06/11/2017 18:29:00

Bairros de Timóteo e Fabriciano têm áreas classificadas como alto risco

O Diário do Aço fez um levantamento das áreas de risco nas cidades de Timóteo e Coronel Fabriciano, além do quantitativo de pessoas que estão nessa mesma situação



Arquivo Diário do Aço


Moradias construídas em áreas impróprias têm chances de desabamento, alerta coordenador
Com a chegada do período chuvoso moradores de vários bairros precisam ficar atentos com as condições de risco nos lugares onde residem. Nesta segunda-feira (6), o Diário do Aço fez um levantamento das áreas de risco nas cidades de Timóteo e Coronel Fabriciano, além do quantitativo de pessoas que estão nessa mesma situação. Os levantamentos sobre Santana do Paraíso e Ipatinga ainda estão em andamento.

Em Timóteo, o coordenador da Defesa Civil, Joel Medeiros, fez um balanço no município e informou o que está sendo feito durante esse período de chuva. “Com base nos últimos dados do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), 2.076 pessoas e 523 moradias estão em situação de alto risco aqui em Timóteo. Então, ao longo dessas semanas, estamos conferindo esses casos para saber o que pode ser feito e avisando os moradores. Mas vale ressaltar que toda moradia construída em encosta é uma área de risco”, afirma.

O coordenador também conforma que estão classificadas como alto risco, áreas nos bairros Macuco, Ana Moura, João XXIII, Santa Cecília, Alvorada, Primavera, Bela Vista e Petrópolis.

Coronel Fabriciano

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil de Minas Gerais (Cedec/MG) disponibilizou um documento com informações do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden) sobre a situação de Coronel Fabriciano.

"Estima-se que 13.276 pessoas em 3.319 moradias estejam expostas ao risco alertado. Os bairros que estão em alto risco são: Frederico Ozanan, Caladão, Padre Rocha, Caladinho de Cima, Pedreira, Nossa Senhora do Carmo, Manoel Domingos, Nossa Senhora da Penha, Santa Terezinha I, Universitário e Santa Terezinha II”, informa o documento.

A assessoria de comunicação da Prefeitura de Coronel Fabriciano confirmou que a administração municipal e a Defesa Civil municipal têm conhecimento dos dados técnicos. Por meio de nota, o governo informa que, o alerta chegou na semanada passada. “Diante da situação, foi acionado o plano de contingência e intenso monitoramento pela Defesa Civil, que percorreu os locais que já haviam sido detectados, anteriormente, com o plano de prevenção ministrado pelo município”, explica.

No entanto, conforme a nota, não houve ocorrência de natureza climatológica grave ou algum tipo de incidente, recentemente, nos locais que permanecem sob monitoramento.

“Na manhã desta segunda-feira (6), foi até emitido pelo Centro Nacional de Gerenciamento de Riscos e Desastres (Cenad) a ordem de cessar o alerta, por entender que houve normalização do cenário de riscos devido à ausência de chuvas significativas nas últimas horas e redução dos acumulados de precipitação”, acrescenta a assessoria.

A nota ainda explica como funciona a observação nas áreas, a partir dessa semana, mesmo com a ordem do Cenad. “A Defesa Civil informa que continuará em constante monitoramento e, em caso de alteração do cenário de risco local, novos alertas poderão ser emitidos e comunicados. O telefone da Defesa Civil é 3846-7702 ou 199. Após as 18h e fins de semana, ligue 193”, conclui a nota.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário