrasados, e os clubes insistem em pagar valores altíssimos para tão pouco futebol que é apresentado dentro de campo.

Na Europa os clubes têm donos, situação totalmente diferente do futebol brasileiro, onde muito clubes ainda nem são empresas e tem dificuldade de serem geridos para ter grandes lucros. Diante de cifras tão altas, todas as atenções estão voltadas hoje para o futebol europeu, onde a organização prevalece muito mais do que o espetáculo dentro de campo.

NOVAS CONTRATAÇÕES
O Galo atira para todos os lados, em busca de um zagueiro para compor a sua zaga, pois tem apenas Léo Silva - em final de carreira - e o jovem Gabriel. No ano passado, o setor defensivo da equipe foi o mais prejudicado, principalmente pela falta de peças de reposição.

Esta semana a diretoria contratou o jovem Iago Maidana, que ano passado defendeu o Paraná e pertencia ao São Paulo, e que passa a ter um vínculo de cinco anos com o Atlético.

A diretoria tem um emissário na Alemanha, onde está tentando a contratação do volante Walace, que atualmente defende o Hamburgo, mas a contratação, além de ter a concorrência do Flamengo, esbarra no valor pedido pelo clube alemão, que fez um alto investimento no atleta e quer o retorno imediato. O Atlético aposta na contratação pela parceria feita com um investidor, que irá bancar parte dos valores para trazer o jogador para Minas Gerais.

PROFISSIONALIZAR
O futebol brasileiro precisa passar por uma verdadeira devassa no âmbito administrativo, uma mudança mais do que radical na entidade que administra o futebol no país. Os últimos acontecimentos com os nossos dirigentes, precisam ser reavaliados para começar uma nova era, um novo modelo, com novos dirigentes que de fato se preocupem com o futebol do país.

Nas eleições passadas, Zico tentou montar uma chapa para concorrer às eleições, mas não foi sequer ouvido pelos clubes. Zico é um jogador com passagens memoráveis pelo Flamengo, seleção brasileira, futebol italiano e japonês, com experiência internacional, e com certeza faria uma grande administração. Mas os dirigentes dos clubes preferiram olhar somente para o próprio umbigo, e hoje vemos a lambança que fizeram com o nosso futebol, onde nenhum clube tem a coragem de se manifestar, com medo de contrariar os interesses da CBF.

Há notícias dando conta de que o senador Zezé Perrela deverá ser o novo ministro dos esportes, e que seu filho deverá assumir um cargo na CBF. Por que ninguém se interessa renovar o esporte, seja o futebol ou o esporte especializado? Que a reformulação comece no Ministério dos Esportes e continue em todos os órgãos que gerenciam as atividades esportivas no país. É preciso mudar urgentemente, buscar novos rumos, para que possamos ao menos tentar acompanhar de perto a evolução do futebol europeu.

LEMBRANÇAS
Norton Henrique foi um dos dirigentes do futebol amador de Ipatinga. Por vários anos foi presidente do Cidade Nobre, e hoje empresta o seu nome a uma competição de futebol amador em Ipatinga.

roberto50mg@hotmail.com.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário