27/04/2017 18:48:00

Em Fabriciano, atendimento do Hospital São Camilo deve ser suspenso

Isso porque o contrato com o governo do Estado com a Sociedade Beneficente São Camilo, que vence no dia 9 de maio, ainda não foi renovado



Arquivo DA


Hospital São Camilo ainda não tem o contrato renovado com o Estado de Minas Gerais


A direção do Corpo Clínico do Hospital São Camilo, em Coronel Fabriciano, divulgou nessa quinta-feira (27) a foto de um documento que informa o fim do atendimento hospitalar, a partir da próxima terça-feira, 2 de maio. Isso porque o contrato com o governo do Estado com a Sociedade Beneficente São Camilo, que vence no dia 9 de maio, ainda não foi renovado.

O médico Diego Ribeiro Reis explicou ao DIÁRIO DO AÇO a decisão do Corpo Clínico. “Por meio de uma reunião realizada na quarta-feira (26), foi decidido que não serão internados mais pacientes a partir do dia 2 de maio. A partir dessa data, o hospital vai transferir os pacientes para outras unidades. A partir do dia 9 de maio, o hospital não se responsabiliza mais pelos pacientes, e sim o Estado, já que o contrato vai estar vencido”, ressalta.

O médico também informou que parou de trabalhar no hospital devido aos problemas que ocorrem desde o ano passado. Segundo o documento divulgado nas redes sociais, o Corpo Clínico do Hospital São Camilo comunica que fará apenas os necessários atendimentos aos pacientes que forem internados até o dia 1º de maio, não realizando novos atendimentos no dia posterior. Após essa data, os próximos pacientes deverão ser internados em outras unidades hospitalares.

Ainda conforme o documento, a partir do dia 2, não haverá escala de plantão para atendimento a pacientes que necessitem de serviços médicos.

Conforme a assessoria do Hospital São Camilo, a diretoria aguarda um posicionamento do Estado.

Falta de repasses
Os hospitais São Camilo de Timóteo (antigo Vital Brazil) e Coronel Fabriciano já enfrentaram problemas financeiros em agosto do ano passado, devido à falta de repasses do Estado. Com isso, os serviços de atendimento ficaram prejudicados, afetando os compromissos com terceirizados, inclusive os médicos e fornecedores, dificultando o funcionamento das unidades.

Estado
Procurada, a Secretaria de Estado de Saúde informou que celebrou convênio com a Sociedade Beneficente São Camilo visando à permissão de uso e implantação de serviços assistenciais, hospitalares e ambulatoriais, em imóvel desapropriado em benefício do Estado. O convênio foi celebrado em 2012 com prazo de término em cinco anos e todos os termos de contratualização com a entidade foram feitos ao longo dos últimos anos, tendo esse convênio como base.

Os prazos conveniais e contratuais são de conhecimento da convenente. A Secretaria Estadual de Saúde destaca que está negociando, no âmbito da gestão do SUS, como se dará o funcionamento do hospital a partir de 10/5, de forma a atender aos interesses dos entes envolvidos, a fim de garantir a continuidade da assistência à população.



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Marcos

26 de Maio, 2017 | 13:17
Após 17 dias do termino do contrato do Hospital São Camilo (HSC) com o Estado de Minas Gerais, os funcionários do hospital vivem momentos de incertezas, ansiedade e grande descaso por parte da empresa São Camilo.
Sim, descaso é a palavra, pois até hoje nenhum funcionário foi informado por parte da empresa qual será o futuro que os espera dentro da organização, a empresa simplesmente retirou documentos, os gerentes quase não aparecem no hospital e quando aparecem dizem não saber de nada quanto ao acerto com os empregados.
Desta forma o tempo passa e a nova empresa (Bom Samaritano) administradora do hospital que já se encontra gerindo a unidade hospitalar da cidade, fica impossibilitada de contratar os funcionários uma vez que ainda possuem vínculos empregatício com a São Camilo.
Esperamos que a empresa São Camilo faça jus ao nome de um homem tão coerente e comprometido com a humanização e a palavra de Deus, São Camilo de Lellis, dando aos seus funcionários as devidas satisfações e agilizando o processo infelizmente inevitável de demissão para que possam ser aproveitados pela nova empresa administradora do hospital.

José Antônio da Silveira Drumond

28 de Abril, 2017 | 13:59
Esta é simplesmente mais uma das incoerências do governo petista. Sabem perfeitamente que a saúde da população Fabricianense de baixa renda depende, em termos hospitalares, quase que em 100% dos casos do hospital São Camilo, antigo Hospital Siderúrgica. Dizem, política e rotineiramente, que atender "os mais pobres" faz parte da sua meta política principal. Pois não é o que estamos vendo. O encerramento do atendimento SUS do HSC trará, como consequência imediata, a morte de vários pacientes, ou o prolongamento do sofrimento físico deles. Está esperando o que, O GOVERNO ESTADUAL, para a renovação do contrato com o HSC ? Esperando, como sempre morosamente, o vencimento do contrato atual, cujo já deveria há muito ter sido renovado, ou a morte na porta do Hospital, por falta de atendimento, de doentes rejeitados? Cadê você "Sêo" Pimentel, será que está mais preocupado com seu destino na LAVA JATO que com a parcela mais necessitada da população Fabricianense, sem outra alternativa que não o HSC ? Lamentável.

Marcos

28 de Abril, 2017 | 10:24
Neste referido hospital, doentes com enfermidades diversas, ficam misturados a outros com doenças contagiosas, perdi minha mãe em 2015, ela foi internada para tratar de diabetes e pressão alta e faleceu 20 dias depois, no atestado de óbito esta escrito como causa da morte Pneumonia Hospitalar, na cama ao lado da dela havia falecido uma senhora com pneumonia, e havia mais algumas pessoas com pneumonia no mesmo quarto, na minha opinião deveria ter uma ala especifica, para doentes com doenças contagiosas. Pesquisem e verão o alto numero de óbitos por pneumonia neste hospital.
Envie o seu Comentário