09/11/2017 10:47:00

Quando o racismo vira escândalo com um famoso

Waack afirma não se lembrar do que disse, já que o áudio não tem clareza, mas pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação



O âncora da TV Globo, William Waack, conhecido no meio jornalístico por se mostrar radical contra qualquer linha de pensamento de esquerda, caiu em uma armadilha criada por ele próprio. Um deboche, diante de um entrevistado, pode antecipar o fim de sua carreira no telejornalismo.

O vídeo do bastidor do ‘Jornal da Globo’, durante a cobertura da eleição presidencial dos Estados Unidos, em 2016, mostra o âncora ironizando um motorista que buzinava perto de onde ele e um entrevistado estavam, em Washington (cidade com numerosa população negra), à espera da entrada ao vivo na TV.

“Tá buzinando por quê, seu merda do cacete?”, diz o apresentador. Em seguida, sussurra para o convidado ao seu lado o que se entende como: “É preto. É coisa de preto”.

O flagra vazado por alguém ainda não identificado foi o assunto mais comentado da internet na quarta-feira (8) e segue nesta quinta-feira entre os assuntos mais debatidos, no Brasil e no exterior. Tornou-se um escândalo de cunho racista poucas vezes visto na mídia brasileira.

Depois de horas de inexplicável silêncio, a emissora anunciou a saída temporária de William Waack da bancada do ‘JG’, onde ele estava desde 2005.

“A Globo é visceralmente contra o racismo em todas as suas formas e manifestações. Nenhuma circunstância pode servir de atenuante. Diante disso, a Globo está afastando o apresentador William Waack de suas funções em decorrência do vídeo que passou hoje a circular na internet, até que a situação esteja esclarecida”, diz o comunicado.

Outro trecho da nota: “Waack afirma não se lembrar do que disse, já que o áudio não tem clareza, mas pede sinceras desculpas àqueles que se sentiram ultrajados pela situação”.

‘Àqueles que se sentiram ultrajados’ são ‘apenas’ 54% da população brasileira, de acordo com o IBGE, algo em torno de 111 milhões de ‘uns’, como a Globo passou a tratar seus telespectadores na nova campanha de autopromoção.

Esse escândalo racial envolvendo a maior e mais poderosa emissora do País acontece – santa ironia! – no momento em que sua principal novela aborda de maneira contundente a discriminação contra negros.

Em ‘O Outro Lado do Paraíso’, o autor Walcyr Carrasco mostra o racismo de uma branca de classe média alta, a dondoca Nádia (Eliane Giardini), contra sua empregada doméstica Raquel (Érika Januza), pertencente a um quilombo.

Desde o primeiro dia de trabalho, a moça foi alvo de críticas e zombaria por conta de sua origem étnica. A situação piorou quando Nádia descobriu o romance da moça com seu filho, o estudante de Direito Bruno (Caio Paduan).

No capítulo de quarta-feira (8), ela soltou uma ‘pérola’ racista: “já pensou eu ter um neto preto? Troco no berçário”.

O folhetim denuncia o racismo explícito e também o ‘racismo cordial’, expressão criada para descrever o preconceito praticado de maneira dissimulada.

A Globo, que já foi acusada de empregar atores negros somente em papéis de empregados e bandidos, ampliou nos últimos anos a presença de afrodescendentes na teledramaturgia e no telejornalismo.

Há vários jornalistas negros em destaque, como Gloria Maria, ícone do ‘black power’ na TV e hoje no ‘Globo Repórter’, Maria Júlia Coutinho, apresentadora da previsão meteorológica e ocasionalmente do ‘Jornal Hoje’, e Heraldo Pereira, apresentador eventual do ‘Jornal Nacional’ e comentarista de política do ‘Jornal da Globo’, onde interage diariamente com William Waack. Uma interação que, hoje, parece ser improvável que continue. O retorno de Waack ao ‘Jornal da Globo’ é incerto. (Por Jeff Benício / Terra )

Zé Paulo Cardeal/TV Globo

William Waack: carreira consolidada no telejornalismo da TV Globo está por um fio por causa de um comentário racista



Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br

Reação dos Leitores





Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário