24/07/2017 17:01:00

Mais uma vez, a MG-760

O governador Fernando Pimentel irá assinar nesta quarta-feira (24) a ordem de serviço para a sequência da pavimentação da MG-760, estrada que liga o Vale do Aço à Zona da Mata mineira



Arquivo DA


População espera pavimentação da estrada desde 1980, quando foi assinada a primeira ordem de serviço


Está agendada para esta quarta-feira (26), a vinda do governador Fernando Pimentel ao Vale do Aço, para mais uma vez, assinar a ordem de serviço para a sequência da pavimentação da MG-760, estrada que liga o Vale do Aço à Zona da Mata mineira. A assinatura se dará em um evento na entrada do Parque Estadual do Rio Doce, em Marliéria. Essa será a terceira vez que um governador de Minas vem à região para anunciar a retomada do serviço. Na prática, não será uma nova ordem, mas sim a retomada de uma obra cuja autorização foi assinada pelo governador Antonio Anastasia, em 31 de agosto de 2013.

Naquele ano, a obra foi tocada entre o distrito de Cava Grande, em Marliéria, e o povoado de Santo Antônio da Mata. Em dezembro de 2013, entretanto, a obra parou quando ambientalistas questionaram o modelo de licenciamento ambiental e exigiriam o atendimento de condicionantes ambientais para reduzir o impacto da pavimentação sobre a área de amortecimento do Parque Estadual do Rio Doce. Desde então, a Secretaria de Estado de Obras Públicas (Setop), e o Departamento de Estradas e Edificações (DEER-MG), fizeram tramitar nos órgãos ambientais do estado a alteração no projeto ambiental, um processo burocrático que demorou quatro anos e, somente no fim do mês de junho, recebeu o parecer final, liberando a obra, que tem custo estimado de R$ 134 milhões.

A mesma empresa vencedora da licitação, a Tamasa Engenharia, que executou serviços de terraplanagem em um trecho de cinco quilômetros até os arredores de Santo Antônio da Mata, dará sequência à obra, cuja extensão é de aproximados 64 quilômetros até São José do Goiabal. Também está prevista a ampliação da capacidade de tráfego da estrada de 12 quilômetros que liga Goiabal à BR-262.

A primeira etapa da pavimentação da 760 ocorreu em 1980. O então governador, Newton Cardoso, autorizou a obra. Toda a extensão da rodovia recebeu terraplanagem, mas o asfalto nunca foi aplicado. O ex-prefeito de Dionísio, Weber Americano, relatou ao Diário do Aço há alguns anos que, por ter força política maior, Governador Valadares reivindicou o recurso ao governo estadual, para construir o contorno rodoviário. A obra parou na 760 e os valadarenses foram premiados com o investimento. De lá para cá, a “luta pela pavimentação” virou bandeira de campanha de inúmeros políticos.

Variante
Outra parte importante da obra, entretanto, não tem previsão de sair do papel, conforme o DEER informou ao Diário do Aço. Trata-se da variante da MG-760 entre Cava Grande e o contorno rodoviário da BR-381, uma nova estrada interligando as duas rodovias, via bairro Limoeiro, em Timóteo. A obra é necessária, porque a avenida Acesita, do bairro Ana Rita ao bairro Quitandinha, não tem condições de receber o tráfego que será carreado pela 760, se a estrada for mesmo pavimentada até Cava Grande. Especialmente em um trecho da avenida Acesita, no bairro Santa Rita, a capacidade está limitada a veículos com no máximo 10 toneladas.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário