27/10/2017 18:00:00

Motoristas aprovam quebra-molas na BR-458

A reportagem foi perguntar aos motoristas a avaliação deles sobre a situação do trânsito após a instalação dos quebra-molas



Wôlmer Ezequiel


Quebra-molas na avenida Cláudio Moura teve como objetivo garantir segurança em retorno
Passados quatro dias da instalação de um quebra-molas na avenida Cláudio Moura, trecho urbano da BR-458, no bairro Novo Cruzeiro, em Ipatinga, o recurso é aprovado pelos motoristas que precisam usar o retorno existente no local. Pelas redes sociais, entretanto, os usuários da pista sentido ao Centro, mantêm os protestos contra essa retenção na pista.

A intervenção foi realizada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) faz parte de um conjunto de melhorias em andamento para facilitar o retorno em direção ao Centro. O trecho no local é de 60 km/h, mas quem trafega sentido ao Centro enfrenta tempo indeterminado de espera para avançar e seguir o curso. A dificuldade atinge tanto quem vem do centro e quer retornar, quanto quem sai do Parque Ipanema pela avenida Roberto Burle Max e precisa seguir para o Centro pela Cláudio Moura.

O presidente da Associação de Moradores do Bairro Novo Cruzeiro (Ambanoc), Erson Vieira, informou ao Diário do Aço que a instalação do quebra-molas foi positiva e contribuiu para que os motoristas façam o retorno para o centro pela BR-458, mas não resolveu o problema por inteiro.

“A nossa ideia mesmo era colocar uma retenção perto do retorno para forçar os carros que transitam pela rodovia a chegarem para direita. Isso iria aliviar a passagem, mas não quiserem arrancar algumas árvores por causa de licença ambiental. O diretor do Dnit tinha até aprovado essa ideia, que seria bem melhor. Agora temos que esperar para ver como que vai ficar essa pista”, afirma.

O dirigente comunitário também informou outra solução que pode contribuir para a segurança no retorno. “Desde que colocaram o quebra-molas, eu sei que já teve três acidentes por ali. Então, se eles levantassem o quebra-molas mais para o lado esquerdo, no sentido centro, os carros iriam se agrupar no lado direito da pista, facilitando o retorno. Além disso, também precisa colocar mais sinalização”, concluiu.

A reportagem também foi perguntar aos motoristas a avaliação deles sobre a situação do trânsito após a instalação dos quebra-molas.


Wanderlei Rodrigues Santos, comerciante: “Eu achei excelente o quebra-molas, só penso que seria interessante se fosse dez metros para trás, porque daria tempo de fazer a curva. Quase todo dia vou ao centro e passo pelo retorno. Hoje mesmo eu passei por lá, porém esperei muito tempo para consegui fazer o retorno, mas já melhorou”.

Luiz da Silva, borracheiro: “A instalação desse quebra-molas, por um lado, foi boa. Aquele retorno causava acidentes frequentes por causa dos motoristas em alta velocidade. A pessoa achava que dava tempo de entrar na pista, mas vinha alguém muito rápido atrás e acabava batendo. Agora com o quebra-molas tem como fazer o retorno mais fácil, no entanto, a população ainda não acostumou e sempre vem em alta velocidade e acaba freando bem em cima”.


Narcélio Alves, servidor público: “Esse quebra-molas foi de grande utilidade, porque quem tem que retornar, antes não conseguia, pois os carros vinham pela BR-458 com muita velocidade. Agora com o quebra-molas reduziu a velocidade desenvolvida pelos motoristas, é possível fazer o retorno com mais tranquilidade, com essa reduzida”.

Oswaldo Bolonezi, aposentando: “Não é como um sinal que faz parar tudo, mas de qualquer maneira eu achei melhor do que nada, porque com o quebra-molas, as pessoas reduzem a velocidade, então tem uma chance para entrar na pista. Então quanto mais coisa tiver para reduzir a velocidade é melhor. Não sei se seria melhor ter só uma faixa de aceleração no lugar do quebra-molas mas, de qualquer maneira, também iria ajudar”.




Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

José Ronaldo

29 de Outubro, 2017 | 11:02
Pôr quê não colocam radar?? É muito irresponsável essa medida de quebra molas em uma BR , o risco de acidente é enorme pela falta de sinalização adequada.
Veja como reduziu os acidentes após as instalações de diversos radares na rodovia da morte, mesmo ela em obra.
Os relatos que temos é grande os números de acidentes e assaltos em alguns pontos.

Pedro

29 de Outubro, 2017 | 10:28
Ignorância achar que quebra molas resolvem problema de seguridade no trânsito.Esse método é antigo,que de certa forma é perigoso e bastante prejudicial ,ainda mais em se tratando de viaturas em ocorrências ,sejam elas,pelo uso de Ambulâncias,policiais, bombeiros e terceiros em medidas de urgência,isso atrasa a prestação '' socorrista'' e de urgência''.Uma via com 1 quebra molas por ex,pode atrasar em cerca de 05 a10 segundos,parece pouco, mas para quem está dentro de um SAMU,com risco de morte,1 segundo a menos pode lhe causar a morte.O fato é, se colocar radar,o povo reclama, 'pardal' o povo reclama !Porque não educar? assim como as faixas de pedestres, que depois de muitos anos tornou-se efetiva e usual.Como sugestão,bom seria usar barreiras eletrônicas, visíveis e bem sinalizadas,assim mantem o fluxo de veículos,sem prejuízo das viaturas que transitam em plena atividade.Noutra visão, vejo que essa obra deve ter custado uns 6 a 7 mil( preço real)e com super valorização( corrupção) deve ter ficado uns 80 mil reais..tão inventando obras para capitalizar..só pode !!!!! Quem viu a ponte metálica esses dias? recapeamento da via num durou nem 05 anos e a pista de rolamento está deformada.Ao invés de reformar , colocaram '' zoi de gato '' em sua extensão.Que gambiarra !!! quem circula ali, sabe que desviamos das deformidades e as vezes avançamos a faixa contrária(perigo) para sair dos relevos causados por uma obra mau executada !!!

Maurozam

28 de Outubro, 2017 | 22:53
Se fosse bom e inventado por um sujeito inteligente, este cocô não seria proibido pelo artigo 94 do código de trânsito, sendo permitido apenas em último caso só depois de ser esgotados todos os recursos disponíveis, e ainda assim com medidas e regulamentação na resolução 39 do CONTRAN.
Envie o seu Comentário