14/11/2017 18:24:00

Metasita e Câmara de Vereadores unidos pela contratação de mão de obra local pela Aperam

A maior indignação surgiu quando os trabalhadores souberam que ônibus estariam chegando de fora da região com trabalhadores para serem admitidos



Divulgação


Os trabalhadores solicitaram a presença do presidente da Câmara de Timóteo, Adriano Alvarenga, que juntamente a diretoria do Metasita ouviu os trabalhadores
Na tarde dessa terça-feira (14), diversos trabalhadores compareceram a sede do Metasita (Sindicato dos Trabalhadores Metalúrgica Timóteo e Coronel Fabriciano) para questionar a contratação de profissionais vindos de outros estados, pela Aperam. Na ocasião, os trabalhadores solicitaram a presença do presidente da Câmara de Timóteo, Adriano Alvarenga, que juntamente a diretoria do Metasita ouviu os trabalhadores.

A maior indignação surgiu quando os trabalhadores souberam que ônibus estariam chegando de fora da região com trabalhadores para serem admitidos em empresas que prestam serviços terceirizados à Aperam Inox América do Sul S/A. Por causa disso, foi solicitado ao departamento de RH (recursos humanos) uma reunião em que será solicitada a contratação de mão de obra local.
Divulgação


A intenção é defender o direito da mão de obra local em empresas terceirizadas


Adriano Alvarenga informou que na reunião marcada para a próxima quinta-feira (16), às 16h, no setor de RH da Aperam, a intenção é, com o Metasita, defender o direito da mão de obra local em empresas terceirizadas, nas reformas que a empresa Aperam fará no fim do ano, com a contratação de aproximadamente três mil trabalhadores.

Divulgação


A maior indignação surgiu quando os trabalhadores souberam que ônibus estariam chegando de fora da região com trabalhadores para serem admitidos
“Não podemos permitir que cidadãos de outros estados e regiões venham a preencher essas vagas, tendo em vista o alto déficit de emprego e renda em Timóteo e na região. Precisamos priorizar e lutar pelos trabalhadores de nossa cidade. Acredito que, com toda a diretoria do Metasita e seu presidente, Antonio Marcos, conseguiremos chegar a um acordo com o setor de RH da Aperam para que, a maioria das vagas possam ser preenchidas com mão de obra da região que é bastante qualificada”, disse Adriano Alvarenga.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Comentários

Márcio Pezão

16 de Novembro, 2017 | 10:16
CERTO IGUAL A UM ANZOL !!! HÁ ALGUNS "EMPRESÁRIOS PARASITAS" QUE SUGAM OS TRABALHADORES IGUAL ESSE BANDIDO DA JBS RETIRAM OS DIREITOS DOS TRABALHADORES PARA SUSTENTAR AS QUADRILHAS PARTIDÁRIAS !!! PORQUE NA HORA QUE PRECISAM QUE OS TRABALHADORES FIQUEM DEPOIS DO HORÁRIO EM JORNADAS DE 10,12.,16,E ALGUMAS VEZES PARA CUMPRIR O CONTRATO DO EMPRESÁRIO COM SEUS CLIENTES CHEGAM A ULTRAPASSAR 24 HORAS AÍ, O TRABALHADOR É GENTE BOA ,MAS NA HORA DE RECEBEREM SE TORNAM SEUS PIORES INIMIGOS ,INFELIZMENTE É ASSIM QUE FUNCIONA !!! MAS NEM TODOS SÃO BOBOS !!! AÍ TEM QUE OUVIR O HOMEM MOSSEGO (BATMAN ) FALAR QUE ESTÁ CERTO OU ERRADO !!!

Alvaraz

15 de Novembro, 2017 | 20:51
Para pagar miséria tem que trazer de fora mesmo.Vale do aço terra de profissionais de alto nível.Essa criação de sub empregos e esse vereador é um oportunista já foi pego embriagado saindo de uma festa.Péssimo representante da população de Timóteo.

Márcio Pezão

15 de Novembro, 2017 | 15:50
Uma obra desse porte não é decidida da noite para o dia!!! MAIS TRISTE ainda é ver a falência da política em Timóteo , 3000 vagas!!! e ônibus com trabalhadores de outras cidades e até mesmo de outros estados a caminho de TIMÓTEO para tocar a obra ,e não é a primeira vez !! a obra do GASODUTO também passou em branco com relação a mão de obra local !!! Enquanto isso continuaremos a ver filhos chorando se despedindo de seus pais e vice < verça quando tem ir para outras cidades, estados, ou até para outros países para trabalhar ,por que os políticos e os sindicatos não tiveram a competência de representá los como deveriam ESPERO QUE ESTA REUNIÃO NÃO SEJA SÓ MAIS UMA ESTRATÉGIA EM ANO ELEITORAL PARA ENCHER LINGUIÇA E ENGANAR O TRABALHADOR !!! COMO TANTAS QUE TIVERAM !!!

Gustavo

15 de Novembro, 2017 | 12:51
Mais tem muitos trabalhadores que já entra na empresa pensando em entrar na justiça, no vale do aço é a maioria que faz isso, falo por ter sentido na pele, já criei emprego, hj tenho só 10 funcionários, vc pode fazer tudo certo, mais o cara pendura a empresa e sempre ganha, não penso mais em gerar empregos.... agora que tá na dificuldade eles quer reclamar né kkkkkkk

Jose

15 de Novembro, 2017 | 10:57
Afff...mimimi.. Sou formado, pos graduado. Fiquei um bom tempo parado e tive que partir para outra região para trabalhar. Quer disser que um desempregado não pode procurar serviço em outras localidades. Quantas pessoas crescem por trocar uma região mais pobre por uma regiao mais desenvolvida. A aperam não foi responsavel pela contratação da mao de obra e sim a terceirizada que optou por trazer mao de obra externa devido a experiencia dos trabalhadores, nao necessitando de treinamento. Se tres mil pessoas estao vindo, ira aquecer o mercado imobiliario de alugueis ( que esta em baixa na regiao), restaurantes, comercio, lazer,... enfim, renda para a cidade.
Envie o seu Comentário