11/08/2017 09:02:00

Qual o impacto da Reforma Trabalhista para o RH das empresas

Celso Bazzola



Divulgação

A Reforma Trabalhista passará a ter validade em novembro, e o tema ainda é foco de intenso debate, com parcela da população contrária radicalmente e outra parcela defendendo. Nesse ponto é importante ter em mente que a Consolidação da Leis Trabalhista Brasileiras (CLT) foi criada por decreto-lei de 1º de maio de 1943, e que de lá para cá muita coisa mudou.

Por isso, vejo esse momento como um avanço nas relações, principalmente para as áreas de recursos humanos. Possibilitando empresas, sindicato e trabalhadores definirem a melhor forma de conduzir mudanças sem estarem presos a regras que já não fazem parte de nossa realidade.

Um ponto crucial é que muito tem se falado em perda de direitos, mas não se observa mudanças substanciais, porém os colaboradores poderão conduzir de forma mais aberta as negociações. A empresa e trabalhadores poderão adequar seus acordos de forma mais efetiva, conforme seu interesse, e o sindicato será fundamental nas negociações.

Uma coisa importante é que com isso as empresas poderão ajustar questões de informalidade, como o parcelamento de férias, que não era permitido, mas ocorria em grande parte das empresas, a pedido do próprio trabalhador. Assim, vê-se que os direitos serão preservados, cabendo às partes buscarem o consenso. Isso significa que, em boa parte, a reforma está regularizando o que hoje já se faz, o que todos aceitam e poucos questionam.

Para às áreas de recursos humanos é preciso muito cuidado nas ações que serão tomadas a partir de agora. As negociações devem estar focadas muito além do simples desejo de obter vantagens na relação. Criando mecanismos de sustentabilidade desse acordo, entendo que existe uma interdependência nas relações para o equilíbrio econômico e garantia de ganhos e lucros.

Flexibilizar alguns critérios de negociação pode aumentar o ganho pelo resultado e a composição justa de uma remuneração total, onde todos obtêm resultados pela importância que cada um tem no processo produtivo.

A reforma trabalhista se mostra importante para modernização da área de recursos humanos das empresas e para suportar momentos de instabilidade econômica, possibilitando a realização de acordos que sejam compatíveis com a necessidade de mercado, evitando situações de demissão em massa ou quebra de empresas como ocorridas recentemente.

* Consultor em recursos humanos e diretor executivo da BAZZ Estratégia e Operação de RH.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário