11/08/2017 13:05:00

Lactobacillus casei Shirota contra rinite alérgica

Celina Hiramatsu



Divulgação

A rinite alérgica é uma doença inflamatória crônica do nariz que afeta de 10% a 25% da população mundial. Nos meses mais frios do ano os episódios são ainda mais comuns, devido à presença de elementos alergenos no ar – como pólen e poeira. Os sintomas mais frequentes são coceiras no nariz, olhos e garganta, espirros e congestão nasal, que podem reduzir a qualidade de vida de pessoas de todas as idades.

Como ocorre com as demais alergias, a rinite também é uma reação imunológica a elementos estranhos ao organismo que, neste caso, entram pelo nariz. Mas o problema também pode ser causado pelo Staphylococcus aureus, uma das bactérias que mais causam infecções em seres humanos, responsável ainda por sinusite crônica, alergias respiratórias e asma, entre outros problemas.

Embora geralmente seja tratada com anti-histamínicos (antialérgicos), descongestionantes nasais e corticosteroides, pesquisas recentes indicam que os probióticos poderiam ser uma opção interessante para prevenir a rinite alérgica. E para entender se os probióticos de fato podiam ajudar no controle deste tipo de problema, pesquisadores do Departamento de Microbiologia da Faculdade de Medicina e Ciências da Saúde da Universidade de Muhammadiyah Yogyakarta, na Indonésia, desenvolveram um estudo em parceria com a Yakult. 

O experimento envolveu 42 estudantes de Medicina da Universidade de Yogyakarta com histórico de rinite alérgica. Após coletarem materiais da mucosa nasal para análise microbiológica do Staphylococcus aureus, os cientistas pediram que os voluntários ingerissem leite fermentado com o probiótico Lactobacillus casei Shirota – exclusivo da Yakult – durante um mês e, após este período, novas amostras foram coletadas.

Os resultados demonstraram que a suplementação com o probiótico Lactobacillus casei Shirota reduziu a presença de Staphylococcus aureus nas amostras nasais dos estudantes com rinite alérgica, e também aumentou a capacidade da resposta imunológica dos voluntários. O estudo foi publicado no Knowledge Life Sciences – Volume 2 (2015) 124 – 128.

Os probióticos são, na sua maioria, bactérias láticas, e devem, mesmo que temporariamente, sobreviver aos sucos digestivos e colonizar o intestino, onde atuam. Os probióticos liberam ácidos como o lático e o acético, que têm capacidade de melhorar a atividade intestinal, facilitando a digestão, absorção de nutrientes e eliminação de toxinas. Inúmeras pesquisas já comprovaram que os microrganismos probióticos inibem as bactérias patogênicas e ajudam a prevenir infecções. 

O uso dos probióticos altera a composição da microbiota intestinal em certos grupos, como bebês prematuros, pacientes com diarreia, crianças medicadas com antibióticos, pacientes com gastroenterites virais e algumas doenças atópicas, e são úteis não somente pelas suas propriedades, mas também pelo fato de serem agentes de interação com a mucosa intestinal.

* Nutricionista do Departamento de Ciências e Pesquisas da Yakult Brasil.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário