15/11/2017 08:43:00

Desentendimento dentro de carro termina em homicídio

Acusado de efetuar tiros dentro de veículo é um morador do Morro do Carmo



Alex Ferreira


O homicídio aconteceu nesta avenida, acesso para a BR-381, em Timóteo

Um desentendimento dentro de um carro terminou em homicídio na madrugada desta quarta-feira (15). O caso foi registrado por volta de 2h40, no bairro Nova Esperança, em Timóteo.

Júlio Cesar Brito Barros, de 27 anos, foi encontrado ferido na rua Beta, que dá acesso ao contorno rodoviário da BR-381, dentro do Fiat Palio. O Portal Diário do Aço apurou que um casal passou pela rua e acionou a Policia Militar informando que havia um homem com sinais de ter sido baleado.

No local policiais militares depararam com a vítima, no interior de um Fiat Palio, inconsciente e com uma marca de tiro na nuca, indicando que houve uma execução. O veículo também tinha marcas de tiros no vidro dianteiro da porta esquerda. O Corpo de Bombeiros Militar também foi acionado, transferiu a vítima para uma unidade de socorro e a levou para o Hospital Márcio Cunha, onde morreu.

Outra vítima

Enquanto os policiais registravam o caso no bairro Nova Esperança, o pai de um jovem acionou a Polícia Militar dizendo que o filho tinha chegado em casa com marcas de sangue na roupa e dizendo que tinha presenciado um homicídio e o autor havia atentado contra sua vida.

À Polícia Militar, I.M.S., de 21 anos, cujo documento de identidade ficou no carro, informou que se encontrava no interior do Palio em que foi encontrada a vítima. Na versão do jovem, um morador do bairro Nossa Senhora do Carmo (Morro do Carmo), em Coronel Fabriciano, identificado por ele apenas como Marquinho, estava no banco de trás do automóvel.

Quando passavam pela rua Beta o passageiro apontou uma arma de fogo na cabeça da vítima e começou a atirar. I.M. disse que escapou da morte ao pular do carro em movimento e correr, ao ser mandado fugir.

Conforme a testemunha, o desentendimento começou quando Marquinho exigiu que Júlio Cesar Brito lhe repassasse um outro revólver de calibre 32, que a vítima trazia no carro. Julio César recusou e começou uma discussão, que terminou com os tiros. O caso ainda está em apuração.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Laura Assis

16 de Novembro, 2017 | 19:53
kkkk. Dívida de drogas. Simples assim.

Diego Silva

16 de Novembro, 2017 | 19:53
Rs. Que conversa de bobo é essa? A polícia pode apertar o santo da testemunha e ele acabará confessando ser acerto de contas por causa de drogas.

Luis Fernando...

16 de Novembro, 2017 | 06:36
QUE HISTORINHA MAL CONTADA EM SR "IMS DE 21ANOS"....CONTA ESSA HISTORIA DIREITO FILHO..
JOGO MEU DIPLOMA FORA SE NESSE ANGU NÃO TIVER MOSQUITO.
Envie o seu Comentário