08/10/2016 18:00:00

Socicam vence licitação para administrar aeroporto regional

Previsão é que assinatura do contrato ocorra no mês de novembro



Alex Ferreira


Sem a Usiminas, gestão do aeroporto regional passou a ser gerido por concessão
PARAÍSO – A empresa Socicam, que já atuava no aeroporto de Santana do Paraíso, venceu a licitação para administração e exploração do terminal aeroviário. Conforme a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), a previsão é que a assinatura do contrato de concessão ocorra no mês de novembro. A administração do aeroporto regional foi feita desde a sua fundação pela Usiminas, em 1959, que no início deste ano anunciou que se dedicaria somente à produção de aço e repassou o terminal para o Estado de Minas Gerais.

Com a nova gestão, estão previstas algumas alterações no aeroporto, pórtico detector de metais, ampliação e modernização do Terminal de Passageiros (TPS); construção do novo estacionamento de veículos com, no mínimo, 120 vagas; readequação da praça em frente ao TPS; ampliação, adequação e modernização da Seção Contra Incêndio – SCI; adequação e modernização do prédio administrativo, modernização do prédio da Estação Prestadora de Serviços de Telecomunicação de Tráfego Aéreo (EPTA); construção de no mínimo um novo módulo para despacho de cargas e encomendas; regularização da faixa de pista preparada da cabeceira 23; readequações paisagísticas; instalação dos Equipamentos Obrigatórios (PAPI, Farol Rotativo, CFTV, SIV, Climatização, Sonorização, Longarinas, Carros de bagagem).

O prazo do contrato é de 30 anos, no valor de R$ 293.680.550,22. Conforme o edital, as melhorias devem ser implementadas dentro de um ano, após a assinatura do contrato.

Solução
A saída da Usiminas da gestão do aeroporto localizado no distrito industrial de Santana do Paraíso ocorreu no mês de fevereiro deste ano. A venda de passagens chegou a ficar suspensa, em razão do impasse sobre quem administraria o terminal aéreo.

A Prefeitura de Santana do Paraíso informou que o município buscava uma solução junto a lideranças políticas para evitar o fechamento do termial, pois não poderia assumir os custos de sua manutenção e operação. A saída foi a concessão, pelo Governo de Minas Gerais, para que o terminal permanecesse em funcionamento. Um contrato de emergência foi firmado com a empresa que já atuava na gestão do aeroporto na época da Usiminas.

Na prática, a mudança da gestão era pleiteada por lideranças empresariais e políticas há alguns anos, em razão da necessidade de investimentos e ampliação do atendimento aos usuários. Uma das alegações de empresários e lideranças regionais é que, por não se tratar de sua atividade fim, a Usiminas não investia no local.
Atualmente, somente a Azul Linhas Aéreas opera na região, com voos para o aeroporto de Confins, na Região Metropolitana do Vale do Aço. A expectativa é que, com os investimentos, seja ampliada a oferta de voos.

Repórter: Bruna Lage


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário