09/08/2017 17:32:00

Olhos abertos



Divulgação

Se Micale continuou sem enxergar como atuam os adversários do Atlético, certamente o Atlético teve muitas dificuldades ontem à noite no Mineirão. No jogo de ida, o Jorge Wilstermann ganhou o jogo explorando as costas do Marcos Rocha, com o velocista atacante brasileiro Serginho. Caso não tenha observado esse detalhe, Rocha deve ter tido muito trabalho com ele. E não adianta reclamar depois. 

Não adiante dizer que os bolivianos vieram fechados e acharam um gol no contra-ataque. Uai! Queria outra coisa de uma equipe mediana, para não dizer fraca, jogando em Belo Horizonte, e ainda por cima com uma boa vantagem? Contra o Botafogo, o Corinthians e o Grêmio, ele não foi capaz nem ao menos de dificultar o estilo de jogo deles, que são fatais nos contra-ataques.

Tomara que o pior não tenha acontecido nesse quarta-feira! Caso contrário, até a permanência na elite ficará muito difícil. E se poupou os medalhões, errou feio. Seria hora de jogar a bomba para cima deles: Victor, Marcos Rocha, Léo Silva, Rafael Carioca, Elias, Robinho e Fred. Caso tenha deixado de fora todos esses, ou alguns deles, e o time não tenha passado, eles vão sair por cima, em caso de ter havido um desfecho infeliz na Libertadores. 

É bom que o time tenha feito o dever de casa, porque agora será o River Plate. Até o momento o Atlético só enfrentou “mambaias” do futebol sul-americano.

Projeto do Santos
Dizem que a diretoria do Santos teria planos audaciosos para ter de volta a dupla Diego e Robinho. Mas será que eles já avisaram ao Levir Culpi? Afinal, com Levir ninguém joga apenas com o nome. Aliás, Robinho já pode assinar um pré-contrato, pois seu vínculo com o Atlético se encerra daqui a quatro meses.

E o torcedor atleticano não sentirá falta alguma dele, pois Robinho só rendeu bem até outubro do ano passado. De lá para cá, não jogou nada e está literalmente fazendo hora extra no clube, passando a impressão de estar com muita má vontade. Ele pode até ter arrebentado ontem, mas isso não apaga o seu desempenho horrível na temporada.

Explicado!
Está explicada a falta de gols do ataque cruzeirense. Para mim, liberar Ábila foi um erro de estratégia imperdoável do Mano Menezes e da diretoria celeste, que não teve sabedoria para segurar o gringo. Afinal, o argentino joga mais que Rafael Marques, Rafael Sóbis e Sassá juntos. Além disso, o time está entre as equipes que mais erram passes no brasileirão.

E Mano ainda vem com a ironia de que o vento estaria atrapalhando o Cruzeiro em casa, pois em 10 jogos na série A o time perdeu uma e empatou cinco, e há mais de 30 dias não vence como mandante. E pior ainda foi ele lembrar da horrível fase do Atlético, para tentar justificar a má campanha celeste. Tomara que ele consiga um bom resultado domingo, às 11h, contra o São Paulo no Morumbi. 

Bola na Área
Nesta segunda-feira (14), estaremos com o programa Bola na Área direto do Domus Restaurante. Na rua Afonso Guimarães, bairro Cidade Nobre. Música ao vivo.
 
Contatos: Fabrício.bolanaarea@gmail.com. (31) 98632-3341.


Encontrou um erro? Comunique: falecomoeditor@diariodoaco.com.br


Aviso - Os comentários não representam a opinião do Portal Diário do Aço e são de responsabilidade de seus autores. Não serão aprovados comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes. O Diário do Aço modera todas as mensagens e resguarda o direito de reprovar textos ofensivos que não respeitem os critérios estabelecidos.
Envie o seu Comentário